Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A educação e a PNL

A educação e a PNL

09/03/2016 Andrea Guimarães Umbuzeiro

São muitos os traços de personalidade e a maneira de aprendizado de cada ser humano.

Hoje percebe-se que se trabalhamos e respeitarmos a forma de aprendizado de cada indivíduo podemos alcançar resultados ainda melhores.

Nas nossas escolas, apesar de caminharmos para uma mudança, ainda se utiliza um método de ensino limitado, onde o professor transmite o conteúdo oralmente ou visualmente, apenas pelo quadro negro, tirando dúvidas.

E se o aluno não possui uma capacidade de absorção auditiva ou visual, não utilizará todo seu potencial de aprendizado e nem assimilará aquilo que está sendo proposto em sala.

É aí que podemos nos aproveitar da técnica da Programação Neolinguística, desenvolvida por Richard Blander e John Grinder na década de 70.

Por meio dela, descobriu-se a disciplina de Modelagem da Excelência Humana, onde a mente, o corpo e a linguagem interagem para criar a percepção que cada indivíduo tem do mundo.

Essa percepção pode ser reprogramada por meio da utilização de uma variedade de técnicas, envolvendo a reprodução cuidadosa dos comportamentos e crenças de alunos que possuem mais dificuldade de aprendizado que outros.

Na PNL os seis sistemas representacionais do cérebro são: Visual, Cinestésica (sentindo as emoções do corpo), Auditiva, Olfativa e Gustativa. Quando os alunos estão em aula, estão utilizando os cinco sentidos básicos, bem como um sexto sentido que são as palavras, a linguagem do cérebro.

Todos indivíduos possuem os seis sistemas representacionais, mas cada um tem uma dessas características mais aflorada em sua personalidade, o que lhe confere a melhor forma de absorção do aprendizado e percepção de mundo únicas.

Então, o educador quando identifica a forma em que cada um de seus alunos melhor absorve o aprendizado e consegue aplicar a Programação Neurolinguística, alcança melhorias nos resultados do conteúdo passado em aula e contribui para o melhor aproveitamento dos alunos.

É isso aí! Hoje em dia o educador (que é o grande condutor do aluno ao mundo do ensino) que se dedica a estudar e aprofundar-se nas técnicas da PNL poderá compreender ainda mais o universo de cada ser em classe, podendo gerar melhores resultados no rendimento do aluno tornando o método de aprendizado mais “personalizado” e eficaz.

* Andrea Guimarães Umbuzeiro, é coach, sócia da Engenharia de Habilidades, única empresa com representação oficial The International Humanistic Coaching Society IHCOS no Estado de São Paulo.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.