Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Covid-19 e o saneamento

A Covid-19 e o saneamento

02/04/2020 Luiz Pladevall

A pandemia do novo coronavírus assusta o mundo pelos impactos na saúde, economia e no bem-estar social.

Essa crise mundial vai provocar mudanças profundas na maneira como os mais diversos governos encaram a saúde pública.

No Brasil, o enfrentamento da Covid-19 vai se deparar com um panorama de 100 milhões de brasileiros sem acesso à rede de coleta e tratamento de esgoto, além de 35 milhões de habitantes sem água potável.

Esse é um cenário devastador e propício para a propagação do novo coronavírus. A indicação básica para evitar a proliferação da doença é lavar bem as mãos com água e sabão, mas uma parcela significativa dos brasileiros sequer conta com acesso aos recursos hídricos adequados.

Um estudo da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), a partir dos dados do Datasus, aponta que nas maiores cidades com saneamento precário a taxa de internação por doenças causadas pela veiculação hídrica – como diarreia, gastroenterites, cólera, febre tifoide, entre outras -  é três vezes maior em comparação com os municípios próximos da universalização.

A Covid-19 reforça o que os especialistas já ressaltam há muito tempo. O saneamento básico deve ser prioridade de qualquer nação interessada a reduzir as abissais diferenças entre a população mais abastada e os mais pobres.

Portanto, deve ser uma política permanente de Estado, independente do governo de plantão. Os prejuízos causados pela falta de tratamento adequado do esgoto e de abastecimento de água tratada, principalmente com a pandemia desse novo coronavírus, são incalculáveis.

Para alcançar a universalização desses serviços, todas as esferas governamentais têm o desafio de contribuir para um planejamento minucioso, de curto, médio e longo prazo.

Ele deve ser capaz de atender às demandas regionais, embasado em informações consistentes dos mais de 5.500 municípios brasileiros.

O enfrentamento a pandemia da Covid-19 poderia ser menos traumática se o país contasse com melhores condições de infraestrutura na área de saneamento.

Essa é uma lição que não podemos esquecer e precisamos transformar esse aprendizado em política eficaz capaz de reverter os péssimos indicadores que ainda colecionamos na área.

* Luiz Pladevall é engenheiro, presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental).

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.


Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.