Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Começa a corrida para as contratações temporárias

Começa a corrida para as contratações temporárias

04/11/2019 Da Redação

Para atender o aumento de vendas de cerca de 13% no Natal, lojistas precisarão elevar contratações temporárias e deverão ficar atentos às obrigações legais para as vagas.

Começa a corrida para as contratações temporárias

O empresariado do Distrito Federal está com boas expectativas para as compras de Natal neste ano de 2019,  segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio-DF. Os dados apontaram que o número de vendas em 2019 poderá crescer 12,95% ao longo do período de compras para Natal e Réveillon, com relação a 2018.

Ainda segundo a pesquisa da Fecomércio-DF, 22,6% dos empresários de Brasília farão contratações temporárias para conseguirem atender a possível demanda aguardada. Isso pode significar a abertura de 3.094 vagas de trabalho temporário ao longo dos meses de novembro e dezembro.

Com o surgimento dessa demanda, surge também a necessidade do gestor de Brasília se resguardar quanto às obrigações legais, para que a contratação temporária não acabe sendo um problema jurídico à sua empresa.  Apesar de instituído pela Lei 6.019/1974 e regulamentada pelo Decreto 73.841/1974, o contrato de trabalho pode acabar sendo uma cilada para o contratante.

“Para que o contrato de trabalho temporário tenha segurança, ele precisa ser formalizado mediante contrato escrito, firmado com a empresa de trabalho temporário. Portanto, o documento será válido se houver a tríplice relação contratual, ou seja, a empresa tomadora de serviço, diante a empresa de trabalho temporário, relacionado ao empregado. Essa relação é diferente da contratação permanente, na qual a empresa tomadora de serviço cria o vínculo trabalhista direto com o contratado”, esclarece Dr. Alexandre Brandão Bastos Freire, sócio do escritório Bastos Freire Advogados.

 

Outra preocupação é quanto as condições de pactuação e prorrogação. Com a publicação da Lei 13.429/2017, que posteriormente emendou a Lei 6.019/1974, o contrato de trabalho temporário, com relação ao mesmo empregador, deverá obedecer a uma série de critérios que dizem respeito ao banco de horas trabalhadas, duração do instrumento, condições do ambiente de trabalho, entre outros.

“Um contrato temporário tem duração máxima de 180 dias, com a possibilidade de prorrogação de mais 90 dias em casos especiais como o de uma substituição para licença maternidade – um pouco diferente do que acontece nas contratações de final de ano. Além disso, a empresa precisa oferecer condições de segurança, higiene e salubridade aos trabalhadores. Também é necessário garantir o transporte para que o trabalhador possa ir e voltar do local de trabalho. Não é permitido que as empresas designem atividades distintas daquelas que foram objeto do contrato firmado com a empresa de trabalho temporário”, explica Dr. Alexandre.

Contudo, as obrigações tributárias também precisam ser revistas. “É bom lembrar que a empresa contratante é responsável pelas obrigações trabalhistas referentes ao período de vigência do contrato de prestação de serviços temporários. Tal como o recolhimento das contribuições previdenciárias, conforme disposto no art. 31 da Lei 8.212/1991”, conclui.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Plano de carreira é coisa do passado

A carreira deixa de ser responsabilidade da empresa e passa a caber ao indivíduo.

Plano de carreira é coisa do passado

Entenda as diferenças entre temporários e terceirizados

Especialista da Luandre detalha o que foi atualizado com o novo decreto e o que muda para contratantes e contratados.


Evento em São Paulo oferece 2,2 mil vagas para pessoas com deficiência

Há oportunidades em supermercados atacadistas, call centers, tratamento de resíduos, saneamento, recursos humanos, hospitais e restaurantes.


Consultoria de RH inova e lança aplicativo gratuito que conecta empresas a profissionais

Acesso ilimitado e gratuito a diversas oportunidades de emprego, a qualquer hora, na palma da mão.

Consultoria de RH inova e lança aplicativo gratuito que conecta empresas a profissionais

CNI e Senai listam 30 profissões promissoras para a indústria 4.0

Profissões estarão ligadas ao setor automotivo, indústria de alimentos e bebidas e construção civil.

CNI e Senai listam 30 profissões promissoras para a indústria 4.0

Estágio x Emprego: entenda a diferença!

A modalidade não se configura como um trabalho formal, mas uma atividade voltada ao aprendizado.

Estágio x Emprego: entenda a diferença!

O que sua Profissão vai ser quando você crescer?

Uma pergunta interessante que sempre fazemos às crianças é “o que você vai ser quando crescer?”


O mercado de trabalho depois do câncer de mama

O câncer ainda é visto, de maneira geral, como sinônimo de grande adversidade para muitas pessoas.


A Lei da Liberdade Econômica e seus impactos trabalhistas e previdenciários

Com o fim do antigo Ministério do Trabalho e Emprego, que foi aglutinado pelos Ministérios da Economia, Justiça e Cidadania.


Uber lança versão para vagas temporárias

O aplicativo está disponível por enquanto apenas em Chicago.

Uber lança versão para vagas temporárias

Varejo e serviços devem abrir mais de 100 mil vagas para o fim de ano

Pesquisa mostra que 52% criarão postos de trabalho para temporários, sendo que em 40% dos casos há planos de efetivar o colaborador

Varejo e serviços devem abrir mais de 100 mil vagas para o fim de ano

Geração de empregos pelos pequenos negócios revela melhor agosto em cinco anos

Levantamento feito pelo Sebrae, com base em dados do Caged, apontam que das 121 mil vagas abertas no mercado de trabalho, mais de 95 mil foram nas micro e pequenas empresas.

Geração de empregos pelos pequenos negócios revela melhor agosto em cinco anos