Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Professor Operacional ou Professor Estratégico?

Professor Operacional ou Professor Estratégico?

17/05/2021 Janaína Spolidorio

Nem podemos dizer que a tecnologia veio com a pandemia para ficar, porque se você pensar bem, a tecnologia está aqui há muito mais tempo do que se imagina.

Professor Operacional ou Professor Estratégico?

Temos o péssimo hábito de chamar de tecnologia somente as novidades, mas tem coisas bem antigas, como lápis, giz, lousa, tesoura que não deixam de ser tecnológicas!

Um conceito do que é a tecnologia diz respeito a algo cujo uso facilita nossa vida, resolve problemas. Quem pode dizer que um simples lápis não facilita a escrita? Ou que uma tesoura não resolve quando você precisa cortar um papel, uma flor ou mesmo uma embalagem? Mesmo assim, ainda há pessoas que só consideram como tecnologia o que faz parte do digital e neste quesito temos um atraso enorme na área da educação, realmente.

Temos professores que nem sabem organizar um gerenciador de arquivos ou montar um mapa hierárquico de informações no computador, que são itens iniciantes de quem usa o aparelho, e precisam aprender “na marra” a usar recursos mais avançados... do jeito que conseguem.

Uma grande lacuna na formação acadêmica é a falta de olhar para a tecnologia, mas não com a aparelhagem e sim com a preocupação em formar professores capazes de serem autônomos em relação ao operacional e articuladores em relação ao estratégico.

A grande “sacada” da tecnologia é o que os bilhões de usuários mundiais não percebem e exatamente o que irá diferenciar aquele que entendeu o que há por trás de tudo isso, porque há um gigante abismo de diferença entre usar e dominar a tecnologia.

Usar, qualquer um usa. Dominar é outra história! E é aí que entra o diferencial entre professor operacional e professor estratégico. Para entender melhor, vamos para a área da saúde!

Imagine que foi criada uma máquina, um robô, capaz de operar um paciente à distância e com capacidade para efetuar um tipo específico de cirurgia. O fabricante da máquina certamente sabe operá-la muito bem, porém mesmo ele sendo um expert no aparelho, você faria sua cirurgia com a fabricante, sem a presença de um médico especialista neste tipo de cirurgia?

Naturalmente, a resposta é “claro que não”. Isso, porque não basta saber usar o aparelho, que é a parte operacional. É preciso ter o conhecimento do paciente, que é o estratégico. O médico pode melhorar sua precisão na cirurgia, operar remotamente e ainda melhorar sua taxa de sucesso caso aprenda a utilizar a máquina com o fabricante, mas o contrário não acontece, porque o operacional tem menor importância na equação. Embora a tecnologia facilite, sem o cérebro humano pensante não faz sentido.

Neste mero exemplo está também a resposta para a clássica pergunta de “será que a máquina substituirá o professor?”. É uma amostra simples do quanto é diferente você apenas saber usar e do saber usar e conhecer sua área.

Aprender a usar tecnologia como se quer atualmente, que é o domínio de aplicativos e programas é fácil demais. Basta dar um “google” ou um “youtube” do tipo “como fazer um cartaz no Canva” e em poucos minutos você tem acesso à informação. Montar um cartaz pedagógico no Canva, com elementos que serão usados para uma interpretação textual, como parte de um projeto ou ainda fazer a ponte entre o que o cartaz deve dizer e as habilidades a serem trabalhadas da BNCC somente um professor que domina o operacional e o estratégico consegue de modo competente.

Perigoso achar que sabe operar a máquina e perigoso também supor que só saber usar um programa vai levar você a algum lugar, porque não vai. O que você consegue é apenas fazer um mero truque ou se virar. Mas quantos de nós gostaríamos que o professor de nossos filhos “se virasse bem” em lugar de saber realmente o que faz? E quantos outros iriam querer ter um colega de série no trabalho que diz saber usar um programa de computador e quando chega a hora de entregar fica claro que ele se vira, mas não domina?

Nem sempre seu parâmetro está de acordo com os demais, mas uma coisa é certa: perceber que precisa de ajuda ou formação parte primeiramente de você. Sem admitir suas próprias lacunas de aprendizagem não conseguirá buscar novos horizontes e nem se aperfeiçoar profissionalmente.

Para formar seu caminho, seja ele juntando seu eu operacional com seu eu estratégico, ou mesmo em qualquer outra situação, é preciso que você coloque o pé no chão e dê seu primeiro passo. Ninguém pode dá-lo no seu lugar, então que tal refletir sobre sua prática e sua carreira e escolher a direção do seu próximo passo?

* Especialista em neuroeducação, Janaína Spolidorio é formada em Letras, com pós-graduação em consciência fonológica e tecnologias aplicadas à educação e MBA em Marketing Digital. 

Para mais informações sobre Professor clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: EVCOM



Enem: 6 dicas para aumentar o foco

É muito comum se distrair enquanto estamos estudando.

Enem: 6 dicas para aumentar o foco

Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Qualidade na educação é um conceito complexo que pode se modificar conforme o contexto, os valores, a cultura e a identidade de cada local.

Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE

A coleta dos dados foi feita antes da pandemia, entre abril e setembro de 2019.

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE

Senai abre inscrições para o Grand Prix de inovação

Desafios terão de ser resolvidos por estudantes.


Brincadeiras para fazer no Dia Mundial da Alfabetização

Para que o processo de alfabetização ocorra, as crianças precisam se conscientizar dos sons das palavras.

Brincadeiras para fazer no Dia Mundial da Alfabetização

Novo modelo de gestão para personalizar o ensino vai além da tecnologia

Precisamos falar de transformação digital. Ou melhor, precisamos traduzir a transformação digital (TD) para sua expressão mais completa e abrangente.

Novo modelo de gestão para personalizar o ensino vai além da tecnologia

O impacto das novas gerações nos modelos escolares

Seja nas instituições de ensino públicas ou privadas, a chegada de uma nova geração às salas de aula afeta os modelos escolares.

O impacto das novas gerações nos modelos escolares

Fundação Dom Cabral e Cotemig concedem bolsas de estudos para jovens de baixa renda

As oportunidades serão para Ensino Médio Técnico e graduação na área tecnológica.


Instituto Ling concede 25 bolsas de estudos para jovens brasileiros

Somente neste ano, a entidade investiu US$ 589 mil para auxiliar jornalistas, advogados, administradores, engenheiros e economistas a estudarem nos Estados Unidos e na Europa.

Instituto Ling concede 25 bolsas de estudos para jovens brasileiros

Técnicas para se concentrar nos estudos ouvindo música

Muitos alunos têm dúvidas se ouvir música durante os estudos pode melhorar o desempenho.

Técnicas para se concentrar nos estudos ouvindo música

Dicas para ajudar os pais na hora de fazer a matrícula dos filhos

Saiba o que considerar na hora de escolher a escola ideal, levando em conta questões como valores, religião, distância e formação dos professores.

Dicas para ajudar os pais na hora de fazer a matrícula dos filhos

Estímulo para o ensino de crianças se baseia no despertar de seu interesse

Um dos grandes desafios dos profissionais que lidam com o ensino infantil também passou a ser responsabilidade dos pais.

Estímulo para o ensino de crianças se baseia no despertar de seu interesse