Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A hora das políticas do álcool

A hora das políticas do álcool

07/12/2018 Guilherme Messas

Todos sabemos do sucesso da política do tabaco no Brasil.

Por meio de intervenções firmes na sociedade – como proibição de publicidade e banimento do uso em locais fechados – temos assistido a uma substancial redução do uso de tabaco no país. Infelizmente, não é o que observamos no tocante ao uso de álcool.

A despeito das evidências científicas mostrarem claramente a dimensão da nocividade do uso de álcool no Brasil (assim como em várias sociedades do mundo), muito pouco se tem feito para o controle deste problema.

Na verdade, o problema de álcool tem aumentado no país, como se vê pela maior frequência de pessoas usando álcool em episódios em grandes quantidades em pouco intervalo de tempo, chamados de binge drinking. Estes são um grave problema social, pois se ligam à violência familiar, aos acidentes automobilísticos e a vários outros comportamentos de risco.

Conseguir aproximar as evidências da ciência das necessidades de saúde pública da população ainda é um grande desafio, que exige a participação de todos. Por isso, é fundamental a iniciativa da Organização Mundial de Saúde de promover uma ação efetiva e ampla em relação aos danos causados pelo álcool.

As ações estratégicas defendidas pela OMS, por meio da iniciativa SAFER, para controle do álcool, devem ser apoiadas pelo conjunto da sociedade civil, visando a pressionar os governos para sua implementação. A restrição ao acesso ao álcool, incluindo a proibição ou restrição significativa de sua publicidade e promoção, é medida urgente para a efetivação de uma política de saúde pública no país.

Da mesma maneira, é fundamental que haja formação e treinamento de pessoal técnico para oferecer proteção à população sob risco. Apenas a ínfima minoria dos cidadãos necessitados de tratamento para problemas relacionados ao uso de álcool está recebendo ajuda, no momento.

É hora de mirarmos no álcool como o principal alvo das políticas de saúde pública. Sabemos como fazer, conseguimos no caso do tabaco. A ação concertada da sociedade civil tem todas as condições de ter sucesso agora também com o álcool.

* Guilherme Messas é psiquiatra especialista em Álcool e Drogas, é Professor e Coordenador do Programa de Duplo Diagnóstico em Álcool e Outras Drogas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Fonte: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.