Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Falta de investimento no setor hídrico será sentido no verão

Falta de investimento no setor hídrico será sentido no verão

22/09/2015 Da Redação

O fornecimento de energia elétrica pode estar comprometido na alta temporada, com impacto direto no desempenho da economia.

As crises de água e energia trazem à tona um problema estrutural, qual seja, a nossa falta de preparo para lidar com eventos climáticos extremos como estiagens severas.

E isso vem ocorrendo, pelo menos, por meio século. A falta de investimentos aliada à necessidade de uma nova abordagem de planejamento de recursos faz com que o país permaneça refém do clima uma vez que as chuvas estão se distanciando da média.

O Brasil vive uma insegurança hídrica há praticamente um ano sendo os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro os mais atingidos.

Como o sistema nacional é interligado, em termos energéticos todos os estados poderão ser atingidos.

Com relação aos reservatórios, para que a região tenha condições de suportar o período de estiagem até novembro, os reservatórios da Região Sudeste precisariam atingir a marca de 35% da capacidade no final do mês abril.

Os impactos dessa crise hídrica no fornecimento de energia têm arrefecido por conta de uma profunda redução na atividade econômica, já percebida pelo desempenho da indústria nos dois primeiros meses do ano.

O setor automotivo, que tem peso preponderante no PIB brasileiro mostra queda de desempenho superior a 20% - tanto na produção quanto na venda – no primeiro bimestre de 2015.

Outras formas de geração de energia, no entanto ganham rápida ascensão como a energia eólica que avança – promissor, embora ainda em um processo lento - e a energia solar como tendência da matriz energética brasileira, impactando diretamente a diminuição das fontes hidráulicas e o aumento da energia renovável.

A energia eólica no país dobrou em 2014 e estima-se que cresça no mesmo ritmo até 2015.

A situação também está cada vez mais favorável em termos de preço, hoje inferior ao da energia das pequenas centrais hidrelétricas ou das termelétricas a biomassa.

Em meados da próxima década, a geração de energia solar também deve ganhar mais relevância.

O custo da energia solar ainda é elevado, mas ela tem vantagens econômicas como permitir que usuário “doe” energia para o sistema em horários ociosos, sendo recompensado por isso.

Poderia haver estímulos caso houvesse linha especial de crédito para a instalação desta energia.

Outro lado que preocupa e muito são os apagões que podem acontecer porque o sistema elétrico do País encontra-se no limite da capacidade e essa situação poderá provocar novas quedas no fornecimento de energia, não sabendo ao certo quando e com qual frequência poderão ocorrer.

Aumentos do valor da energia elétrica já são uma realidade em função da revisão extraordinária das distribuidoras para cobrir os custos de Itaipu e Conta de Desenvolvimento Energético, assim como pelas bandeiras tarifárias que tiveram como objetivo refletir o sinal dos custos de curto prazo.

A crise é provocada, infelizmente, pela falta de planejamento para o setor.

As margens de manobra nesse momento são relativamente restritas no sentido da oferta de energia.

Então, sobra a aplicação de políticas de racionalização e conservação de energia.

A população pode ajudar com lições básicas como o uso racional do chuveiro e redução do tempo de banho, lâmpadas mais eficientes, redução do uso dos aparelhos de ar condicionado, são atitudes que podem, e muito, ajudar o país durante a crise hídrica que pode não terminar tão cedo. 



Mortes em incêndios por sobrecarga de energia crescem mais de 100%

Especialista orienta sobre os cuidados necessários para evitar acidentes com a rede elétrica.

Mortes em incêndios por sobrecarga de energia crescem mais de 100%

Pesquisa indica que 87% das pessoas acham conta de luz cara no país

Para 57% da população o custo da energia cairia caso houvesse abertura do mercado.

Pesquisa indica que 87% das pessoas acham conta de luz cara no país

Mercado Livre de Energia Elétrica completa 21 anos

O mercado livre de energia elétrica é uma realidade crescente no Brasil.


BRF reduz em 45% consumo de energia em computadores

Empresa implementou novo dispositivo em cerca de 12.000 máquinas e deixou de usar 1,6 milhão de kWh, o suficiente para abastecer 850 residências ao ano.

BRF reduz em 45% consumo de energia em computadores

Não perca dinheiro com o ar condicionado

Você sabia que nos setores comercial e de serviços o consumo do ar condicionado pode atingir até 50% do consumo total de uma edificação?

Não perca dinheiro com o ar condicionado

Empresa de energia solar anuncia investimento de R$ 21 bi em Minas Gerais

Maior desenvolvedora de projetos solares da América Latina vai ampliar atuação no estado.

Empresa de energia solar anuncia investimento de R$ 21 bi em Minas Gerais

Cemig publica edital de R$ 50 milhões para captação de projetos de eficiência energética

Chamada Pública de 2019 é oportunidade para consumidor adequar consumo de energia.


Congresso discute fontes renováveis de energia em Belo Horizonte

Circuito Nacional do Setor Elétrico reunirá especialistas do setor para discutir futuro da geração, transmissão e distribuição no país.


Porcos geram energia para cidade paranaense

215 t de dejetos suínos são transformados em biogás para cidade de 4 mil habitantes.

Porcos geram energia para cidade paranaense

Os sistemas fotovoltaicos perdem efetividade no inverno?

Um dos mitos mais propagados é de que os sistemas fotovoltaicos perdem a eficiência durante os períodos mais frios do ano, ou seja, no outono e inverno.

Os sistemas fotovoltaicos perdem efetividade no inverno?

Crescimento da energia solar fotovoltaica é suficiente para abastecer mais de 500 residências por dia no País

Segundo mapeamento da ABSOLAR, uso da tecnologia solar fotovoltaica em telhados e terrenos dobra no primeiro semestre e acrescenta mais de um megawatt a cada 24 horas.

Crescimento da energia solar fotovoltaica é suficiente para abastecer mais de 500 residências por dia no País

BH recebe o maior evento do setor elétrico brasileiro

Seminário promete estimular o debate sobre os novos desafios do setor elétrico.