Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A comunicação em tempos de economia compartilhada

A comunicação em tempos de economia compartilhada

01/11/2017 Reinaldo Passadori

É preciso construir uma comunicação baseada na confiança.

A ideia de economia compartilhada alinha-se ao conceito de sustentabilidade, pois permite que as pessoas dividam objetos, carros, apartamentos ou serviços sem precisar comprá-los. E se, há menos consumo, há mais qualidade para o planeta e para as organizações.

Mas, além disso, também vem se mostrando um potencializador de melhorias de comunicação e uma ótima opção para network. A prática que, durante o processo civilizatório da humanidade, já recebeu outras denominações, como escambo, por exemplo, mostra uma maior preocupação com o meio ambiente e com todos que dele dependem.

E também estabelece novas relações entre as pessoas, oportunidades de troca de conhecimentos e parceira de negócio. Esse modelo culmina na economia criativa que, segundo o Sebrae, é um termo criado para nomear ações de negócios ou gestão que redundam em atividades, produtos ou serviços desenvolvidos a partir do conhecimento, criatividade ou capital intelectual de pessoas que buscam a geração de trabalho e renda.

Como bom exemplo, temos a empresa multinacional americana Uber. Mas, como utilizar essa nova forma de economia de maneira que proporcione os melhores resultados? Todo esse novo cenário demanda uma cultura mais espiritualizada, pontuando o modo de ser de cada um, no qual a comunicação é pautada pelo que se acredita, se cultiva em termos de ética e valores.

Além disso, é ainda, uma cultura voltada para o espectro da concepção de comunidade, com foco em problemas comuns como educação, saúde, segurança, colaboração e compartilhamento, características essas, fundamentais nesse novo modelo econômico. Nessa estrutura da dimensão espiritual, com foco na autenticidade das ações, a comunicação aparecerá como uma ponte entre mentes e corações, entre todos os públicos, principalmente, entre aqueles que se destacarão no universo da economia compartilhada.

Como agente transformador do ambiente em que vive, o indivíduo consegue mudar o espaço em que habita e quando age positivamente pode deixá-lo mais rico, mais confortável e sustentável. Dessa forma, a comunicação para ser inserida no contexto da economia compartilhada precisa, primeiramente, ser alicerçada em crenças, valores e experiências com foco nessa sustentabilidade.

Chegamos então, à mudança de mindset: do foco econômico de “gerando soluções” para o foco de “problemas específicos”, com consciência nos negócios, compreendendo uma nova forma de olhar o mundo, as pessoas e, consequentemente, um jeito diferente de se comunicar baseado em valores diferenciados da nova economia. Diante disso, é preciso construir uma comunicação baseada na confiança.

Bases como autenticidade e sinceridade nortearão às novas relações com os colaboradores e os clientes. O lucro continuará sendo importante, porém abraçar “causas sustentáveis” e ajudar o consumidor, agregando propósito às marcas e serviços, será fundamental para ser escolhido neste mundo de competitividade cada vez mais veloz e avassalador.

* Reinaldo Passadori é fundador e CEO do Instituto Passadori - Educação Corporativa, já treinou mais de 80 mil profissionais.



Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.