Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A hora de encarar o mercado de trabalho

A hora de encarar o mercado de trabalho

21/07/2012 Felipe Barbosa Miléo

Escolher uma profissão vem sendo algo discutido há tempos. Geralmente, desde que o aluno ingressa no ensino médio, o pensamento de “não errar ao escolher a profissão” quase sempre fica vinculado à ideia de carreira, mas os jovens estudantes quase não conseguem distinguir o “não errar” da carreira ideal.

Ao final do ensino médio, alguns poucos sortudos possuem algumas qualidades e habilidades que se fazem valer na escolha profissional. A fluência na língua inglesa; vivência no exterior, decorrente de intercâmbios culturais e acadêmicos; muito mais afinidade com certos assuntos e matérias; entre outras.

Passada essa primeira fase, durante a faculdade alguns desses alunos estagiam em grandes empresas no Brasil e no exterior e, ao terminar a faculdade, estão empregados em grandes empresas, em grandes cidades, com ótimos cargos.  Aí vem a “2ª fase” daquele pensamento de “não errar ao escolher”. E agora? O que eu faço? Continuo nesse ótimo cargo e construo um plano de carreira?

“Aventuro-me” e vou me especializar na minha área acadêmica, talvez até em outro país? Na época, com 22 anos, eu decidi que iria partir para a aventura. Como eu já tinha a segunda língua e, nessa época, duas experiências internacionais (no 2º ano da faculdade trabalhei para a Walt Disney World Resorts num programa de estágio que virou efetivo), consegui um trainee operacional na seção hoteleira da 2ª maior empresa de entretenimento do mundo – o Tussaud’s Group UK – Inglaterra. Ótimo.

Como era um contrato fechado, eu sabia quanto tempo teria para trabalhar, mas já pensando no futuro. Durante o período de um ano de contrato, descobri que a Universidade de Birmingham tinha um núcleo dedicado a Turismo e Hotelaria. Gostei da ideia e então realizei duas ações: prestei a prova da Pós-Graduação em Administração Hoteleira, juntamente com a prova que me garantia 35% de bolsa de estudos na Universidade. Consegui os resultados esperados e, de “bônus”, conquistei um emprego na maior empresa de consultoria hoteleira da Inglaterra.

As coisas estavam indo muito bem e, portanto, eu não “tinha errado ao escolher”. Fui promovido três vezes e estava feliz. Mas, depois de vários anos, eu precisei voltar ao Brasil. Pensei comigo: “Não haverá problemas. Com o currículo que eu tenho, facilmente encontrarei um bom emprego”. Porém, a realidade não foi bem essa. É aquela história: Quando você tem pouco, não o contratam.

Quando você tem muito, também não o contratarão. Então mudei de área. Entrei para a educação. Virei professor de Inglês, fui me aperfeiçoar e estudar mais ainda, pois, afinal, é uma área que domino e eu poderia passar esse conhecimento para frente. Hoje, trabalho no departamento de línguas estrangeiras de uma grande empresa que fornece soluções para a educação pública. Mas na época da volta ao Brasil, veio à minha mente a questão que eu pensava que já tinha passado: “Será que eu errei ao escolher?”.

As perguntas continuam: Será que, por acaso, toda essa experiência não poderia ser usada em outras temáticas? Será que se eu aproveitar meu conhecimento e souber gerenciá-lo para outros processos, talvez não se tornem até mais úteis?

Não tenha medo do novo, não tenha medo de sair de sua zona de conforto. Eu creio que o “errar ao escolher” pode se tornar uma grande oportunidade a médio e longo prazo, se você conseguir enxergá-lo como tal e, claro, cada escolha precisa ser alinhada à parte acadêmica, que é uma grande alavanca para a carreira.

Felipe Barbosa Miléo é Orientador Educacional do programa Línguas Estrangeiras na empresa Planeta Educação. Pós graduado em administração hoteleira pela University of Birmingham, Inglaterra.



O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

Não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado.


O trabalho como dever moral e amor ao próximo

Encontrei um amigo do tempo de faculdade, há muitos anos não o via, e ele me disse que se aposentou aos 53 anos como funcionário graduado de uma repartição pública.


A nova CPMF seria bem-vinda

A reforma tributária é o grande destaque de discussões no ambiente político e econômico, no momento.


A depressão e o desemprego

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas.


Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.