Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A crise no STF

A crise no STF

04/03/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

Já faz um bom tempo que vivemos sob o impacto de denúncias sobre os malfeitos cometidos por políticos e administradores públicos.

Fora o corporativismo e as escandalosas renúncias estratégicas, que mantiveram impunes muitos dos denunciados, tivemos no mensalão um exemplo de resgate do bordão que diz “a justiça tarda, mas não falha”. Por serem os réus figuras palacianas e, também, pela ação do denuncismo e do revanchismo político, a repercussão dos julgamentos foi intensa, assim como o cumprimento inicial das penas, pleno de gestos incomuns a qualquer apenado.

Queiram ou não, os mensaleiros são diferentes dos demais sentenciados. Agora, com nova composição, o Supremo Tribunal Federal volta atrás e alivia oito dos condenados do crime de formação de quadrilha, que lhes agravaria as penas e, principalmente, os impediria de cumpri-la em liberdade ou semi-liberdade. Não nos cabe emitir juízo de valores sobre o que pensam e fazem os ministros, embora soe esquisito que uma mesma corte tenha dois posicionamentos distintos em tão pouco tempo de intervalo.

Mas ninguém consegue ficar sem pensar se os dois julgamentos – o de antes e o de agora – teriam ou não sofrido a ação de componentes externos aos autos e ao próprio tribunal como, por exemplo, a alta mobilização da opinião pública ou mesmo as tais forças ocultas.

Ainda mais: se isso ocorreu, o quê seria o correto, a decisão de antes ou a de agora? É preocupante ver a mais alta corte de justiça do país colocada como alvo de dúvidas e imperfeições. Até porque é para lá que vão, para deslinde, todas as dúvidas e discussões que a sociedade não consegue resolver por seus próprios meios. É a segurança jurídica colocada em dúvida. Oxalá o STF consiga superar a crise. Infelizmente, vivemos um momento crítico da nacionalidade.

A violência é uma constante. O povo, insatisfeito, faz manifestações que muitas vezes terminam em vandalismo e até morte. Os governantes e autoridades são vaiados. O PCC monta plano mirabolante para resgatar seus lideres recolhidos em prisão de segurança máxima. Nessa sociedade convulsionada, o Ministério Público e a Justiça são os fiéis da balança ao promoverem medidas de reparação às corrupções e outros delitos. Se os perdermos como instituições confiáveis, marcharemos para o perigoso caminho da ruptura e do caos, sem termos a quem recorrer para a defesa dos nossos interesses e a solução das contendas.

Essas instituições jamais poderão ficar sob dúvida pois, se isso acontecer, quem padece é a sociedade. Precisamos fazer todos os esforços para evitar esse inoportuno desenlace...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).