Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma ligação. Uma certeza: a escola está na UTI

Uma ligação. Uma certeza: a escola está na UTI

20/05/2019 Raphaela Ribas Lupion Gubert

Já passou a hora da escola se reinventar.

Uma ligação. Uma certeza: a escola está na UTI

Recentemente recebi uma ligação da professora do meu filho por conta de um bilhete que coloquei na agenda relatando que ele esquecia com frequência o livro na escola e não conseguíamos realizar as tarefas. No decorrer da conversa, aproveitei para perguntar como ele tinha se saído em sua primeira prova - ele tinha 6 anos na época. A professora prontamente me contou que ele é uma criança muito rápida, inteligente, e que, apesar de toda a sua agitação, foi muito bem, antes mesmo dela terminar de entregar a prova à turma - o combinado foi que eles fariam a prova juntos – , ele já tinha terminado.

Não preciso contar o que aconteceu, não é? Ele, como toda criança ativa, híbrida e amplamente conectada com mundo, não ficou sentado em sua cadeira esperando os outros terminarem. Levantou-se e foi conversar com seus colegas. Porém, era o momento da prova e ele atrapalhou a dinâmica da turma. Nesse instante, interrompi a professora ao telefone e imediatamente perguntei: você tinha outras atividades preparadas para crianças que finalizavam as provas, certo? Novamente, o esperado: não, ela não tinha. Fez-se um silêncio no telefone, respirei fundo e disse: sugiro que das próximas vezes que precisar que ele fique sentado, quieto e concentrado lhe dê tarefas. Criança que “trabalha”, não dá trabalho.

Ainda encontramos escolas que enfileiram seus mais de 35 alunos e que organizam seus projetos de trabalho por meio de aulas expositivas e provas. Já passou a hora da escola se reinventar. Por que a escola tem tanta dificuldade de inovar? Vivemos o tempo da educação 4.0, do aprender fazendo, da internet das coisas, da inteligência artificial, dos robôs e das crianças e jovens ultraconectados, autênticos, adaptáveis e extremamente criativos, que pesquisam por meio de vídeos no youtube, vivem num mundo sem fronteiras geográficas, usam Uber e Airbnb.

A escola para essa geração precisa ser um espaço vivo, colaborativo, que valorize o seu protagonismo e lhe proporcione experiências valorosas de vida e de aprendizado. O professor precisa ser um tutor que guie o aluno pelas trilhas personalizadas que promoverão seu aprendizado. As metodologias devem ser ativas, com estratégias que desenvolvam a integralidade do estudante. A avaliação, uma ferramenta que oriente o professor, o tutor, na construção de novos caminhos e trilhas para a promulgação e valorização do aprender a aprender. Ou seja, a escola para a geração Y e Alpha precisa olhar o futuro e pensar: o que preciso desenvolver para que meus alunos sejam profissionais de sucesso daqui 20 anos?

E como estará o mundo? Os cientistas e os Jetsons nos fornecem pistas, mas não nos garantem um cenário - ou seja, estamos formando crianças para um mercado de trabalho incerto. O que dará alta para a escola da UTI? A construção de espaços inovadores que permitam o desenvolvimento da autonomia, da criticidade, da criatividade, da ética e da moral, para que lá em meados de 2034 meu filho, que a propósito tirou 10 na prova, saiba conviver em uma cidade tal qual a de Orbit City.

* Raphaela Ribas Lupion Gubert é coordenadora pedagógica das Escolas Confessionais do Sistema Positivo de Ensino no Brasil.

Fonte: Central Press



Leitor em braile desenvolvido por alunos será apresentado na Inglaterra

O protótipo, desenvolvido por estudantes de Eletrônica do CEFET-MG, foi credenciado para ser apresentado no maior fórum científico juvenil do mundo, em julho.


Quando dizer não

Na agenda sobrecarregada dos pais há cada vez menos espaço para o convívio com os filhos.

Quando dizer não

Uninter promove curso intensivo sobre empreendedorismo e inovação em Boston

Proposta de imersão acontece durante uma semana dentro do campus da Lasell College, com professores experientes nos temas.

Uninter promove curso intensivo sobre empreendedorismo e inovação em Boston

Diretor de escola: um gestor de pessoas ou gestor de conflitos?

Uma boa rotina escolar é imprescindível tal qual a energia elétrica e a água encanada.

Diretor de escola: um gestor de pessoas ou gestor de conflitos?

Mesmo com avanços tecnológicos, escolas não devem esquecer a formação humana dos estudantes

Segundo coordenador do Sistema de Ensino pH, é necessário se preocupar com uma educação ética, sustentável e que respeite a diversidade.

Mesmo com avanços tecnológicos, escolas não devem esquecer a formação humana dos estudantes

Cresce o número de adultos que querem concluir o Ensino Médio

Segundo o Inep, as inscrições para o Encceja aumentaram 75% este ano, em relação a 2018

Cresce o número de adultos que querem concluir o Ensino Médio

Como mediar conflitos nas escolas

Mediar um conflito de forma positiva, restaurando os sentimentos e as emoções usando modelos não punitivos responsabilizando os envolvidos.

Como mediar conflitos nas escolas

ProUni abre período de inscrições

O prazo para participar da seleção vai até 14 de junho.

ProUni abre período de inscrições

Os três pilares do aprendizado

A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular.

Os três pilares do aprendizado

60% das pessoas que procuram intercâmbio são mulheres

As mulheres, geralmente, procuram programas que possibilitam estudar e trabalhar

60% das pessoas que procuram intercâmbio são mulheres

Número de inscritos para o Encceja 2019 tem aumento de 75%

As provas serão aplicadas no dia 25 de agosto em 611 municípios

Número de inscritos para o Encceja 2019 tem aumento de 75%

Mestrado em Engenharia Elétrica da UFSCar está com inscrições abertas

Programa tem linhas de pesquisa em "Fotônica: materiais e dispositivos", "Processamento digital de sinais" e "Smart grids"