Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que há de obscuro na privatização da Eletrobras

O que há de obscuro na privatização da Eletrobras

02/03/2021 José Manoel Ferreira Gonçalves

A chamada agenda de privatizações ficou até aqui muito mais no discurso do que na prática.

Agora é a vez da Eletrobras. Bolsonaro entregou pessoalmente ao Congresso a medida provisória que traz o cronograma para a capitalização da estatal, prevista para dezembro. 

Segundo a MP 1.031, a privatização da Eletrobras se dará na prática por meio da venda de novas ações no mercado. Isso significa que a iniciativa privada assumirá o comando da empresa – uma companhia que dá lucro e é responsável por um significativo investimento em infraestrutura, cerca de R$ 3 bilhões anuais. 

O presidente da Câmara, por onde começará a tramitação da MP, se apressou em tranquilizar o Executivo sobre a celeridade da avaliação do texto no Legislativo. Faltou, porém, combinar com o Tribunal de Contas da União. 

Há pelo menos um ano e meio o TCU espera uma resposta do governo sobre pontos obscuros na intenção desse último de entregar à iniciativa privada o patrimônio – e o papel estratégico no setor elétrico – representados pela Eletrobras.

Datado de 2019, o projeto anterior para a privatização da empresa ficou parado todo esse tempo na Câmara e já havia suscitado muitas dúvidas. Na ocasião, o TCU solicitou esclarecimentos ao governo e à própria Eletrobras, a fim de que fossem comprovadas as vantagens do processo, que, em última análise, marcará a saída do Estado do setor elétrico. Mas não obteve resposta. 

Os esclarecimentos não chegaram, e os pontos de atenção levantados pelo TCU à época seguem nebulosos. Não estava claro – e assim permanece – qual a capacidade da iniciativa privada de suprir com todos os investimentos que o país necessita no setor elétrico, e se afinal os valores arrecadados com a operação são adequados para remunerar o Estado. 

Entre os riscos identificados na análise anterior do TCU estavam a baixa rentabilidade dos investimentos, dificuldades de liquidez, prejuízos com Angra 3 e perdas por fraude e corrupção. A pesquisa para o setor também poderia ser prejudicada. Além disso, o futuro de empresas estratégicas como Itaipu e Eletronuclear seriam uma incógnita. 

A esses riscos, foram acrescentados outros em análises recentes do mercado, como a disputa pela água, cujo acesso é estratégico para a produção de energia no país. 

Para que a pulverização das ações da Eletrobras aconteça, e a privatização seja consumada dessa vez, o governo precisará da análise prévia do TCU, além da aprovação dos acionistas da empresa em assembleia geral. Em dois anos, nada aconteceu. Por que agora o TCU deveria apressar seu veredito sobre a privatização?

O fato é que desestatização tocada sem que todas as dúvidas sejam esclarecidas é uma temeridade para o país. O interesse público e a soberania nacional não podem ser prejudicados. 

Diluir o poder de decisão sobre o setor entre a iniciativa privada significa correr o risco de termos novos apagões generalizados, como o que aconteceu em novembro, no Amapá, sem que a União consiga interferir com rapidez em situações-limite. Significa principalmente abdicar de uma política pública consistente para garantir o acesso à energia elétrica à atividade econômica e a toda a população.

Energia elétrica é fator essencial para a sobrevivência humana e não pode ser entregue ao humor do mercado, sem que a sociedade possa avaliar os riscos da privatização desse insumo básico.  

* José Manoel Ferreira Gonçalves é engenheiro, presidente da Ferrofrente. (Frente Nacional pela volta das Ferrovias) e integrante do movimento Engenheiros pela Democracia.

Para mais informações sobre a Eletrobras clique aqui.

Fonte: Vervi Assessoria



Brasil é 4º país no mundo que mais cresceu com projetos de energia solar no último ano

Brasil acrescentou em 2021 cerca de 5,7 gigawatts (GW) da fonte solar na geração própria de energia em residências e empresas.

Brasil é 4º país no mundo que mais cresceu com projetos de energia solar no último ano

Redução da taxa de energia vai favorecer pequenos negócios, diz Sebrae

Segmento foi o mais afetado pela pandemia, afirma economista.

Redução da taxa de energia vai favorecer pequenos negócios, diz Sebrae

Minas Trifásico vai investir R$ 1,8 bilhão na modernização da rede elétrica rural

Até 2027, serão 30 mil quilômetros de novas linhas rurais, aumentando a capacidade de carga em benefício da população.

Minas Trifásico vai investir R$ 1,8 bilhão na modernização da rede elétrica rural

Fontes de energia eólica e solar geraram em 2021, 10% da eletricidade global

Dados estão no relatório Revisão Global de Eletricidade.

Fontes de energia eólica e solar geraram em 2021, 10% da eletricidade global

Lojistas já economizaram mais de R$ 2 milhões na tarifa de energia elétrica

Economia foi possível após contratação, via CDL/BH,de energia solar ofertada pela Cemig SIM.

Lojistas já economizaram mais de R$ 2 milhões na tarifa de energia elétrica

O mercado livre de energia e os novos desafios da era digital

Hoje em dia temos várias fontes além das hidrelétricas, como as energias eólica, biomassa ou solar.

O mercado livre de energia e os novos desafios da era digital

Programa de Gestão Energética de São Paulo economiza R$ 3,3 milhões

Somente com as revisões e adequações de 723 aditivos de contratos por demanda, a economia gerada representará R$ 19 milhões aos cofres do estado.

Programa de Gestão Energética de São Paulo economiza R$ 3,3 milhões

PL que moderniza sistema elétrico brasileiro pode diminuir o preço da energia

O Projeto de Lei 414/2021 oferece a oportunidade do cliente escolher o seu fornecedor e a fonte da energia que irá utilizar.

PL que moderniza sistema elétrico brasileiro pode diminuir o preço da energia

Capacitação sobre Eficiência Energética e Economia de Energia no Poder Público

O programa aborda as diferentes formas e ferramentas para obter maior eficiência energética em edificações e infraestruturas de saneamento.

Capacitação sobre Eficiência Energética e Economia de Energia no Poder Público

Comercializadora assina contrato inédito para importar gás natural da Bolívia

Tradener fecha contrato com a YPFB e poderá trazer inicialmente até 2,2 milhões de metros cúbicos de gás natural para o mercado livre brasileiro.

Comercializadora assina contrato inédito para importar gás natural da Bolívia

Fontes de energia renovável: vantagens e desvantagens das usadas atualmente no Brasil

Embora muito se fale sobre a necessidade de substituir as energias não renováveis por renováveis, alguns detalhes são importantes para entender até onde é possível avançar e colocá-las em prática.

Fontes de energia renovável: vantagens e desvantagens das usadas atualmente no Brasil

O perigo ligado à tomada

Todo circuito elétrico bem dimensionado dispõe de disjuntores que protegem os fios que alimentam as tomadas que por sua vez, atendem as cargas.

O perigo ligado à tomada