Portal O Debate
Grupo WhatsApp

2021, o ano das bolsas

2021, o ano das bolsas

20/01/2021 Igor Macedo de Lucena

O ano de 2021 deverá ser um dos melhores anos para os investidores do mercado de ações; entretanto, existe uma combinação de fatores que devem ser analisados ainda em 2020, principalmente para os que desejam começar a investir ainda neste ano.

Em primeiro lugar, vale ressaltar que a bolsa de valores é um lugar para expectativas; ou seja, as ações se valorizam em muitos casos pela expectativa de eventos futuros positivos ocorrerem, e por tal motivo vários investidores passam a comprar aquelas ações, ansiando por sua valorização.

Neste sentido, a introdução da vacina contra a Covid-19 em vários países e o sentimento de que no ano que vem ocorrerá a retomada da economia global já mostram que índices como o Ibovespa, o Nasdaq, o Topix e outros alcançaram valores históricos positivos.

Em segundo lugar, observamos valores de taxas básicas de juros e títulos públicos com mínimas históricas, incluindo o Brasil que se encontra com taxas de juros reais negativas.

Isso significa que não há tanto interesse dos investidores que são mais ávidos por retornos maiores para deixar seus recursos em fundos e títulos de renda fixa; portanto, observamos uma migração mundial de recursos de pessoas físicas e jurídicas para as bolsas de valores.

Em terceiro lugar, a ação coordenada dos Bancos Centrais da Europa, dos Estados Unidos, da Inglaterra e do Japão com a política do Quantitative Easing (Uso exacerbado do Banco Central para a compra de títulos e injeção de recursos no mercado financeiro para manutenção da estabilidade do sistema) fez com que a quantidade de recursos em bancos e financeiras e outros agentes do mercado pudessem alocar mais recursos dentro das bolsas mundiais, não apenas sob o ponto de vista especulativo, mas também como uso de ações como ativos em caixa e “Hedge” em operações comerciais.

Em quarto lugar, existem nitidamente diversos setores da economia global que estão reprimidos e que devem retomar com um excesso de demanda, valorizando vários grupos de ações que ainda estão subavaliadas no mercado, como o setor de viagens aéreas, shows, convenções, hotéis, esportes e vestuário, entre outros.

Em último lugar, é importante ressaltar que as bolsas também reagem aos números divulgados de ações do passado como vendas, receitas, lucros, número de clientes e outros dados dos balanços das empresas que devem se apresentar em 2021 com valores crescentes em cada trimestre à medida que a vacinas estarão sendo distribuídas e os setores econômicos totalmente liberados para funcionamento.

Neste sentido, a bolsa deve refletir no segundo semestre uma alta baseada em dados ocorridos no primeiro semestre de 2021.

Ainda no contexto, e encerrando o ano de 2020, fica aqui minha sugestão para aqueles que desejarem diversificar seus investimentos e que visam entrar no mercado de ações: a oportunidade é agora, não a deixe passar.

Ações brasileiras, americanas, europeias, asiáticas e títulos de índices (ETFs) estão acessíveis a todos por meio de bancos e corretoras, com aplicativos gratuitos e com investimentos que podem começar com 50 reais.

Dito isso, Feliz 2021 a todos e boas compras!

* Igor Macedo de Lucena é economista e empresário, Doutorando em Relações Internacionais na Universidade de Lisboa, membro da Chatham House – The Royal Institute of International Affairs e da Associação Portuguesa de Ciência Política.

Fonte: Comunica PR



Administração de escritórios de advocacia requer planejamento e controle de fluxos

A maneira como uma corporação é administrada repercute diretamente em sua evolução.


Mortes e vidas virtuais

Um grande empresário da internet divulgou recentemente a criação de um universo totalmente on-line.


Contra a ignorância política e administrativa

A pesquisa da consultoria Quaest, que encontrou, entre os pesquisados, 78% que apenas “já ouviram falar” do STF e 80% do TSE e o não conhecimento das funções daqueles dois órgãos superiores, é a mais escandalosa prova da ignorância do povo que recentemente, em outro levantamento, também mostrou não saber o que faz o Congresso Nacional.


Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.