Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Governo confirma que não haverá horário de verão em 2019

Governo confirma que não haverá horário de verão em 2019

07/04/2019 Deutsche Welle

Bolsonaro diz que tomou decisão com base em estudos que apontaram para o fim dos benefícios da mudança de horário.

Governo confirma que não haverá horário de verão em 2019

O presidente Jair Bolsonaro confirmou que não haverá horário de verão neste ano, conforme havia antecipado mais cedo. Segundo informou o governo, a continuidade do programa nos anos seguintes será avaliada posteriormente.

"Após estudos técnicos que apontam para a eliminação dos benefícios por conta de fatores como iluminação mais eficiente, evolução das posses, aumento do consumo de energia e mudança de hábitos da população, decidimos que não haverá horário de verão na temporada 2019/2020", escreveu o presidente no Twitter.

O anúncio havia sido feito pelo porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, minutos antes. "Esta é a posição para este ano. Para o próximo ano, faremos avaliação posterior", afirmou.

Segundo o porta-voz, o presidente tomou a decisão levando em conta um levantamento do Ministério de Minas e Energia que apontou que 53% da população é a favor do fim do horário de verão. Ele não soube informar dados sobre entrevistados que são contrários à medida.

Em evento no Palácio do Planalto, Bolsonaro mencionou ainda um parecer do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que apontou pouca efetividade na economia de energia.

"Ele trouxe um parecer 100% favorável ao fim do horário de verão. No parecer, [a medida] não causa economia [de energia] e mexe no teu relógio biológico, então atrapalha a economia, em parte. E só temos o que ganhar, no meu entender, mantendo o horário como está", disse o presidente.

Bolsonaro já havia afirmado mais cedo que pretendia acabar com o horário de verão já neste ano e que a medida seria anunciada em breve.

No início da semana, o ministro de Minas e Energia informou que o presidente havia encomendado a ele um estudo sobre o fim do horário de verão. Albuquerque disse na ocasião que os ganhos econômicos são poucos, mas que entram também outros fatores na decisão.

O fim do horário de verão chegou a ser discutido durante o governo de Michel Temer em 2017, mas a ideia acabou sendo descartada. A última mudança de horário já foi mais curta do que nos anos anteriores: de 4 de novembro de 2018 a 16 de fevereiro deste ano.

O horário de verão geralmente começa no terceiro domingo de outubro, mas no ano passado a data foi postergada para que não coincidisse com o segundo turno das eleições. Seu fim costuma ocorrer no terceiro domingo de fevereiro.

Nesses quatro meses, os relógios devem ser adiantados em uma hora. O programa era adotado nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

O horário de verão foi aplicado pela primeira vez no Brasil em 1931, durante o governo de Getúlio Vargas, com o intuito de economizar energia a partir do aproveitamento de luz solar no período mais quente do ano. Nos últimos 35 anos, a prática vinha sendo adotada sem interrupção.

A mudança de horário é adotada atualmente em 70 países, mas seu fim vem sendo discutido em várias regiões. Recentemente, o Parlamento Europeu aprovou a abolição  da prática a partir de 2021. Os Estados-membros da União Europeia terão que comunicar ao bloco qual horário pretendem manter permanentemente: o de verão ou o de inverno.

Aqueles que defendem o programa argumentam que as horas mais longas de luz do dia ajudam a economizar eletricidade e a aumentar a produtividade. Os opositores dizem que muitas vezes é difícil se adaptar à mudança e que ela tem impactos negativos de curto prazo na saúde das pessoas.

Segundo o Ministério de Minas e Energia brasileiro, o horário de verão rendeu ao país uma economia de ao menos 1,4 bilhão de reais desde 2010. Entre 2010 e 2014, os consumidores economizaram 835 milhões de reais em energia elétrica por conta do aproveitamento da luz do sol.

Pesquisas recentes apontam, contudo, que essa economia vem caindo ano após ano. Em 2018, estudos da Secretaria de Energia Elétrica, do Ministério de Minas e Energia, em parceria com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), consideraram nula a economia de energia durante o horário de verão de 2017.

Fonte: Deutsche Welle



Heineken facilita acesso à energia verde para bares e restaurantes

Meta é alcançar 50% dos pontos de venda da marca no Brasil, até 2030.

Heineken facilita acesso à energia verde para bares e restaurantes

Belo Horizonte ganha projeto de energia solar em estação de ônibus

Módulos fotovoltaicos flexíveis da L8 Energy foram instalados na estação tubo da UFMG, em Belo Horizonte, em iniciativa de sustentabilidade.

Belo Horizonte ganha projeto de energia solar em estação de ônibus

Cientistas desenvolvem tecnologia de energia eólica inédita no Brasil

Grupo da UFSC é pioneiro nesse tipo de estudo na América Latina.

Cientistas desenvolvem tecnologia de energia eólica inédita no Brasil

Primeiro marketplace de compra e venda de energia supera expectativas

Hud Cotação, da Esfera Energia, facilita cotações, auditorias e redução de gastos. Após quatro meses do lançamento, plataforma já movimentou R$ 123 milhões.

Primeiro marketplace de compra e venda de energia supera expectativas

Cemig e Governo de Minas investem em 200 novas subestações

Investimentos que vão melhorar o fornecimento de energia e favorecer a geração de empregos foram anunciados em Governador Valadares.

Cemig e Governo de Minas investem em 200 novas subestações

Cemig lista 10 dicas simples para economizar energia

Mudanças nos hábitos de consumo podem fazer grande diferença no final do mês,

Cemig lista 10 dicas simples para economizar energia

Energia solar de grandes usinas ultrapassa carvão na matriz elétrica brasileira

De acordo com ABSOLAR, já são 3,8 gigawatts (GW) em usinas fotovoltaicas de grande porte ante a 3,6 GW em termelétricas fósseis à carvão mineral.

Energia solar de grandes usinas ultrapassa carvão na matriz elétrica brasileira

Condomínios residenciais buscam alternativa para reduzir custo de energia

Além de preservar o meio ambiente, geração de energia a partir do biogás ajuda na redução de gastos.

Condomínios residenciais buscam alternativa para reduzir custo de energia

Cemig investe mais de R$6 milhões na modernização de escolas públicas em 2021 

A meta é de que, até 2022, todas as unidades em Minas Gerais sejam contempladas com as melhorias.

Cemig investe mais de R$6 milhões na modernização de escolas públicas em 2021 

Aneel cria nova bandeira tarifária, e conta de luz fica mais cara

Custo de 100 kilowatt-hora passará de R$ 9,49 para R$ 14,20 até abril.

Aneel cria nova bandeira tarifária, e conta de luz fica mais cara

Conheça as primeiras telhas fotovoltaicas de concreto do Brasil

As vendas começaram voltadas a clientes selecionados no Estado de São Paulo e futuramente serão ampliadas para todo o país.

Conheça as primeiras telhas fotovoltaicas de concreto do Brasil

A “Revolução Solar” chega às empresas

A crescente utilização da energia solar está longe de terminar.

A “Revolução Solar” chega às empresas