Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Alemanha nos deu o recado

A Alemanha nos deu o recado

13/06/2016 Zair Candido de Oliveira Netto

A Seleção Brasileira pós 7x1 é outra para o mundo do futebol.

A Alemanha nos deu o recado

Semifinal da Copa do Mundo de 2014, Mineirão lotado, um passo da final, com a mão na taça, sonho do hexa, hegemonia de títulos, final no Maracanã e muita expectativa do povo brasileiro.

Porém, esquecemo-nos de uma Alemanha no caminho... 7x1: o maior vexame de todas as copas do mundo na história do futebol mundial. A Seleção Brasileira pós 7x1 é outra para o mundo do futebol.

Estes 7x1 foram a gota d’agua para as decisões equivocadas da CBF. Como uma instituição com uma receita de meio bilhão de reais não organiza e profissionaliza o nosso futebol?

Concluímos que administramos mal e não planejamos nada - muito por decisões equivocadas de pessoas não preparadas para a função, paradas no tempo, que não aceitam mudanças, que não delegam, que não planejam e que não conseguem analisar o ambiente externo, verificando as oportunidades e as ameaças do mercado do futebol.

A Seleção da Alemanha deu o recado para o Brasil e parece que não aprendemos a lição. Quase no aniversário de dois anos dos 7x1, estamos em sexto lugar nas eliminatórias para a Copa de 2018.

Será que a CBF vai presentear o povo brasileiro com a desclassificação do Brasil? Outro vexame mundial e mais uma histórica marca negativa para o futebol brasileiro. Continuamos cometendo os mesmos erros do passado, colocando pessoas despreparadas à frente da Seleção Brasileira.

Estamos sem comando, sem alguém que possa realmente fazer a diferença. Porém, como a CBF está um caos administrativo e judicial, me parece que preferem morrer a se entregar - e aí todo povo apaixonado pelo futebol brasileiro morre junto... definitivamente, não merecemos isso.

Em setembro, vamos a mais uma rodada das eliminatórias 2018 - jogamos com o líder Equador, fora de casa e com a Colômbia no segundo jogo. Hoje, a Colômbia está em quinto lugar, mas pode enfrentar o Brasil posicionada na segunda colocação, pois joga uma rodada antes em casa com a última colocada, a Venezuela.

O cenário não é bom para o que temos apresentado. Escutamos de tudo: que os jogadores não têm comprometimento, falta de treinamento, problemas psicológicos, pois a equipe sente a pressão dos adversários e não consegue jogar.. ora, esses jogadores da nossa Seleção estão acostumados a grandes pressões e sabem muito bem o funcionamento de sistemas táticos, pois jogam no futebol mais competitivo do mundo.

O que falta mesmo na CBF é mudança, é aceitar que necessitamos de pessoas capacitadas em todos os setores, sem ficar com melindres de que não gosta de fulano ou ciclano. O Brasil tem pessoas competentes para comandar o futebol brasileiro.|

Infelizmente, acredito que a máquina administrativa só saia do poder com uma desclassificação para o próximo mundial. Não há como obter sucesso com um modelo de gestão ultrapassado - a Alemanha nos deu o recado. Será que em setembro teremos novidades? Talvez seja tarde para uma recuperação.

Estaremos com 44% da competição realizada. Isso dá uma boa amostra do resultado final. Clamo à CBF para não nos dar um vexame maior que os 7x1... a desclassificação para a Copa do Mundo de 2018. O povo brasileiro não merece isso.

* Zair Candido de Oliveira Netto é coordenador de Educação Física da Universidade Positivo.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso