Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Novo marco do setor elétrico simplifica regras e vai incentivar investimentos em energia limpa

Novo marco do setor elétrico simplifica regras e vai incentivar investimentos em energia limpa

14/10/2020 João Pedro Correia Neves

O excesso de burocracia e a falta de clareza nas normas que regem o sistema energético do Brasil inibem o apetite dos investidores.

Novo marco do setor elétrico simplifica regras e vai incentivar investimentos em energia limpa

A matriz energética de baixo carbono será o motor do desenvolvimento do futuro e a sua consolidação depende de ações que estamos tomando hoje, tanto no campo dos investimentos quanto no regulatório, que é o arcabouço legal para desburocratizar, incentivar e garantir segurança aos agentes do mercado de energia limpa. A preocupação crescente com formas sustentáveis de produzir e de consumir impulsiona toda a sociedade rumo a uma nova economia em escala global e o Brasil, dadas as suas condições naturais favoráveis, incluindo biodiversidade e extensão territorial, emerge como o protagonista nesta nova ordem.

Mais do que nunca a atenção de investidores, governos e dos consumidores está voltada para questões que envolvem sustentabilidade e responsabilidade corporativa. Desse modo, a discussão sobre a matriz energética e os desafios de investimentos no setor se tornam peça fundamental na engrenagem da nova economia circular.

O debate no Congresso Nacional para a construção de um novo marco legal para o setor energético desponta como uma iniciativa alvissareira, que o mercado aguardava há anos. Ainda caminhando a passos iniciais na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, o novo Código Brasileiro de Energia Elétrica representa uma grande oportunidade para a modernização das regras do sistema elétrico do país, com a participação efetiva da sociedade na sua formulação.

Após décadas lidando com a complexidade de inúmeras leis conflitantes, da burocracia estatal, da dificuldade de acesso à crédito e da imprevisibilidade regulatória, temos a chance de criar um novo regulamento que aproveita todo o potencial vantajoso do Brasil como nação verde e ajuda a incentivar um ambiente de negócios mais próspero.

O excesso de burocracia e a falta de clareza nas normas que regem o sistema energético do Brasil inibem o apetite dos investidores. De nada adianta a vantagem competitiva na disponibilidade de fontes limpas, se não houver segurança jurídica. A quantidade de leis, decretos e portarias sobre um mesmo assunto formam um conjunto imenso de regulamentos de difícil compreensão e que incitam contestações na justiça, desperdiçando recursos e tempo.

Transparência, eficiência e visão de longo prazo devem ser os parâmetros norteadores do código em discussão. O anteprojeto apresentado pelo Deputado Lafayete Andrada (Republicanos-MG) consolida muitos desses avanços - embora haja espaço para ajustes e evoluções no texto - e abre uma oportunidade para darmos um tratamento estritamente técnico às novas regras, com um Estado que cumpra seu papel regulador e garantidor da previsibilidade jurídica.

Quando falamos de matriz energética no Brasil surge um contrassenso. Temos uma base energética barata em sua essência, mas uma conta de energia cara para o consumidor, sejam famílias ou grandes players da cadeia de produção. Para melhorar este cenário e dinamizar o setor atraindo investimentos, são necessárias medidas que diminuam encargos e que diversifiquem as fontes de financiamentos, como a emissão de debêntures incentivadas, por exemplo.

Outro fator que merece atenção é o incentivo à microgeração e Geração Distribuída. Diferentemente da geração centralizada, pela qual grandes usinas produzem a energia que chega ao consumo final, a Geração Distribuída tem foco na autoprodução. A vantagem deste modelo é a eficiência e a diminuição de desperdícios, já que grande parte da energia gerada é consumida no próprio local, o que evita perdas técnicas na distribuição de energia, que no modelo convencional, viaja por vários quilômetros pela rede de transmissão.

O papel social também deve ser contemplado no novo código. A Geração Distribuída e as fontes limpas podem contribuir na universalização do acesso à eletricidade, ao estimular a construção de plantas geradoras em pequenos municípios. É preciso lembrar que em um país socialmente desigual como o Brasil, muitas comunidades isoladas ainda não são atendidas pelo Sistema Interligado Nacional (SIN). Ao mesmo tempo em que difunde a energia sustentável, as usinas de Geração Distribuída podem ajudar famílias de baixa renda, já que a energia produzida pelas plantas poderá ser adquirida pela distribuidora local em troca de recursos para manutenção de programas sociais.

O debate em torno do novo Código de Energia está apenas começando. São mudanças importantes que vão guiar o planejamento energético pelas próximas décadas. A construção desse ordenamento deve ser coletivo e priorizar as matrizes de fontes limpas, o que tornará nossa economia mais resiliente e a sociedade mais sustentável, além de contribuir para um ambiente propício à inovação tecnológica, ao empreendedorismo e com mais investimentos.

*João Pedro Correia Neves é presidente da RZK Energia, empresa do Grupo Rezek que atua em geração, comercialização e eficiência energética.

Fonte: InPress Porter Novelli



Conta de luz volta a ter cobrança extra em dezembro

A diretoria da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) decidiu reativar o acionamento das bandeiras tarifárias.

Conta de luz volta a ter cobrança extra em dezembro

Pequenos geradores questionam retirada dos subsídios do setor elétrico

Para pequenos geradores a retirada dos subsídios do setor elétrico não resolve o problema das altas tarifas no Brasil.

Pequenos geradores questionam retirada dos subsídios do setor elétrico

Senado: projeto facilita energia solar para baixa renda

As famílias poderão gerar pelo menos parte de sua própria energia.

Senado: projeto facilita energia solar para baixa renda

Campanha publicitária intriga moradores de Belo Horizonte

A capital mineira amanheceu com centenas de girassóis espalhados em pontos notórios da cidade: Praça da Assembleia, Igreja da Pampulha e no Vila da Serra.

Campanha publicitária intriga moradores de Belo Horizonte

Bahia: grande polo de energia solar e sistema fotovoltaico

O sistema de geração fotovoltaica está mais acessível com as baixas taxas de juros e financiamentos cujas parcelas ficam menores que a economia gerada na conta.

Bahia: grande polo de energia solar e sistema fotovoltaico

Grupo Edson Queiroz obtém decisão favorável do CADE para compra da Liquigás

Com a aprovação do negócio, a Nacional Gás consolida a posição de destaque no mercado brasileiro de distribuição de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).

Grupo Edson Queiroz obtém decisão favorável do CADE para compra da Liquigás

Furnas contrata energia solar com investimento de R$ 4 bi

A decisão foi resultado de leilão realizado pela estatal.

Furnas contrata energia solar com investimento de R$ 4 bi

Cemig abre edital para captação de projetos de eficiência energética

Chamada Pública de 2020 é oportunidade para os clientes da Cemig adequarem consumo de energia.


Maior fachada de vidro com filmes solares do mundo é instalada em Anápolis

Fachada de prédio da CAOA é capaz de gerar a energia mais limpa com filmes fotovoltaicos orgânicos da Sunew.

Maior fachada de vidro com filmes solares do mundo é instalada em Anápolis

UFSCar inaugura 2 Usinas Fotovoltaicas

As novas Usinas estão instaladas no campus de São Carlos.

UFSCar inaugura 2 Usinas Fotovoltaicas

Inovações ferroviárias, com eficiência energética

O setor ferroviário é pródigo em exemplos de pró-atividade ambiental.

Inovações ferroviárias, com eficiência energética

Cemig investe mais de R$ 130 mil na Cidade dos Meninos, em Ribeirão das Neves

Programa de Eficiência Energética da companhia deve contribuir para economia de energia na instituição.

Cemig investe mais de R$ 130 mil na Cidade dos Meninos, em Ribeirão das Neves