Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Que inglês você fala?

Que inglês você fala?

09/11/2020 Edna Marta Oliveira da Silva

Mas que tipo de inglês, devemos falar?

Que inglês você fala?

“Ô, teacher, você morou fora quantos anos?”

“Teacher, você fala inglês britânico ou americano?”

“Tô pensando em fazer aulas com um falante nativo pra aprender inglês.”

Você, caro(a) colega de profissão, já deve ter ouvido isso de seus alunos em algum momento da sua carreira, não é verdade?  Digo isso por experiência própria: é grande a curiosidade dos alunos em saber como a teacher aprendeu a se comunicar em outra língua e se foi com um ‘falante nativo’. Isso sinaliza a existência de mitos muito recorrentes sobre a aprendizagem de língua estrangeira (no meu caso, a inglesa) e sobre os quais eu gostaria de tecer alguns comentários.

Tenho trabalhado como professora de inglês desde 2000, mas meu contato com esta língua começou ainda na adolescência, pelos idos dos anos de 1970. Lembro-me muito bem que, nessa época, existia uma mítica em torno de quem era capaz de se comunicar em outra língua. Na escola de idiomas onde comecei meus estudos, por exemplo, havia um certo ‘status’, digamos assim, se você fosse contemplado, naquele semestre, de ser aluno de um dos professores ‘nativos’.

Também me recordo de serem somente esses mesmos professores os responsáveis pela aplicação dos exames internacionais de proficiência em língua inglesa e das provas de produção oral por razões que dispensam comentários. Existia, nas entrelinhas desses exames e em nossas aulas de inglês, uma certa pressão para tentarmos reduzir ao máximo o nosso sotaque “brazuca” quando tentávamos no comunicar em língua inglesa.

Thank God time has changed!  (Graças a Deus, os tempos são outros!) Será mesmo? Tenho cá minhas dúvidas. Ainda persiste a ideia equivocada de que só seremos falantes perfeitos de língua inglesa ou de qualquer outra língua estrangeira se morarmos anos em outro país ou se nossa pronúncia for igual a de um ‘falante nativo’.  E aqui já começa o primeiro problema: qual é a sua referência de ‘falante nativo’?

Não se iluda com o primeiro impulso em afirmar que é uma pessoa nascida nos Estados Unidos, por exemplo. Esse é um país tão continental quanto o Brasil.  Faça, então, uma rápida comparação: qual seria o ‘falante nativo’ do português brasileiro? Um gaúcho? Um paraense? Um goiano? Um fluminense? Ou um paulista?

Talvez exista uma tendência em acharmos que o falar paulista ou carioca seria o típico português brasileiro, porém, isso se deve mais a questões políticas e econômicas do que linguísticas em si. E se expandirmos essa ideia a outros países que adotam a língua inglesa como oficial, tais como a Jamaica ou a África do Sul, obviamente, a dificuldade em se estabelecer um ‘padrão’ linguístico irá ser igualmente complexa.

Mas que tipo de inglês, então, devemos falar? Aquele que é possível e que cumpra o seu papel principal que é o da comunicação.  Mas e o sotaque? Todos vão perceber que sou estrangeiro(a).  Sim, e qual é o problema com isso?  O seu sotaque nada mais é do que o indicativo de que você é um ser bilíngue (ou trilíngue, ou multilíngue, quem sabe?) e está fazendo um esforço de comunicação na língua do outro. Simples assim.

Por fim, um outro mito que de me dá arrepios só em pensar é o fato de um ‘falante nativo’ ser considerado o melhor professor de línguas estrangeiras. Pense novamente comigo: você fala português há anos como língua materna. Você conseguiria dar aulas de português? Isso claro, caso você não tenha formação em Letras e tenha conhecimentos sobre os processos de ensino e aprendizagem, metodologias de ensino. Perceba: você tem domínio linguístico, sem sombra de dúvidas. Mas isso não é o suficiente para fazer de você um professor (a) de português. Por que então, acreditar que um ‘falante nativo’ de uma língua estrangeira seria?

Lembre-se que aprender – qualquer coisa que seja – demanda tempo, dedicação, esforço e comprometimento. A mesma lógica se aplica ao ensino de língua estrangeiras. Milagres não existem e, acredite, não é o fato de um ‘falante nativo’ ser seu (sua) professor (a) que irá garantir o seu sucesso de aprendizagem. Se você compreende e se faz entender, você está cumprindo com o papel principal que é o da comunicação. E não é justamente essa a razão pela qual nos aventuramos na aprendizagem de outros idiomas?

* Edna Marta Oliveira da Silva é mestre em Estudos Linguísticos e professora do curso de Letras do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



A importância da Educação para uma internet segura para todos

Há uma série de leis, regulamentos e normas técnicas que reforçam o valor da informação.

A importância da Educação para uma internet segura para todos

A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Enem divulga datas das provas para os estudantes em 2022

As inscrições começam no dia 10 de maio e se encerram no dia 21.

Enem divulga datas das provas para os estudantes em 2022

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Conspiração Mineira pelo Plantio de Árvores é apresentada pela ACMinas.

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Olimpíada Mirim de Matemática abrange alunos do 2º ao 5º do fundamental

Essa é a primeira competição nacional a incluir estudantes tão novos.

Olimpíada Mirim de Matemática abrange alunos do 2º ao 5º do fundamental

Enem 2021: 22 estudantes tiraram nota máxima na redação

Correções detalhadas podem ser conferidas na internet.

Enem 2021: 22 estudantes tiraram nota máxima na redação

Webinar gratuito apresenta oportunidades de estudo e trabalho na Irlanda

Evento será transmitido pela SEDA College, no dia 12 de abril.

Webinar gratuito apresenta oportunidades de estudo e trabalho na Irlanda

MEC lança projeto para aproveitamento de estudos de cursos técnicos

Primeira turma do curso de aperfeiçoamento tecnológico será em julho.

MEC lança projeto para aproveitamento de estudos de cursos técnicos

Inscrições para cursos técnicos gratuitos pelo Trilhas de Futuro vão de 7 a 25 de abril

Além da formação profissional gratuita, o Governo de Minas fornece ajuda de custo para transporte e alimentação dos alunos do programa, que chega a sua segunda edição.

Inscrições para cursos técnicos gratuitos pelo Trilhas de Futuro vão de 7 a 25 de abril

Governo de Minas oferece curso gratuito de programação e tecnologia

TecPop Minas, programa da Sede-MG que amplia as políticas de inclusão digital e capacitação profissional, se une a startup para formação de desenvolvedores.


CBCA abre inscrições de concursos para estudantes de engenharia e arquitetura

Vencedores de ambas as áreas dividirão prêmio de R$ 10 mil entre equipe participante e professor orientador.