Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Majoração do ICMS sobre a conta de energia elétrica – abuso do poder Estatal

Majoração do ICMS sobre a conta de energia elétrica – abuso do poder Estatal

14/12/2021 Bady Curi Neto

A explicação para a discrepante alíquota é simples, todas as pessoas, com maior ou menor poder aquisitivo, consomem energia elétrica.

Majoração do ICMS sobre a conta de energia elétrica – abuso do poder Estatal

Os Estados em geral têm exigido dos consumidores de energia elétrica, pessoas físicas e/ou jurídicas, a majoração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que em alguns casos alcança a alíquota, pasmem, de 30% sobre a energia consumida.

A explicação para a discrepante alíquota é simples, todas as pessoas, com maior ou menor poder aquisitivo, consomem energia elétrica, serviço essencial para a vida, aumentando substancialmente a arrecadação dos Estados, em detrimento dos contribuintes.

O Supremo Tribunal Federal (STF), em recente decisão, por maioria de votos, entendeu por colocar um freio na ganância Estatal, por estar em desconformidade com o artigo 155, § 2, III da Constituição Federal de 1988, que prevê a aplicação do princípio da seletividade ao Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços essenciais como a energia elétrica e telecomunicações.

Segundo decisão da Suprema Corte, a política “adotada, pelo legislador estadual, a técnica da seletividade em relação ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS, discrepam do figurino constitucional alíquotas sobre as operações de energia elétrica e serviços de telecomunicação em patamar superior ao das operações em geral, considerada a essencialidade dos bens e serviços”.

Tal decisão, em repercussão geral, permite aos consumidores/contribuintes de energia elétrica, segundo decisão proferida por uma Juíza da comarca de Salvador/Bahia, “reaver o que foi pago a mais da diferença entre a alíquota geral de ICMS e a alíquota majorada, pouco importando as características do contribuinte atingido pela técnica da seletividade, segundo a corrente maioritária e vencedora, uma vez que se esta for adotada pelo ente federado, deverá ser levada em conta a essencialidade das mercadorias tributadas”.

O princípio da seletividade é a possibilidade que se vale o legislador de atuar elevando ou diminuindo a carga tributária, por meio de alíquota, tendo em vista a essencialidade dos bens e serviços.

A violação ao Princípio Constitucional da Seletividade consiste no fato que o Estado ao estabelecer alíquotas diferenciadas e majoradas para energia elétrica e telecomunicações, está em descompasso com o critério da essencialidade, além de vilipendiar a isonomia, sendo, portanto, inconstitucional a incidência de alíquota de ICMS acima da alíquota geral, ou seja, 18% (dezoito por cento).

Segundo o relator do caso, ex-Ministro Marco Aurelio, "O acréscimo na tributação não gera realocação dos recursos, porquanto insubstituíveis os itens. Daí a necessária harmonia com o desenho constitucional, presente a fragilidade do contribuinte frente à elevação da carga tributária. Conforme fiz ver no julgamento do recurso extraordinário 1.043.313, pleno, relator ministro Dias Toffoli, 'a corda não pode arrebentar do lado mais fraco”.

E continua, “O desvirtuamento da técnica da seletividade, considerada a maior onerosidade sobre bens de primeira necessidade, não se compatibiliza com os fundamentos e objetivos contidos no texto constitucional, a teor dos artigos 1º e 3º, seja sob o ângulo da dignidade da pessoa humana, seja sob a óptica do desenvolvimento nacional”.

Apesar de não ter transitado em julgado a decisão, poderão os contribuintes, de imediato, buscar através de Mandado de Segurança a imediata redução da alíquota de ICMS incidentes sobre as contas de energia elétrica e telecomunicações, além de pedir a compensação dos últimos cinco anos. 

Parabéns ao STF por corrigir esta saga arrecadatória!

* Bady Curi Neto, advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário. 

Para mais informações sobre Energia Elétrica clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Energia eólica offshore: a nova fronteira

O Brasil segue como um “mercado a ser acompanhado”: é o que diz o relatório de 2022 do GWEC (Global Wind Energy Council) fórum global de energia eólica.

Energia eólica offshore: a nova fronteira

Energia solar ultrapassa 17 GW e mais de R$ 90 bilhões em investimentos no Brasil

Desde 2012, setor gerou mais de 514 mil empregos e evitou a emissão de 25,5 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade.

Energia solar ultrapassa 17 GW e mais de R$ 90 bilhões em investimentos no Brasil

Por que as “energytechs” são tão importantes para o mercado e o planeta?

A chamada revolução energética contribui para o surgimento de startups voltadas para o mercado de energia.

Por que as “energytechs” são tão importantes para o mercado e o planeta?

Automação na mineração: os desafios do setor

Várias inovações digitais estão sendo implementadas em muitas operações de mineração em todo o mundo.

Automação na mineração: os desafios do setor

Energia solar passa termelétrica e se torna 3ª maior fonte brasileira

Dados são da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica.

Energia solar passa termelétrica e se torna 3ª maior fonte brasileira

Geração instantânea de energia eólica no Nordeste tem novo recorde

Dados foram apurados pelo ONS e ainda estão sendo validados.

Geração instantânea de energia eólica no Nordeste tem novo recorde

Eficiência energética pode reduzir até US$ 650 bilhões por ano as contas domésticas

Eficiência em energia ajudaria combater crise energética, pressões inflacionárias e o aumento das emissões de gases de efeito estufa.

Eficiência energética pode reduzir até US$ 650 bilhões por ano as contas domésticas

Geladeiras devem exibir hoje nova etiqueta de eficiência energética

Etiqueta indica diferença de consumo de até 30% entre produtos.

Geladeiras devem exibir hoje nova etiqueta de eficiência energética

Os desafios do Brasil para expansão do hidrogênio verde

No último dia 18 de maio, o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, anunciou a publicação do decreto 11.075, de 19/5/22, que regulamenta o mercado de carbono no Brasil.

Os desafios do Brasil para expansão do hidrogênio verde

Privatização da Petrobras: uma proposta promissora para o mercado nacional

Muitas cartas estão em jogo com a mais recente intenção de acelerar a privatização da Petrobras em meio a um choque nos preços dos combustíveis.

Privatização da Petrobras: uma proposta promissora para o mercado nacional

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Consumidores não pagarão mais porque bandeira está verde.

Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Como economizar energia durante os dias mais frios

O Brasil vive estiagem mais severa dos últimos 91 anos.

Como economizar energia durante os dias mais frios