Portal O Debate
Grupo WhatsApp

6 entre 10 gestores pretendem mudar de emprego em 2022

6 entre 10 gestores pretendem mudar de emprego em 2022

25/03/2022 Marcelo Arone

Ainda estamos observando o que será deste que deve ser o primeiro ano efetivamente sem pandemia.

Será? Podemos dizer que já é um 2023 antecipado ou ainda sentimos a instabilidade de 2021?

As apostas são inúmeras, mas uma coisa podemos afirmar: o mercado de recolocação pode ser um dos mais aquecidos, e para quem souber trabalhar as próprias habilidades, a resiliência e tiver foco, 2022 promete ser um ano de fortes emoções!

Há 2 anos, em março de 2020, quando as empresas botavam em prática o planejamento anual, nem o mais pessimista de nós poderia prever o que nos aguardava.

Foi um turbilhão. Tivemos que agir rapidamente, protegendo a nós e aos nossos, cuidando da saúde física e mental, fazendo da sala ou do quarto nosso escritório, conciliando reuniões presenciais e virtuais, entendendo a dinâmica com filhos e esperando quem em algum momento o vírus desse alguma trégua. Aprendemos.

Passou 2021, entrou 2022 e já estamos quase em Abril! O ano que começou lento, parecendo ainda esperar o que o futuro reservava, começa a dar ares de retomada.

O contágio pela ômicron diminuiu, os escritórios estão reabrindo, e mesmo um conflito triste como o que estamos vendo na Ucrânia, que, no mínimo, acaba respingando no nosso bolso, pode favorecer, direta ou indiretamente, algumas carreiras, especialmente para gestão.

Vou explicar: com a guerra, estamos vendo muitas marcas globais, de diversos segmentos, migrando suas operações do leste europeu para países emergentes.

E o que você tem a ver com isso? Tudo. Essas mesmas empresas estão iniciando operações e vão precisar de equipes inteiras, muitas vezes.

O Brasil, inclusive pela valorização do Real frente ao Dólar, acaba sendo uma opção viável. Não pelos melhores motivos, claro, mas contratações podem ser feitas aqui, aquecendo o mercado.

E quando o ano começa, efetivamente, para as contratações? Estamos em um ano eleitoral e de Copa do Mundo, que este ano acontecerá, excepcionalmente, em novembro.

Além disso, historicamente, desde 2014, em anos eleitorais, 70% das contratações de alto escalão acontecem entre abril e setembro.

Ou seja, a boca do jacaré está abrindo agora e é por isso que não dá nem para esperar a economia melhorar e nem para acreditar que é um ano perdido.

Definitivamente, não é. Momentos de crise se mostram, muitas vezes, mais benéficas para determinados mercados.

Os números demonstram que há procura pelas contratações. Pesquisa recente realizada pela OPTME constatou que, de cada 10 gestores, 6 pensam em mudar de carreira, de emprego ou de cargo em 2022.

Junte empresas em busca de talentos e mão de obra super qualificada e podemos ter um ano bem interessante nesse setor.

Para as contratações, a turbulência deste ano pode ser a tempestade perfeita para mercado como serviços, consumo e tecnologia.

Este ano marca uma espécie de renascimento, das pessoas e da sociedade em geral, que se sentiu presa durante tanto tempo.

Geralmente, quando temos uma reviravolta desse tamanho no âmbito pessoal, tendemos a replicar na carreira e ir em busca da desejada virada de chave. Talvez essa seja a sua hora. De qualquer forma, é possível, sim, esperar ainda mais de 2022.

* Marcelo Arone é headhunter e especialista em empresas que passam por processo de transformação e profissionalização.

Para mais informações sobre contratações clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Planta & Cresce Texto e Design



Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.