Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A energia solar, o coronavírus e a recuperação econômica

A energia solar, o coronavírus e a recuperação econômica

23/05/2020 Alcione Belache, Rodrigo Sauaia e Ronaldo Koloszuk

O setor solar fotovoltaico é reconhecido como uma potente mola propulsora do desenvolvimento, trazendo mais renda e poder de compra para as famílias brasileiras.

A energia solar, o coronavírus e a recuperação econômica

A pandemia do novo coronavírus COVID-19 tem suscitado um grande debate entre os gestores públicos mundiais e os especialistas em saúde e em economia: como promover a adequada segurança sanitária e, ao mesmo tempo, reduzir ao máximo os efeitos negativos da crise econômica colateral nas nações ao redor do globo?
 
Dentro dessa discussão, há uma questão que paira sobre o setor produtivo mundial: como dinamizar as atividades econômicas com segurança, de modo a manter os negócios operando e as pessoas com emprego e renda, preservando, simultaneamente, a saúde da população?
 
Após o momento mais crítico da atual pandemia mundial, a fonte solar fotovoltaica será, certamente, uma ferramenta estratégica para o rápido reaquecimento das economias do mundo e, especialmente, do Brasil, país com um dos maiores potenciais solares do planeta. Trata-se da fonte renovável com o maior potencial de geração de empregos e renda no planeta. Para cada novo megawatt (MW) instalado, a solar gera de 25 a 30 novos postos de trabalho, a maioria deles localizados nas regiões em que os sistemas são instalados.
 
De acordo com a Agência Internacional de Energia Renovável (International Renewable Energy Agency – IRENA), a fonte solar já é responsável por mais de um terço dos mais de 11 milhões de empregos renováveis do mundo. Outro diferencial é que estes postos de trabalho são ocupados por profissionais qualificados, com formação técnica e superior, além dos rendimentos serem maiores do que a própria média salarial brasileira.
 
Por estes fatores, o setor solar fotovoltaico é reconhecido como uma potente mola propulsora do desenvolvimento, trazendo mais renda e poder de compra para as famílias brasileiras, além de gerar mais caixa para as empresas com a economia nos custos operacionais. A solar também aumenta a arrecadação dos governos, ajudando a recuperação dos cofres públicos, reduzidos pelas necessárias medidas de combate à COVID-19.
 
Para aliviar os efeitos da crise econômica decorrente do combate ao coronavírus COVID-19, a ABSOLAR apresentou ao Governo Federal e ao Congresso Nacional a proposta de criação de um programa emergencial para instalar sistemas solares fotovoltaicos em consumidores de baixa renda com tarifa social. Também propôs à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a permissão de doação dos créditos excedentes da geração distribuída às instituições de serviços essenciais que atuam no combate ao novo coronavírus, como hospitais e centros de saúde.
 
Não há como negar os impactos da pandemia para a economia brasileira e, consequentemente, ao setor fotovoltaico. Distribuidores de equipamentos solares relatam reduções entre 60% e até 90% no faturamento durante os primeiros 30 dias de isolamento, em comparação com janeiro ou fevereiro de 2020. Estes impactos variam conforme a região do País, pois o Brasil possui dimensões continentais e nem todos os lugares são afetados na mesma intensidade.
 
Por outro lado, também não se pode negar o papel propulsor da fonte solar fotovoltaica, inclusive na história recente do Brasil. Nas crises econômicas de 2015 e 2016, o produto interno bruto (PIB) do País foi de -3,5% ao ano, mas o setor solar fotovoltaico cresceu mais de 300% ao ano, no mesmo período. Agora, mesmo considerando o período de crise aguda na economia brasileira e mundial, o setor solar fotovoltaico deverá crescer, tanto em termos globais quanto no próprio Brasil, apesar de fazê-lo em patamares menores que os previstos inicialmente.
 
No total acumulado, a solar já trouxe mais de R$ 26,8 bilhões em novos investimentos privados ao País, tendo gerado cerca de 130 mil empregos desde 2012. A fonte acaba de ultrapassar a marca de 5 gigawatts (GW) de potência operacional no Brasil, somadas as usinas de grande porte e os pequenos e médios sistemas instalados em telhados, fachadas e terrenos.
 
Como os dados demonstram, a solar poderá ajudar, e muito, a retomada da economia e dos empregos do País. A exemplo do que já fez pela sociedade brasileira no passado próximo, a energia solar fotovoltaica está preparada para alavancar a recuperação do Brasil, tanto em termos econômicos quanto sociais e ambientais.

* Alcione Belache é CEO da Renovigi
 
* Rodrigo Sauaia é CEO da ABSOLAR
 
* Ronaldo Koloszuk é presidente do Conselho de Administração da ABSOLAR

Fonte: Totum Comunicação



Os desafios dos fornecedores do setor de energia durante e pós-pandemia

A crise causada pelo novo coronavírus tem afetado muitas áreas da vida das pessoas, na saúde, no trabalho, na renda e até mesmo na forma de se relacionar, que foi totalmente ressignificada.


Redução de gastos na pandemia faz geração solar distribuída triplicar no País

O Brasil atingiu em julho a marca histórica de 3 gigawatts fotovoltaicos nos telhados e pequenos terrenos, ante ao 1º gigawatt verificado em agosto do ano anterior.

Redução de gastos na pandemia faz geração solar distribuída triplicar no País

Como funciona o gerador de energia em hospitais

Venha descobrir neste post sobre todos os detalhes do gerador de energia em hospitais!

Como funciona o gerador de energia em hospitais

Consumo de energia aumenta 2% em junho

Ministério atribui aumento ao retorno gradual da atividade econômica.

Consumo de energia aumenta 2% em junho

Ásia supera Europa na geração de energia solar flutuante

No Brasil, a primeira usina desse tipo foi instalada há um ano no lago da Hidrelétrica de Sobradinho.

Ásia supera Europa na geração de energia solar flutuante

Minas lança ferramenta para mapear disponibilidade de conexões fotovoltaicas

Inédita, inovação pode ser adotada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Annel) e aplicada em todo o país.


BR Distribuidora é autorizada a comercializar gás natural

Autorização da ANP libera empresa para atuar na comercialização de gás natural.

BR Distribuidora é autorizada a comercializar gás natural

O que faremos quando o petróleo acabar?

Desde a Revolução Industrial, a humanidade realiza a exploração de combustíveis fósseis, elegendo, caracterizando e nomeando o petróleo como o ‘ouro negro’ do mundo.

O que faremos quando o petróleo acabar?

Alsol investe R$ 70 milhões em 4 usinas solares em Minas

Usinas de geração solar distribuída fornecem energia limpa e mais barata a 500 unidades consumidoras, principalmente pequenas e médias empresas.

Alsol investe R$ 70 milhões em 4 usinas solares em Minas

Transição verde no mercado de energia é puxada por países em desenvolvimento

Brasil é principal motor de crescimento de renováveis na América Latina.

Transição verde no mercado de energia é puxada por países em desenvolvimento

Minas atinge a marca de 80 mil estabelecimentos que geram a própria energia

São usinas de microgeração e minigeração que somam mais de 621 MW de potência instalada.

Minas atinge a marca de 80 mil estabelecimentos que geram a própria energia

Belo Horizonte moderniza 95% de sua iluminação pública

100% do parque de iluminação pública funcionará com luminárias LED até outubro

Belo Horizonte moderniza 95% de sua iluminação pública