Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que o jovem abandona os estudos?

Por que o jovem abandona os estudos?

03/08/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O aluno precisa receber da escola aquilo que cada curso traz em seu enunciado.

Por que o jovem abandona os estudos?

A maioria dos indivíduos com quem tive a oportunidade de dialogar sobre o tema, diz que quando crianças ou jovens, não encontraram alguém – pais, avós, professores ou outros – com capacidade ou disposição para convencê-los sobre a necessidade de estudar. O senso geral é que todos diziam “menino (ou menina...), vai estudar prá garantir seu futuro”. Mas ninguém esclarecia devidamente essa afirmativa. Em alguns casos, a imposição autoritária apresentou efeito contrário provocando aversão e, quando possível, a evasão escolar. Todos os que hoje fazem essa observação já estão pelo menos na meia idade e sentiram a falta que faz o conhecimento e a documentação de escolaridade. Até buscaram recuperar o tempo perdido, mas admitem que poderia ter sido melhor o estudo na época indicada, quando ainda não pesavam sobre seus ombros os compromissos profissionais e a obrigação de sustento próprio e da família que se constituiu muitas vezes precocemente.

Resolvi abordar esse tema por entendê-lo relevante para as próximas gerações. Com os recursos técnicos de hoje e a modernidade cultural, penso ser mais fácil a pais, irmãos, professores e outros conviventes convencer a garotada da necessidade do estudo e dizer claramente onde poderá chegar quem estudar e o que poderá ocorrer a quem abandonar os estudos Principalmente agora, quando a tecnologia tomou conta de toda a cena social e econômica, quem não tiver habilidade e preparo para algum trabalho dificilmente será absorvido pelo mercado, cada dia mais exigente. No passado havia, para os incultos, a alternativa de atividades  em que empregavam a força física. Mas isso acabou, pois atualmente são disponíveis veículos, guindastes, empilhadeiras e processos mecânicos que substituem a força h umana. O mesmo se dá na agricultura que, no lugar do plantio e colheita manuais, agora as possui mecanizadas e até controladas remotamente por satélite e computador. Não precisa mais do plantador ou colhedor, mas do operador dos equipamentos. Deveria fazer parte do currículo escolar, desde aquilo que um dia chamamos de jardim da infância, a apresentação – ainda que ludica – a computadores, máquinas e outros recursos que fatalmente encontrará em sua vida profissional.

Tenho a impressão – não posso afirmar que seja real porque não sou do ramo – que a Educação brasileira enfrenta grande defasagem em relação às necessidades do mercado. Os cursos são muito teóricos e não treinam o aluno para assumir um posto de trabalho, como seria o desejável. Esse é um problema que deveria ser resolvido pelas autoridades educacionais através do aporte de verbas e pelos pedagogos e outros especialistas da área através da montagem de projetos que sejam contemporâneos e possam abastecer o mercado de trabalho aprontando os jovens que todos os anos chegam à idade indicada para buscar emprego e renda. É preciso achar a compatibilização entre o mercado que possui milhares de vagas em aberto por falta de profissionais qualificados e o grande contingente de desempreg ados que não encontra colocação justamente por não ter as credenciais exigidas. A solução é qualificá-los.

É um desperdício os governos manterem formidáveis estruturas universitárias e de ensino básico e médio – que consomem elevadas cifras dos impostos arrecadados – e isso não servir para dar suporte adequado à formação de profissionais e às atividades laboriais. Aquela parcela de professores que foi cooptada para impingir idéias político-partidárias na cabeça dos alunos deveria ser aproveitada para, com sua competência desperdiçada na tentativa de formação de militantes, atuar na preparação de profissionais que possam evoluir na carreira e oferecer novos horizontes à sociedade e economia nacionais.

A manutenção de bolsões ideológicos – não importa se de direita, esquerda ou de centro – dentro da estrutu ra de ensino é um verdadeiro crime de lesa-pátria, pois desvia os recursos educacionais de sua finalidade. Acho quer todos os cidadãos podem, se quiserem, um dia se tornar militantes, mas isso não deve lhe ser despertado na sala de aulas onde há um currículo não político ou partidário a ser cumprido. O aluno precisa receber da escola aquilo que cada curso traz em seu enunciado. Nada impedirá, no entanto, se com a cultura recebida e assimilada, resolver militar politicamente e até tornar-se líder. Mas cada coisa ao seu tempo e sem jamais negligenciar a base.

Que tal, senhores militantes do ensino, em vez de oferecer ideologia aos jovens, buscar o melhor formato de convencê-los a estudar e a ter nos estudos o seu passaporte para um futuro melhor. Mais justo e adequado do que tentar formar ativistas...
 
* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre Ensino clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: ASPOMIL



Experiência escolar: a importância de recursos que apoiem a aprendizagem

O material didático nada mais é do que um instrumento de apoio educacional que oferece ferramentas de suporte ao processo de aprendizagem.

Experiência escolar: a importância de recursos que apoiem a aprendizagem

Pesquisa da UFMG vai traçar perfil de jovens cientistas e auxiliar criação de políticas públicas

Em 2022, mais da metade dos recursos destinados ao desenvolvimento científico e tecnológico foram bloqueados.

Pesquisa da UFMG vai traçar perfil de jovens cientistas e auxiliar criação de políticas públicas

Reino Unido disponibiliza bolsas de mestrado para alunos de 160 países

Além de bolsa de estudos, os aprovados terão passagens pagas.

Reino Unido disponibiliza bolsas de mestrado para alunos de 160 países

Projeto “Encontro Marcado com Fernando Sabino” chega à Igarapé e Mateus Leme

A ação de incentivo à leitura coordenada pelo Instituto Fernando Sabino já esteve em mais de 90 cidades, contemplando cerca de 900 mil alunos.

Projeto “Encontro Marcado com Fernando Sabino” chega à Igarapé e Mateus Leme

Concurso de poesias celebra bicentenário da Independência do Brasil

Inscrições para alunos da rede pública vão até 2 de setembro.

Concurso de poesias celebra bicentenário da Independência do Brasil

Sinduscon-MG oferece cursos para profissionais da construção civil

Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas está com inscrições abertas para novos cursos on-line com temas de interesse do setor.

Sinduscon-MG oferece cursos para profissionais da construção civil

Volta às aulas X evasão escolar. O que esperar do mês de agosto?

Com a pandemia, Brasil sofre retrocesso e volta a ter o mesmo nível de evasão escolar de 20 anos atrás.

Volta às aulas X evasão escolar. O que esperar do mês de agosto?

Vende-se Gamificação, mas esquece do ensino

Os estudos sobre gamificação não surgiram no campo da educação, e sim no mundo coorporativo.

Vende-se Gamificação, mas esquece do ensino

Ensino básico presencial: importância do espaço escolar para a construção das oportunidades

A importância da educação para o desenvolvimento socioeconômico de um país é matéria de amplo conhecimento da sociedade.

Ensino básico presencial: importância do espaço escolar para a construção das oportunidades

O que o novo Ensino Médio tem a ensinar ao Enem?

A lição mais valiosa do Novo Ensino Médio para o Novo Enem envolve o protagonismo juvenil.

O que o novo Ensino Médio tem a ensinar ao Enem?

MEC autoriza desconto de 12% para dívidas sem atraso do Fies

Para ter o abatimento, é preciso fazer o pagamento à vista.

MEC autoriza desconto de 12% para dívidas sem atraso do Fies

40% do potencial das crianças é desperdiçado no ensino tradicional brasileiro

Modelo nórdico pode aprimorar resultados da educação formando pessoas e profissionais mais felizes e capazes.

40% do potencial das crianças é desperdiçado no ensino tradicional brasileiro