Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A banalização do “bullying”: não esqueça este assunto

A banalização do “bullying”: não esqueça este assunto

11/05/2012 Paula Pessoa Carvalho

Assim como outros assuntos importantes como religião, política, sexo; o assunto da violência, principalmente se tratando de Bullying, foi banalizado.

A mídia por sua vez, com a intenção de divulgar e fazer seu papel sobre o tema para que chegue ao conhecimento de todos, acaba por provocar uma inundação de informações repetitivas, sem embasamento e divulgada de forma superficial; o que culmina em propagações que pensamos ser infinitas. Infelizmente o assunto é abordado somente quando ocorre alguma tragédia e falamos dele até sabermos dos mínimos detalhes: desde quantos passos foram dados; aos modelos de roupas que estavam sendo usadas pelos personagens no dia do ocorrido.

Com o Bullying não é diferente, ouvimos sobre ele de manhã, de tarde e de noite, somente quando ocorre um fato. Nos deixando tão acostumados e familiarizados ao assunto que nos tornamos indiferentes a ele. O Bullying é um conjunto de comportamentos agressivos que ocorre principalmente dentro das escolas e não é um fato novo. Infelizmente, ele é parte da experiência acadêmica de muitos alunos.

O fenômeno começa com “piadinhas”, apelidos, xingamentos, empurrões, se transforma em agressão física e até perseguição. A vítima escolhida é sempre alguém que não poderá se defender sozinha e o agressor é alguém mais forte, que age sozinho ou em grupo. Como podemos analisar em sua definição o Bullying é um problema social, que pode afetar qualquer criança e causar danos irreparáveis, como já foi vivido em nossa história social.

Cabe a toda sociedade ficar atenta e atuar no sentido de prevenir o fenômeno continuamente, não o tratando como uma brincadeira banal de criança e nem popularizando e enfatizando somente os fatos trágicos ao ponto de esquecermos o assunto ou convivermos com ele como se fosse “normal” e pudesse ser percebido somente quando o pior acontece. Hoje existem em algumas instituições de ensino e ONG’s com ações que tem a intenção de promover atitudes contra o Bullying como preferência aos trabalhos em grupo, que favorecem a socialização além de realizar campanhas de esclarecimento sobre Bullying e incentivo aos comportamentos gentis.

Os professores ainda identificam crianças mais tímidas e retraídas e fortalecerem sua autoestima, além de incentivarem-nas a andar acompanhadas por outros colegas. Quanto ao agressor, é feito um trabalho que aumenta a tolerância à frustração e controle de agressividade.

Sobre essas ações temos que ser extenuados, para que elas sejam nossa rotina e que possamos ver a violência como um assunto sério e que tem solução. Por outro lado, ainda existem escolas e instituições que ignoram o fato que ocorre dentro de suas paredes debaixo de seus olhos, o que causa grande preocupação dos pais.

O Bullying não escolhe classe social, bairro, gênero ou valor de mensalidade. Bullying é um assunto sério e que atinge o seu filho e o meu, então diz respeito a todos.

*Paula Pessoa Carvalho (foto) é Psicóloga Comportamental Infantil / Adulto e Orientadora Educacional.



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.