Portal O Debate
Grupo WhatsApp

47,3% dos jovens têm um colega que já agrediu outro

47,3% dos jovens têm um colega que já agrediu outro

01/11/2012 Luiz Flávio Gomes

Durante a Pesquisa Nacional do NEV-USP, por amostragem domiciliar, sobre atitudes, normas culturais e valores em relação à violação dos direitos humanos e violência - 2010, realizada em 11 capitais brasileiras, foi indagado aos jovens (entre 16 e 19 anos) se possuem algum colega ou amigo que já se envolveu em determinadas situações violentas.

O resultado foi que 47,3% dos jovens afirmaram possuir um amigo/colega que já agrediu/espancou outro colega; 41,6% afirmaram possuir algum que já se meteu em briga de gangues; 37,5% deles possuem algum que foi ameaçado de morte; 28,8% possuem algum que anda armado; 28,6% possuem algum que já foi ferido por arma de fogo e 28,6% possuem algum que foi assassinado.

Se comparados esses percentuais com os obtidos em 1999, observa-se um crescimento significativo do número de jovens que possuem algum amigo/colega que já foi ameaçado de morte (de 26,5% para 37,5%), que se meteu em briga de gangues (de 37,7% para 41,6%) ou que foi assassinado (de 22% para 28,6%).

Elementos que apontam a crescente exposição e vulnerabilidade dos jovens - que representaram 53,5% dos 52.260 assassinados no país em 2010, de acordo com os dados do Datasus – Ministério da Saúde – em relação à violência (Veja: Vítimas de homicídio: 53,5% são jovens e Mortalidade infantil “versus” mortandade juvenil).

A pesquisa demonstrou ainda que, para os jovens, ser bem sucedido significa ser malandro, matar aula, usar arma e ser temido e que, segundo 27,8% da população em geral, usar arma faz com que o indivíduo se sinta forte, enquanto que 20,2% entende que faz com que ele se sinta importante (Veja: Jovens dizem: Ser bem sucedido é matar aula, ter arma de fogo, ser durão e provocar medo).

Sinal de que cresce a legitimação da força e do autoritarismo como formas de ascensão social e de solução de qualquer tipo de conflito (Veja: Pais brasileiros são violentos contra seus filhos).

Luiz Flávio Gomes – Jurista e professor.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.