Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Transição do emprego

Transição do emprego

02/12/2019 Adilson Mirante

Volta a contratação na indústria em 2020.

Presenciamos nas últimas duas décadas a transição cada vez maior do emprego, da indústria para o segmento de serviços, acentuada nos últimos anos pela crise de 2014.

Agora estamos presenciando a retomada do emprego na indústria, que está em 14 % força de trabalho, mas já foi 35%.

Tendência mundial, alguns consideram que o ideal numa economia desenvolvida deve ficar na faixa de 17% como tem permanecido na Alemanha.

Devemos considerar que essa mudança difere em países desenvolvidos, altamente desenvolvidos e países em desenvolvimento.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, mais de dois terços (67,7%) da população brasileira ocupada trabalha no setor terciário (serviços e comércio), 14,2% na indústria, 10,4% no setor primário (agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura) e 7,7% atuavam na construção.

Ainda segundo o PNAD, entre 2012 e 2015, o setor terciário teve aumento de quase 2,5 pontos percentuais de participação na força de trabalho ocupada, diante de uma redução de 1,4 ponto percentual no setor primário, a indústria de transformação, e de 0,5 ponto percentual para os setores de construção. Época de vacas magras.

O setor de serviços é formado por 62,4 milhões de trabalhadores, segundo o PNAD. Quase 1/3 (28,2%) dessa mão de obra é integrada por trabalhadores do comércio e do setor de reparação de veículos.

Em seguida, o maior contingente de trabalhadores está ocupado em atividades relacionadas aos serviços de interesse público (24,5%), seguidos daqueles que trabalham no setor de serviços profissionais de diversas naturezas (17,3%).

Os serviços domésticos respondem por quase 10% de todos os trabalhadores ocupados no setor de serviços, enquanto as atividades relacionadas com alojamento e alimentação e aquelas referentes a armazenamento, transportes e correio apresentam participação muito próxima (6,9% do total de trabalhadores ocupados no setor de serviços).

Vamos presenciar a partir e agora uma mudança nesse cenário porque: o setor de bens de consumo não duráveis já está alavancando o mercado interno e vem crescendo acima de 5 % (alimentos, farmacêutico, cosméticos e higiene pessoal, embalagens e insumos).

A produção de alimentos traz a reboque os fabricantes de insumos alimentícios, implementos agrícolas, agroquímicos, tratores e caminhões).

O setor de construção e saneamento básico, construção civil e infraestrutura serão priorizados nas privatizações, o que movimenta a indústria, siderurgia, de cimento, cerâmico, produtos químicos, tintas, tubos e conexões, iluminação e por aí vai.

A indústria de bens semi-duráveis e duráveis, eletro-metalúrgicos, pega carona com a recuperação das vendas de eletrônicos, eletrodomésticos, equipamentos de movimentação, para logística e distribuição, novamente equipamentos rodantes.

O crescimento dos investimentos, que já estamos presenciando em todos esses segmentos, traz cada vez mais, investimentos na indústria de energia, equipamentos e bens de capital, tecnologia em energia renovável e novos polos industriais para equipamentos de distribuição (transformadores, hidrogeradores, veículos elétricos, cabos de energia, painéis elétricos e iluminação).

Os leilões de óleo e gás já movimentam o setor de equipamentos off shore (barcos, navios, cabos, sondas, válvulas, tubos de aço, novamente o setor químico petroquímico, e por aí vai).

O ciclo de crescimento, assim, se espalha em toda a economia e os ajustes fiscal e da máquina pública geram a confiança para juros menores, investimentos maiores e inflação baixa.

Nossas exportações e a balança comercial continuam positivas mesmo com a valorização das commodities agrícolas que impactam o custo da carne, e grãos e elevam o custo nestes setores, mas o aumento de produção de nossa agricultura reduz o custo da produção de alimentos no mercado interno.

E quem disser que não há crescimento com inflação baixa, joga contra. São as aves de mau agouro.

* Adilson Mirante é especialista em empregabilidade e recolocação de profissionais de alta gerência acima dos 50 anos de idade. 

Fonte: Comunicação AMZ



Inscrições abertas em concurso para o Hospital Universitário da UFSCar

No total, são 59 vagas para as áreas Médica e Assistencial, além de cadastro reserva para a área Administrativa


Vagas temporárias também exigem capacitação

Candidatos com mais conhecimento têm melhores chances de conquistar uma das oportunidades oferecidas pelo mercado de trabalho no fim do ano.

Vagas temporárias também exigem capacitação

Empresas reveem vantagens na contratação de profissionais maduros

As corporações que estão deixando de lado o preconceito com a idade procuram no profissional maduro a redução dos riscos aos quais a organização se expõe.

Empresas reveem vantagens na contratação de profissionais maduros

O novo mundo profissional

Nós estudamos o perfil de cada um e mostramos os caminhos que há para alcançar aquilo que se deseja.

O novo mundo profissional

Plano de carreira é coisa do passado

A carreira deixa de ser responsabilidade da empresa e passa a caber ao indivíduo.

Plano de carreira é coisa do passado

Entenda as diferenças entre temporários e terceirizados

Especialista da Luandre detalha o que foi atualizado com o novo decreto e o que muda para contratantes e contratados.


Evento em São Paulo oferece 2,2 mil vagas para pessoas com deficiência

Há oportunidades em supermercados atacadistas, call centers, tratamento de resíduos, saneamento, recursos humanos, hospitais e restaurantes.


Começa a corrida para as contratações temporárias

Para atender o aumento de vendas de cerca de 13% no Natal, lojistas precisarão elevar contratações temporárias e deverão ficar atentos às obrigações legais para as vagas.

Começa a corrida para as contratações temporárias

Consultoria de RH inova e lança aplicativo gratuito que conecta empresas a profissionais

Acesso ilimitado e gratuito a diversas oportunidades de emprego, a qualquer hora, na palma da mão.

Consultoria de RH inova e lança aplicativo gratuito que conecta empresas a profissionais

CNI e Senai listam 30 profissões promissoras para a indústria 4.0

Profissões estarão ligadas ao setor automotivo, indústria de alimentos e bebidas e construção civil.

CNI e Senai listam 30 profissões promissoras para a indústria 4.0

Estágio x Emprego: entenda a diferença!

A modalidade não se configura como um trabalho formal, mas uma atividade voltada ao aprendizado.

Estágio x Emprego: entenda a diferença!

O que sua Profissão vai ser quando você crescer?

Uma pergunta interessante que sempre fazemos às crianças é “o que você vai ser quando crescer?”