Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A fantasia do horário eleitoral

A fantasia do horário eleitoral

10/09/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

Desde o dia 19 de agosto, assistimos a propaganda eleitoral gratuita no rádio e tv. É o grande espaço onde se expõe as propostas para o grande público, valendo-se da elevada penetração junto a todas as classes sociais, especialmente as mais populares, onde se encontra a maioria dos votos.

Não é à toa que os partidos disputam palmo-a-palmo a conquista de espaço no rádio e tv, constituindo alianças de conveniência inimagináveis se analisadas pelos pontos de vista ético ou ideológico. Adversários (até inimigos) juntam-se pela conquista de uns minutos a mais de propaganda. E, apesar do espaço ser gratuito por não ter de pagar os minutos de veiculação, investem elevadas somas na produção de verdadeiras peças publicitárias, nem sempre comprometidas com a verdade.

Os marketeiros, regiamente pagos pelos partidos, são verdadeiros mágicos na tarefa de transformar seus candidatos em super-heróis capazes de solucionar todos os problemas do povo. Atuam mais eficientemente do que seus precursores que um dia impuseram às donas de casa o sabão em pó que “lava mais branco”, o refrigerante que “refresca a sede” e outras verdades (ou mentiras bem colocadas) que se incrustaram no imaginário popular. Governos e governantes são transformados em componentes de uma verdadeira ilha da fantasia quando a tarefa é conseguir a reeleição.

Por tudo o que temos visto nesses 20 dias de propaganda “gratuita”, não evoluímos nada em relação às eleições anteriores. Os novatos seguem com as velhas propostas de melhorar a gestão, aplicar melhor o dinheiro público, garantir saúde, educação, segurança pública e outros itens hoje negligenciados. Os postulantes da reeleição dizem maravilhas sobre aquilo que realizaram e prometem fazer muito mais.

E o cidadão, eleitor, dono do voto em disputa, resta com aquela sensação de que, mais uma vez é enganado por aqueles que “gostam de levar vantagem em tudo”, como dizia a publicidade de cigarro que, para desencanto do seu protagonista, gerou a popular “Lei do Gerson”. Os candidatos à reeleição falam em saúde plena com hospitais de alta tecnologia, escola de tempo integral, estudo para todos. E ignoram a barbárie das mortes nos corredores de hospitais lotados, as filas por vaga nas creches, as escolas que não ensinam mas promovem o aluno.

Ao assistir esse desfile de maravilhas, o eleitor, que vive a crueza da realidade, fica com a nítida impressão de que falam de outro lugar. Que esse lugar e seus mirabolantes empreendimentos só existem na linguagem fácil dos marketeiros e no interesse dos candidatos pelos votos. “Se descobrir onde é isso, mudo para lá agora mesmo” – disse, ao assistir a propaganda, o velho militante, que já viu muita água passar debaixo da ponte...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa