Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A arte de lidar com os dilemas da vida

A arte de lidar com os dilemas da vida

22/11/2012 Eliane Quintella

Parece que não é difícil abandonarmos regras e princípios que seguimos por nossa vida ao nos deparamos com uma injustiça feita a uma pessoa que nos é especial.

Quem não ajudaria o próprio filho a fugir da polícia política na Ditadura por ser perseguido pelo simples motivo de expor suas ideias? Quem não contaria uma mentira para satisfazer uma burocracia inútil e injusta do sistema de saúde se isso significasse salvar seu irmão da beira da morte?

Quem não arriscaria deixar um pouco a cartilha de lado por uma causa maior, uma injustiça, ainda mais se essa injustiça envolvesse alguém que se ama? Parece mesmo que qualquer um é capaz disso, mas se esse abandono significar ferir algum valor que lhe é muito importante, então, talvez você não ajude a quem ama.

Você pode ajudar a esconder seu filho da polícia política, mas talvez não esteja disposto a matar um policial. Você pode contar uma mentira que salve seu irmão da beira da morte, mas pode não fazer isso, se essa mentira significar que seu irmão tirou lugar na fila de outra pessoa que fatalmente irá morrer. O dilema é ainda pior se a pessoa que amamos está envolvida em uma situação, sob os nossos olhos, justa.

Um filho que foge da polícia porque de fato praticou um crime, por exemplo, um assassinato. O que fazer nesse caso? Ajudá-lo ou delatá-lo à polícia? Pode ser que você queira dar o exemplo, mostrar que quem pratica crime deva ser preso e que você não pode ser conivente com um criminoso, seja ele seu filho ou não.

Pode ser que você não tenha coragem de mandar seu filho para o sistema carcerário do Brasil, pois sabe que  possivelmente sairá pior do que entrou.  Pense sozinho, só você sabe a resposta e só você precisa saber, não precisa dizer a ninguém mesmo, mas seja sincero com você mesmo e responda: o que você faria?

No fundo, toda vez que nos deparamos com dilemas, quaisquer que sejam eles, nós pesamos, às vezes sem nos darmos conta desse processo, os valores que estão em jogo e escolhemos aqueles que realmente são mais importantes para nós.  O que vale nesse processo é ser verdadeiro com você mesmo.

Esqueça o que podem pensar, das regras, de como outras pessoas agiriam e seja sincero com você mesmo: o que realmente importa para você? Não há apenas uma resposta certa, cada pessoa tem seus próprios valores e convicções. O importante mesmo é agir de acordo com aquilo que acredita e não trair a si mesmo.

*Eliane Quintella é escritora.



Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.


Inaugurada a era das assembleias virtuais

A pandemia acelera a digitalização nos condomínios.