Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A comunicação em tempos de economia compartilhada

A comunicação em tempos de economia compartilhada

01/11/2017 Reinaldo Passadori

É preciso construir uma comunicação baseada na confiança.

A ideia de economia compartilhada alinha-se ao conceito de sustentabilidade, pois permite que as pessoas dividam objetos, carros, apartamentos ou serviços sem precisar comprá-los. E se, há menos consumo, há mais qualidade para o planeta e para as organizações.

Mas, além disso, também vem se mostrando um potencializador de melhorias de comunicação e uma ótima opção para network. A prática que, durante o processo civilizatório da humanidade, já recebeu outras denominações, como escambo, por exemplo, mostra uma maior preocupação com o meio ambiente e com todos que dele dependem.

E também estabelece novas relações entre as pessoas, oportunidades de troca de conhecimentos e parceira de negócio. Esse modelo culmina na economia criativa que, segundo o Sebrae, é um termo criado para nomear ações de negócios ou gestão que redundam em atividades, produtos ou serviços desenvolvidos a partir do conhecimento, criatividade ou capital intelectual de pessoas que buscam a geração de trabalho e renda.

Como bom exemplo, temos a empresa multinacional americana Uber. Mas, como utilizar essa nova forma de economia de maneira que proporcione os melhores resultados? Todo esse novo cenário demanda uma cultura mais espiritualizada, pontuando o modo de ser de cada um, no qual a comunicação é pautada pelo que se acredita, se cultiva em termos de ética e valores.

Além disso, é ainda, uma cultura voltada para o espectro da concepção de comunidade, com foco em problemas comuns como educação, saúde, segurança, colaboração e compartilhamento, características essas, fundamentais nesse novo modelo econômico. Nessa estrutura da dimensão espiritual, com foco na autenticidade das ações, a comunicação aparecerá como uma ponte entre mentes e corações, entre todos os públicos, principalmente, entre aqueles que se destacarão no universo da economia compartilhada.

Como agente transformador do ambiente em que vive, o indivíduo consegue mudar o espaço em que habita e quando age positivamente pode deixá-lo mais rico, mais confortável e sustentável. Dessa forma, a comunicação para ser inserida no contexto da economia compartilhada precisa, primeiramente, ser alicerçada em crenças, valores e experiências com foco nessa sustentabilidade.

Chegamos então, à mudança de mindset: do foco econômico de “gerando soluções” para o foco de “problemas específicos”, com consciência nos negócios, compreendendo uma nova forma de olhar o mundo, as pessoas e, consequentemente, um jeito diferente de se comunicar baseado em valores diferenciados da nova economia. Diante disso, é preciso construir uma comunicação baseada na confiança.

Bases como autenticidade e sinceridade nortearão às novas relações com os colaboradores e os clientes. O lucro continuará sendo importante, porém abraçar “causas sustentáveis” e ajudar o consumidor, agregando propósito às marcas e serviços, será fundamental para ser escolhido neste mundo de competitividade cada vez mais veloz e avassalador.

* Reinaldo Passadori é fundador e CEO do Instituto Passadori - Educação Corporativa, já treinou mais de 80 mil profissionais.



O Papa e a homossexualidade

O Papa Francisco declarou que as uniões homossexuais devem ser legalmente reconhecidas.


O PIB e os processos migratórios do ensino superior

As vidas de Alexandre e Letícia se encontraram quando se conheceram em uma grande universidade particular da capital paranaense – ela cursava Comunicação e ele, Engenharia.


Falsos profetas da renda variável

Os juros sempre foram altos no Brasil.


Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.


Fatos, opiniões e a sorte da Democracia

Comecemos com uma afirmação: “verdade é aquilo que não podemos modificar”.