Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A humanização da tecnologia no secretariado remoto

21/09/2020 Rachel C. F. Neves

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.

Um deles é o secretariado remoto, já consolidado nos Estados Unidos e cada vez mais presente no Brasil, ao oferecer um serviço personalizado às empresas, contribuindo para manter a identidade da marca no mercado.

Hoje, a tecnologia é uma facilitadora do processo, proporcionando diversas ferramentas para tornar o trabalho remoto mais eficiente, como Pacote Office, Dropbox, Google Drive, Toggl para cálculo de horas produtivas, Skype e Zoom, dentre outras.

Com o apoio dessas ferramentas digitais, o trabalho em secretariado remoto também traz maior liberdade, qualidade de vida e produtividade ao profissional, otimizando custos e tempo de deslocamento que, conforme apontado por pesquisas, o brasileiro gasta em média três horas no tempo de deslocamento casa-trabalho e trabalho-casa.

Portanto, a tecnologia mostrou o seu poder de complementar o ser humano, mas é preciso saber lidar com a velocidade dessas mudanças provocadas por robôs e super computadores nas próximas décadas.

As soft skills são importantes para profissionais de qualquer setor, principalmente para os profissionais em secretariado, muito se fala em inteligência emocional e interação entre as pessoas, mas é preciso aplicar de fato os conceitos que são essenciais para o pleno exercício da profissão, impedindo assim que a tecnologia “roube” a alma daqueles que conversam com outras almas e não somente com máquinas.

Nesse caso, o profissional que exerce o secretariado remoto terá de desenvolver e aprimorar habilidades emocionais para manter o vínculo com o cliente. É um trabalho pessoa-pessoa, e não somente pessoa-máquina.

Aliás, as habilidades como resiliência, empatia, colaboração e comunicação serão a chave de qualquer profissão. Outros exemplos de soft skills que auxiliam muito na realização do trabalho em secretariado remoto são:

- Flexibilidade: saber se adaptar às mudanças;

- Trabalhar sob pressão: gerenciar estresse sem perder o foco;

- Comunicação eficaz: ouvir atentamente e se comunicar de maneira clara;

- Liderança de equipe: saber como motivar e engajar grupos;

- Organização e planejamento;

- Facilidade de relacionamento interpessoal;

- Pensamento criativo.

À medida que as transformações no mercado e nas relações de trabalho avançam, cada vez mais empresas estão percebendo que precisam de colaboradores com habilidades que vão muito além da técnica.

No entanto, uma pesquisa global realizada com 450 lideranças executivas e 450 jovens, mostrou que três quartos dos jovens em início de carreira não estavam prontos para seu trabalho.

Na maioria dos casos, os contratados são inteligentes, ambiciosos e sabem usar tecnologia, mas não dão a devida importância ao valor da inteligência emocional e ao profissionalismo no ambiente de trabalho.

Para mudar essa ideia, vamos pensar na tecnologia como complemento para a expansão dos nossos horizontes, conduzindo-a de forma mais humana.

O trabalho à distância, como o de secretária executiva remota, precisa ser ainda mais focado na inteligência emocional para estabelecer um relacionamento de confiança com os clientes, entendendo seus desafios e usando a criatividade e a empatia como ferramentas para o sucesso do negócio.

* Rachel C. F. Neves é franqueada responsável pela unidade cidade de São Paulo da D.Zortéa Secretariado Remoto.

Fonte: Case Comunicação Integrada



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.