Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Amazon e a máfia

A Amazon e a máfia

13/09/2014 Guilherme Dalla Costa

É incrível o que inventamos para justificar os nossos atos e dar-lhes ar de moralidade perante o público.

A Amazon, para a alegria dos poucos leitores de um país que lê cada vez menos, começou a vender livros físicos no país. A empresa, que já era a referência na venda de ebooks, entra no mercado brasileiro oferecendo livros com descontos tão altos que ameaça o emprego de muitos trabalhadores do setor editorial brasileiro.

O que pensar sobre isso? Os franceses pensaram da mesma forma. Para “proteger a cultura nacional” e as livrarias da França, eles passaram uma “Lei Anti-Amazon”, proibindo a venda de livros com desconto e frete gratuito pela internet. Na Alemanha houveram diversos protestos de autores quando à política de preços da multinacional.

No Brasil a reação, é claro, não foi diferente: a CBL (Câmara Brasileira de Livros), o SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), a Libre (Liga Brasileira de Editoras), e a ANL (Associação Nacional das Livrarias) todas se manifestaram a favor de uma política de preços fixos para livros, garantindo assim a defesa do mercado brasileiro quanto aos “preços predatórios” da empresa. A situação desse setor não é de penúria, como seus argumentos indicam.

Segundo dados da SNEL e CBL, o faturamento desse segmento da indústria foi de crescimento crescente de 2002 até 2013, indo de 2,18 bilhões naquele ano para 5,35 bilhões neste. Aliás, é de se notar que mesmo com o número decrescente de leitores, o crescimento baixíssimo do PIB e os preços consideravelmente altos do produto, conseguiu-se a façanha de um crescimento de 7% do faturamento do setor em 2013 em relação a 2012 – quando, segundo pesquisa encomendada pelo Ibope, o número de leitores era 9,1% menor do que nos dois anos anteriores.

Mais interessante é um estudo patrocinado novamente pela SNEL, apresentado em 2014 em seminário próprio, onde o sindicato aponta a competição no mercado editorial como um fator que motivaria a cooperação das empresas nacionais para o crescimento da oferta de livros. Logo se vê, então, o caráter do pedido de proteção das organizações brasileiras. Da mesma maneira que as empresas do setor de Comunicação estão dispostas a “competir”, contanto que ninguém mais entre em seu mercado, as empresas brasileiras pedem mais competitividade, através da isenção de vários impostos, e competição quando lhes é sabido que terão seu mercado garantido.

O crescimento do faturamento e a queda do número de leitores nos mostra várias coisas. Primeiro, que há muito demanda que não é suprida por causa dos preços; segundo, que apesar dos preços, o mercado é altamente lucrativo; e terceiro, que se infere dos dois fatos anteriores, que o mercado editorial brasileiro é capaz de competir com o estrangeiro. Tendo em vista esses fatos, deixo em pé uma pergunta: é justo pagarmos a conta de um setor que pode enfrentar a Amazon, mas não quer?

*Guilherme Dalla Costa é Acadêmico de Economia e Especialista do Instituto Liberal.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.