Portal O Debate
Grupo WhatsApp


5 motivos para não usar o WhatsApp em vendas

5 motivos para não usar o WhatsApp em vendas

10/05/2016 Jaques Grinberg

Estamos em um momento que é preciso inovar para vender mais.

5 motivos para não usar o WhatsApp em vendas

Os clientes querem ser surpreendidos e buscam agilidade. As informações surgem de forma instantânea, as novidades chegam rápido. A ansiedade em esperar a resposta de uma carta escrita e postada nos Correios é coisa do passado, hoje, se a resposta demorar cinco motivos ou mais gera a mesma expectativa que antigamente podia demorar até meses.

Alguns vendedores já estão adotando ferramentas e aplicativos de mensagens instantâneas para a comunicação com os seus clientes. Excelentes ferramentas disponíveis e sim, os clientes recebem e leem.

O perigo surge quando acontece o primeiro ruído na comunicação. Nas minhas palestras e aulas falo muito sobre a importância do relacionamento entre vendedores e clientes através de uma boa comunicação. Em um relacionamento pessoal, quando surge algum ruído na comunicação, surge a “DR” (discutir o relacionamento). Quando surge um ruído entre o vendedor e o cliente, a negociação é prejudicada.

Em uma venda presencial é comum acontecer ruídos durante uma venda – um relacionamento – agora, imagine em uma venda via WhatsApp! O cliente pode ler e interpretar o texto como ele desejar, no tom que ele quiser. Uma palavra digitada errada, é possível perder o cliente para sempre.

Veja cinco motivos para não usar o WhatsApp para vender.

1º Uso de Grupos
Quando cria-se um grupo no WhatsApp, todos podem e irão escrever. O risco de gerar discussões ou o grupo perder o foco é quase 100%. Cuidado!

2º Conteúdo
Cuidado com imagens, com o direito autoral do conteúdo. Também precisamos ter cuidado com “memes”, assuntos diversos e polêmicos. O cliente pode aplicar uma arapuca, iniciando um assunto polêmico como por exemplo sobre futebol, religião ou política. E o que fazer? Imagine o risco!

3º Mão de obra
Quando inovamos usando por exemplo o WhatsApp para vender, os clientes acham que estamos disponíveis 24 horas por dia e sete dias por semana. Sim, eles tem razão. Afinal é uma ferramenta instantânea e o cliente consegue visualizar se a mensagem foi entregue e recebida e se sim, irá aguardar uma resposta instantânea. Você estará preparado e disponível 24 horas por dia?

4º Começou, não tem volta
Se você divulgar esse serviço de atendimento e relacionamento com os clientes, não terá volta. Depois de iniciado é difícil desistir, mesmo que dê errado.

5º Ligação via WhatsApp
Por diversos motivos e o principal por economia, os clientes podem e irão ligar via aplicativo. A sua internet 3G ou 4G está preparada para atender com qualidade estas ligações? Uma ligação de péssima qualidade aumenta as chances de ruídos na comunicação e o cliente pode ficar irritado, procurando o concorrente por insatisfação.

Em resumo, o que parece ajudar pode prejudicar e reconquistar clientes que desistem por alguma falha na comunicação é mais difícil do que conquistar novos clientes.

* Jaques Grinberg: Empreendedor, coach, palestrante, consultor e sócio em quatro empresas.



Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?