Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Novo marco do setor elétrico simplifica regras e vai incentivar investimentos em energia limpa

Novo marco do setor elétrico simplifica regras e vai incentivar investimentos em energia limpa

14/10/2020 João Pedro Correia Neves

O excesso de burocracia e a falta de clareza nas normas que regem o sistema energético do Brasil inibem o apetite dos investidores.

Novo marco do setor elétrico simplifica regras e vai incentivar investimentos em energia limpa

A matriz energética de baixo carbono será o motor do desenvolvimento do futuro e a sua consolidação depende de ações que estamos tomando hoje, tanto no campo dos investimentos quanto no regulatório, que é o arcabouço legal para desburocratizar, incentivar e garantir segurança aos agentes do mercado de energia limpa. A preocupação crescente com formas sustentáveis de produzir e de consumir impulsiona toda a sociedade rumo a uma nova economia em escala global e o Brasil, dadas as suas condições naturais favoráveis, incluindo biodiversidade e extensão territorial, emerge como o protagonista nesta nova ordem.

Mais do que nunca a atenção de investidores, governos e dos consumidores está voltada para questões que envolvem sustentabilidade e responsabilidade corporativa. Desse modo, a discussão sobre a matriz energética e os desafios de investimentos no setor se tornam peça fundamental na engrenagem da nova economia circular.

O debate no Congresso Nacional para a construção de um novo marco legal para o setor energético desponta como uma iniciativa alvissareira, que o mercado aguardava há anos. Ainda caminhando a passos iniciais na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, o novo Código Brasileiro de Energia Elétrica representa uma grande oportunidade para a modernização das regras do sistema elétrico do país, com a participação efetiva da sociedade na sua formulação.

Após décadas lidando com a complexidade de inúmeras leis conflitantes, da burocracia estatal, da dificuldade de acesso à crédito e da imprevisibilidade regulatória, temos a chance de criar um novo regulamento que aproveita todo o potencial vantajoso do Brasil como nação verde e ajuda a incentivar um ambiente de negócios mais próspero.

O excesso de burocracia e a falta de clareza nas normas que regem o sistema energético do Brasil inibem o apetite dos investidores. De nada adianta a vantagem competitiva na disponibilidade de fontes limpas, se não houver segurança jurídica. A quantidade de leis, decretos e portarias sobre um mesmo assunto formam um conjunto imenso de regulamentos de difícil compreensão e que incitam contestações na justiça, desperdiçando recursos e tempo.

Transparência, eficiência e visão de longo prazo devem ser os parâmetros norteadores do código em discussão. O anteprojeto apresentado pelo Deputado Lafayete Andrada (Republicanos-MG) consolida muitos desses avanços - embora haja espaço para ajustes e evoluções no texto - e abre uma oportunidade para darmos um tratamento estritamente técnico às novas regras, com um Estado que cumpra seu papel regulador e garantidor da previsibilidade jurídica.

Quando falamos de matriz energética no Brasil surge um contrassenso. Temos uma base energética barata em sua essência, mas uma conta de energia cara para o consumidor, sejam famílias ou grandes players da cadeia de produção. Para melhorar este cenário e dinamizar o setor atraindo investimentos, são necessárias medidas que diminuam encargos e que diversifiquem as fontes de financiamentos, como a emissão de debêntures incentivadas, por exemplo.

Outro fator que merece atenção é o incentivo à microgeração e Geração Distribuída. Diferentemente da geração centralizada, pela qual grandes usinas produzem a energia que chega ao consumo final, a Geração Distribuída tem foco na autoprodução. A vantagem deste modelo é a eficiência e a diminuição de desperdícios, já que grande parte da energia gerada é consumida no próprio local, o que evita perdas técnicas na distribuição de energia, que no modelo convencional, viaja por vários quilômetros pela rede de transmissão.

O papel social também deve ser contemplado no novo código. A Geração Distribuída e as fontes limpas podem contribuir na universalização do acesso à eletricidade, ao estimular a construção de plantas geradoras em pequenos municípios. É preciso lembrar que em um país socialmente desigual como o Brasil, muitas comunidades isoladas ainda não são atendidas pelo Sistema Interligado Nacional (SIN). Ao mesmo tempo em que difunde a energia sustentável, as usinas de Geração Distribuída podem ajudar famílias de baixa renda, já que a energia produzida pelas plantas poderá ser adquirida pela distribuidora local em troca de recursos para manutenção de programas sociais.

O debate em torno do novo Código de Energia está apenas começando. São mudanças importantes que vão guiar o planejamento energético pelas próximas décadas. A construção desse ordenamento deve ser coletivo e priorizar as matrizes de fontes limpas, o que tornará nossa economia mais resiliente e a sociedade mais sustentável, além de contribuir para um ambiente propício à inovação tecnológica, ao empreendedorismo e com mais investimentos.

*João Pedro Correia Neves é presidente da RZK Energia, empresa do Grupo Rezek que atua em geração, comercialização e eficiência energética.

Fonte: InPress Porter Novelli



Cemig e Governo de Minas investem em 200 novas subestações

Investimentos que vão melhorar o fornecimento de energia e favorecer a geração de empregos foram anunciados em Governador Valadares.

Cemig e Governo de Minas investem em 200 novas subestações

Cemig lista 10 dicas simples para economizar energia

Mudanças nos hábitos de consumo podem fazer grande diferença no final do mês,

Cemig lista 10 dicas simples para economizar energia

Energia solar de grandes usinas ultrapassa carvão na matriz elétrica brasileira

De acordo com ABSOLAR, já são 3,8 gigawatts (GW) em usinas fotovoltaicas de grande porte ante a 3,6 GW em termelétricas fósseis à carvão mineral.

Energia solar de grandes usinas ultrapassa carvão na matriz elétrica brasileira

Condomínios residenciais buscam alternativa para reduzir custo de energia

Além de preservar o meio ambiente, geração de energia a partir do biogás ajuda na redução de gastos.

Condomínios residenciais buscam alternativa para reduzir custo de energia

Cemig investe mais de R$6 milhões na modernização de escolas públicas em 2021 

A meta é de que, até 2022, todas as unidades em Minas Gerais sejam contempladas com as melhorias.

Cemig investe mais de R$6 milhões na modernização de escolas públicas em 2021 

Aneel cria nova bandeira tarifária, e conta de luz fica mais cara

Custo de 100 kilowatt-hora passará de R$ 9,49 para R$ 14,20 até abril.

Aneel cria nova bandeira tarifária, e conta de luz fica mais cara

Conheça as primeiras telhas fotovoltaicas de concreto do Brasil

As vendas começaram voltadas a clientes selecionados no Estado de São Paulo e futuramente serão ampliadas para todo o país.

Conheça as primeiras telhas fotovoltaicas de concreto do Brasil

A “Revolução Solar” chega às empresas

A crescente utilização da energia solar está longe de terminar.

A “Revolução Solar” chega às empresas

Cemig e TJMG firmam parceria para economia de energia

Energia economizada com a modernização da iluminação do TJMG é equivalente ao abastecimento de 1.560 residências de famílias classificadas como baixa renda.

Cemig e TJMG firmam parceria para economia de energia

Curso: Economia de Energia nos Aparelhos de Ar Condicionado

Você sabia que o consumo do ar condicionado pode atingir até 50% do consumo total de uma edificação?  Neste curso você vai aprender como reduzir estas despesas.

Curso: Economia de Energia nos Aparelhos de Ar Condicionado

EDP lança podcast Energia para Inovar

Episódios discutirão temas relacionados às mudanças no setor elétrico e suas implicações na sociedade.

EDP lança podcast Energia para Inovar

Energia limpa para a recuperação econômica

O etanol de cana-de-açúcar completa o aporte do setor à matriz energética nacional.

Energia limpa para a recuperação econômica