Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A imoralidade da interrupção de mandato político

A imoralidade da interrupção de mandato político

20/03/2019 Julio César Cardoso

Lamentavelmente a política nacional é uma vergonha.

Os políticos não se elegem para representar os interesses da sociedade, mas para defender os seus próprios interesses ou daqueles que custeiam as suas eleições. Votar em político, no Brasil, é perda de tempo, e o passar do tempo tem confirmado isso. 

Quanto custou a eleição de parlamentares -  que hoje interromperam o mandato para exercer outras funções - bancada grande parte pelo Fundo Eleitoral, no valor de 1,7 bilhão de reais, cujos recursos públicos foram arrancados das áreas da educação e da saúde? Esses  indecorosos, mascarados de políticos sérios, deveriam ressarcir o Erário pelo gasto de suas candidaturas.

Essa prática imoral da interrupção de mandato faz parte do tecido corrupto brasileiro, que já vem de muito tempo. Como pode ter hombridade política alguém que foi pedir voto e depois de eleito simplesmente dá uma solene banana ao eleitor, indo servir a governos na maior cara de pau?

Esses políticos traidores de eleitores não merecem nenhuma consideração da sociedade. São eleitos, infelizmente, pelo indecente instituto do voto obrigatório, cujo instrumento obriga os incautos eleitores a votar e eleger qualquer mequetrefe.

Mesmo que o parlamentar tenha competência técnica para o exercício de qualquer pasta, ele tem que entender que foi eleito para servir à sociedade no Parlamento. Então, se quiser sair, que demonstre dignidade diante do eleitor e renuncie ao mandato.

O país precisa urgentemente alterar as suas regras indecentes que agasalham a vida política. A interrupção de mandato para exercer outras funções é imoral e grave deslealdade ao eleitor.

O Art. 56 – I, da Constituição Federal, que ampara a investidura de parlamentar em áreas fora do Parlamento, precisa ser revogado à luz da impessoalidade e moralidade. Esperamos que os novos políticos eleitos tenham comportamento republicano diante da matéria.

* Júlio César Cardoso é servidor federal aposentado.

Fonte: Júlio Cardoso



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.