Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A Desculpa

A Desculpa

20/02/2009 Luciano Pires

Poucos dias atrás marquei uma reunião com o pessoal de compras de um dos grandes grupos editoriais brasileiros. Saí de meu escritório com noventa minutos de antecedência e na hora exata eu estava lá.

A recepcionista avisou que a pessoa que me receberia na hora marcada estava numa reunião e que havia outra pessoa esperando e eu teria que aguardar por tempo indeterminado. Para não perder a viagem decidi esperar. Em pé, na recepção, sem água, sem café. Se quisesse sentar, teria que ser no degrau que dá para a calçada. Depois de uma hora e meia a recepcionista me chama com o telefone na mão:



O Senhor Leonardo. A assistente do fulano quer falar com o senhor.


Ouço - incrédulo - que o fulano entrara em reunião com o diretor e não havia previsão para me atender. E ela perguntava se eu me incomodaria por esperar mais ou preferia retornar outro dia que "eu tentarei encaixar, seu Leonardo". E eu estava numa empresa que fatura quase um bilhão de reais por ano!


Fui embora indignado. Inconformado. Como é possível?
 

Pois bem. Até os anos oitenta a melhor fórmula para garantir retorno aos acionistas era o "bom gerenciamento". E o desafio dos teóricos foi traduzi-lo em fórmulas. Assim surgiram muitos gurus e teorias de administração - a maioria modismos ou velhas práticas com nomes novos - que formaram uma geração de administradores em busca do "retorno aos acionistas". A qualquer custo.

O problema é que muito do que consideramos "bom gerenciamento" são atributos e valores intangíveis: gerenciamento de recursos humanos, foco no cliente, visão estratégica, capacidade de execução e prestação de serviços, por exemplo, que os modelos de administração tentam de todas as formas quantificar. Para lançar os indicadores desses atributos numa planilha Excel é necessário reduzi-los a números, deixando de fora a complexidade das interações. Foi assim que uma geração desaprendeu a lidar com o intangível.

O resultado é que os administradores só conseguem trabalhar com o que dá pra

contar: Faturamento. Custos. Lucro. E, do que dá pra contar, o mais fácil é cortar custos.

É assim que "a crise" se transforma em desculpa. Em nome dela (a crise) é possível reduzir todo tipo de "custo" sem muita especulação. Dá pra mandar qualquer funcionário pra rua. Dá pra cortar o cafezinho. Dá pra desmarcar compromissos. Dá pra arrancar o couro dos fornecedores.

Dá pra cancelar os eventos. Dá pra cancelar o jornal interno. Dá até para atender mal o cliente - afinal, estamos em crise, tá tudo desculpado!

 

Vá ao aeroporto ou a um banco. Você verá mais da metade dos terminais de atendimento vazios e uma fila imensa de clientes perdendo tempo de vida. As empresas não têm gente pra atender os clientes! E quando você reclama o atendente olha com aquela expressão de "num sei"... O gerente? Ah, ele está ocupado com tarefas que deveriam ser do supervisor que foi mandado embora.

A tal da crise vem a calhar para ser usada como desculpa pelos incompetentes. Ela custará muito mais que dinheiro. Está criando uma cultura de profissionais sem educação, gananciosos, egoístas e medíocres.

Quando a crise passar, essa será a cultura de negócios do Brasil.

E aí só me restará mudar meu nome de Luciano pra Leonardo.

Luciano Pires é jornalista, escritor, conferencista e cartunista. Faça parte do Movimento pela Despocotização do Brasil, acesse www.lucianopires.com.br



Aos mestres, com carinho, nossa gratidão!

“Vivemos um tempo atípico” e “Precisamos nos reinventar” são algumas das frases mais pronunciadas nesses últimos meses.


Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

Com a notícia da pandemia do coronavírus todo o mercado de investimentos tradicional e digital foi impactado com a notícia.


O receio de opinar

Antes de me aposentar, prestei serviço em empresa, que possuía e possui, milhares de trabalhadores.


Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.