Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A caixa-preta do BNDES

A caixa-preta do BNDES

12/05/2017 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Um banco de fomento não pode servir a negociatas e nem para desenvolver outros países e neles criar empregos.

A caixa-preta do BNDES

Desde que começaram a surgir denúncias de corrupção, propinas, financiamento irregular de campanhas eleitorais e outras irregularidades apuradas pela Operação Lava Jato e similares, é comum ouvir-se dizer que isso é só a ponta do iceberg, pois o grande problema está no BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social).

Esse órgão de fomento, criado no começo dos anos 50 com a finalidade de alavancar o desenvolvimento nacional, segundo voz corrente, teria sido usado indevidamente tanto para o enriquecimento ilícito de amigos do poder quanto para o apoio ideológico a governos bolivarianos e ditaduras de esquerda nas Américas do Sul e Central e na África.

Nesta sexta-feira, a Polícia Federal mais de três dezenas de buscas e apreensões e conduções coercitivas junto à empresa JBS que, com o aporte do banco, tornou-se a maior produtora e comercializadora de proteína animal do mundo. Com aporte de R$ 8,1 bilhões do banco de fomento, a empresa montou um formidável cartel que desequilibrou a pecuária brasileira e causou até à escassez de carne no mercado nacional. Tudo isso, conforme se apura, mediante tráfico de influência e boas relações com os donos do poder.

Finalmente abrem-se, para a população, as informações sobre a caixa preta do BNDES, autarquia federal criada em 1952 (Lei n° 1628), com a finalidade de financiar a infraestrutura e as empresas de base que ao longo de seis décadas mudaram o perfil do pais de essencialmente agrícola para industrializado. Com a evolução da economia, o banco sofreu alterações de finalidade e diversificou sua atuação, passando a apoiar negócios destinados à criação de empregos.

Foi com essa argumentação, que os governos recentes concederam empréstimos a Cuba, Angola, Moçambique, Gana, Costa Rica, Guaatemala, Honduras, Peru, Venezuela e outros países. Mas, recentemente, a Operação Lava Jato identificou corrupção de empresas brasileiras naqueles países e travou parte dos negócios.

O Brasil precisa de esclarecimentos e soluções. O seu banco de fomento não pode servir a negociatas e nem para desenvolver outros países e neles criar empregos, quando temos 13 milhões de desempregados em solo pátrio. Revelem-se os segredos do BNDES e, principalmente, coloque-se o banco novamente a serviço dos brasileiros. Só dos brasileiros, como é sua finalidade...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo). [email protected]  



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa