Portal O Debate
Grupo WhatsApp

1896: Primeiro seguro de veículo

1896: Primeiro seguro de veículo

05/11/2008 Deutsche Welle

No dia 2 de novembro de 1896, a seguradora britânica Londoner General Accident Corporation ofereceu aos seus clientes pela primeira vez no mundo um seguro para veículos.

Pela primeira vez, era concedida aos britânicos a chance de assegurarem seus veículos contra acidentes. Ao preço de duas libras esterlinas, a Londoner General Accident Corporation garantiu ajuda aos segurados, desde que o acidente não fosse provocado por cavalos assustados, o que, aliás, acontecia quase diariamente.

Negócio pouco rentável

Na Alemanha, o primeiro seguro contra acidentes foi oferecido em 1899, pelo Stuttgarter Verein. Apesar de já em 1909 ter sido introduzida a obrigatoriedade do seguro de veículos, o forte lobby dos motoristas impediu que fosse posto em prática. O baixo preço das apólices e os altos custos envolvidos num acidente, entretanto, diminuíam a rentabilidade do negócio.

Em 1906, então, foi criada uma associação de seguradoras, para melhor dividir os prejuízos das empresas. Outra estratégia que deu certo foi a oferta de uma enorme variedade de opções aos segurados, como por exemplo tarifas mais baixas para quem anda pouco ou não possui carros muito potentes. Mais tarde, com a União Européia, a partir de 1996, os valores das apólices foram divididos em tipos de carros.

Mercado enorme

Atualmente, as empresas alemãs especializadas em seguros de automóvel oferecem um amplo leque de opções. Por exemplo, para mulheres, famílias com crianças menores de idade, carro de garagem, carro que polui menos e assim por diante. E também na Alemanha vale a pena ocupar-se com as entrelinhas do contrato, pois as transgressões podem custar caro. Com a popularização da internet, está mais fácil comparar as ofertas das empresas e escolher a mais viável para cada caso.

Mais informações sobre a Alemanha e a Europa no site www.DW-WORLD.DE/brasil 



Inovação no plano de saúde corporativo atrai e retém talentos

A pandemia provocou a transformação de diversos setores, incluindo o de plano de saúde corporativo.


Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).