Portal O Debate
Grupo WhatsApp

2017: o turning point para as cidades inteligentes

2017: o turning point para as cidades inteligentes

11/02/2017 Amilto Francisquevis

O processo de transformação digital deve também ser um caminho sem volta para as prefeituras em 2017.

O mercado de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) na América Latina deve ter investimentos de US$ 274 bilhões em 2017. A previsão é da IDC, que realiza análises de mercado, e representa 3,9% de crescimento comparado com o ano passado.

No Brasil, a IDC prevê retomada de projetos a partir de agora e aumento de cerca de 2,5% no mercado local. Com um cenário mais previsível economicamente, não haveria mais espaço para postergar projetos de inovação. E o processo de transformação digital deve também ser um caminho sem volta para as prefeituras em 2017.

Empresas de telecomunicações já anunciaram que trabalham num pacotes de projetos com a promessa de, ao mesmo tempo, gerar economia para os governos e melhorar a vida da população. Uma projeção da consultoria internacional McKinsey & Company aponta que as cidades inteligentes movimentarão um mercado global de soluções tecnológicas que se aproxima de US$ 2 trilhões até a próxima década.

A eficiência nas operações pode ser o turning point para as prefeituras com caixas mais apertados. O uso estratégico das TIC vai trazer benefícios e, o que é melhor, mais economia. As tecnologias podem representar uma verdadeira transformação na gestão pública.

Mas isso vai muito além do WiFi gratuito. Ainda de acordo com a IDC, o mercado de Business Analytics Software, por exemplo, crescerá 4,8% em 2017, movimentando US$ 848 milhões no Brasil. São decisões mais rápidas e assertivas baseadas nas capacidades analíticas trazidas pelas Tecnologias da Informação e Comunicação.

Mas é importante não menosprezar as informações não estruturadas, trazidas pelas redes sociais das prefeituras e pelas interações diretas com a população. A estimativa da IDC é que a tecnologia Cognitive/AI, ainda em fase inicial mesmo na iniciativa privada, deva ter investimentos cinco vezes maiores nos próximos três anos, para atendimento ao cliente ou ao cidadão, no caso dos serviços públicos, com respostas automatizadas e chatbots.

Outro instrumento que pode ganhar força nas cidades inteligentes é a Internet das Coisas (IoT). A previsão da IDC é que o ecossistema de IoT no Brasil dobre de tamanho até o final da década, superando US$ 13 bilhões. E as possibilidades de aproveitamento da tecnologia nas prefeituras são inúmeras, como sensores em lixeiras, que podem otimizar a coleta de lixo, ou nos ônibus do transporte público, para descobrir quais apresentam problemas mecânicos ou se estão cumprindo os horários.

Sabendo de tudo isso, fica claro que as TIC permitem dar respostas às necessidades dos cidadãos sem desperdício dos recursos públicos. É o desenvolvimento econômico caminhando lado a lado com a melhoria da qualidade de vida da população. E 2017 será um terreno fértil para cidades cada vez mais criativas e inteligentes.

* Amilto Francisquevis é assessor de Mercado do Instituto das Cidades Inteligentes.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso