Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A fantasia do horário eleitoral

A fantasia do horário eleitoral

10/09/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

Desde o dia 19 de agosto, assistimos a propaganda eleitoral gratuita no rádio e tv. É o grande espaço onde se expõe as propostas para o grande público, valendo-se da elevada penetração junto a todas as classes sociais, especialmente as mais populares, onde se encontra a maioria dos votos.

Não é à toa que os partidos disputam palmo-a-palmo a conquista de espaço no rádio e tv, constituindo alianças de conveniência inimagináveis se analisadas pelos pontos de vista ético ou ideológico. Adversários (até inimigos) juntam-se pela conquista de uns minutos a mais de propaganda. E, apesar do espaço ser gratuito por não ter de pagar os minutos de veiculação, investem elevadas somas na produção de verdadeiras peças publicitárias, nem sempre comprometidas com a verdade.

Os marketeiros, regiamente pagos pelos partidos, são verdadeiros mágicos na tarefa de transformar seus candidatos em super-heróis capazes de solucionar todos os problemas do povo. Atuam mais eficientemente do que seus precursores que um dia impuseram às donas de casa o sabão em pó que “lava mais branco”, o refrigerante que “refresca a sede” e outras verdades (ou mentiras bem colocadas) que se incrustaram no imaginário popular. Governos e governantes são transformados em componentes de uma verdadeira ilha da fantasia quando a tarefa é conseguir a reeleição.

Por tudo o que temos visto nesses 20 dias de propaganda “gratuita”, não evoluímos nada em relação às eleições anteriores. Os novatos seguem com as velhas propostas de melhorar a gestão, aplicar melhor o dinheiro público, garantir saúde, educação, segurança pública e outros itens hoje negligenciados. Os postulantes da reeleição dizem maravilhas sobre aquilo que realizaram e prometem fazer muito mais.

E o cidadão, eleitor, dono do voto em disputa, resta com aquela sensação de que, mais uma vez é enganado por aqueles que “gostam de levar vantagem em tudo”, como dizia a publicidade de cigarro que, para desencanto do seu protagonista, gerou a popular “Lei do Gerson”. Os candidatos à reeleição falam em saúde plena com hospitais de alta tecnologia, escola de tempo integral, estudo para todos. E ignoram a barbárie das mortes nos corredores de hospitais lotados, as filas por vaga nas creches, as escolas que não ensinam mas promovem o aluno.

Ao assistir esse desfile de maravilhas, o eleitor, que vive a crueza da realidade, fica com a nítida impressão de que falam de outro lugar. Que esse lugar e seus mirabolantes empreendimentos só existem na linguagem fácil dos marketeiros e no interesse dos candidatos pelos votos. “Se descobrir onde é isso, mudo para lá agora mesmo” – disse, ao assistir a propaganda, o velho militante, que já viu muita água passar debaixo da ponte...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.