Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A imoralidade da interrupção de mandato político

A imoralidade da interrupção de mandato político

20/03/2019 Julio César Cardoso

Lamentavelmente a política nacional é uma vergonha.

Os políticos não se elegem para representar os interesses da sociedade, mas para defender os seus próprios interesses ou daqueles que custeiam as suas eleições. Votar em político, no Brasil, é perda de tempo, e o passar do tempo tem confirmado isso. 

Quanto custou a eleição de parlamentares -  que hoje interromperam o mandato para exercer outras funções - bancada grande parte pelo Fundo Eleitoral, no valor de 1,7 bilhão de reais, cujos recursos públicos foram arrancados das áreas da educação e da saúde? Esses  indecorosos, mascarados de políticos sérios, deveriam ressarcir o Erário pelo gasto de suas candidaturas.

Essa prática imoral da interrupção de mandato faz parte do tecido corrupto brasileiro, que já vem de muito tempo. Como pode ter hombridade política alguém que foi pedir voto e depois de eleito simplesmente dá uma solene banana ao eleitor, indo servir a governos na maior cara de pau?

Esses políticos traidores de eleitores não merecem nenhuma consideração da sociedade. São eleitos, infelizmente, pelo indecente instituto do voto obrigatório, cujo instrumento obriga os incautos eleitores a votar e eleger qualquer mequetrefe.

Mesmo que o parlamentar tenha competência técnica para o exercício de qualquer pasta, ele tem que entender que foi eleito para servir à sociedade no Parlamento. Então, se quiser sair, que demonstre dignidade diante do eleitor e renuncie ao mandato.

O país precisa urgentemente alterar as suas regras indecentes que agasalham a vida política. A interrupção de mandato para exercer outras funções é imoral e grave deslealdade ao eleitor.

O Art. 56 – I, da Constituição Federal, que ampara a investidura de parlamentar em áreas fora do Parlamento, precisa ser revogado à luz da impessoalidade e moralidade. Esperamos que os novos políticos eleitos tenham comportamento republicano diante da matéria.

* Júlio César Cardoso é servidor federal aposentado.

Fonte: Júlio Cardoso



Feliz Páscoa, principalmente às pessoas que sofrem

Uma vez por ano, a propaganda comercial nos faz recordar que a Páscoa está chegando.


Ter nome, é o que interessa

Naquele fim de tarde de Verão, de 1971, estava na livraria Figueirinhas, na companhia de meu pai, folheando as últimas novidades, expostas nos escaparates.


A União Fraternal

Sob qualquer aspecto – material ou espiritual – a união fraternal é o sonho que transcende a alma humana.


O outro lado do balcão

O assunto do dia, quando se fala em atendimento e qualidade de vida ao cidadão, é a Telemedicina.


Ensino religioso em 2019? Para quê?

Escolas Católicas têm em sua essência um trabalho que privilegia a formação humana.


A transformação do varejo

Os desafios dos lojistas instalados em shopping centers.


Pontes, estradas, prédios e negligência

São centenas os acidentes envolvendo o tráfego dentro e fora das águas.


Juquinha, um patrimônio mineiro

Juquinha era na verdade José Patrício, um homem simples, amável e cordial, como bem é o povo mineiro.


Para vivenciar momentos felizes com os filhos

Muitos momentos felizes e saudáveis da infância podem e devem ser de interação com amiguinhos ou familiares ao ar livre.


Descanso para os cansados

Aceitar o convite e procurar entender Jesus implica no fortalecimento e no entendimento da fé.


Paulo Guedes e a reforma Previdenciária

A reforma é vital não só para o desenvolvimento do Brasil, mas, principalmente, para o futuro da própria Previdência.


Tigrão, thucatchuca, mentiroso e outras descortesias, que horror!

O pedigree não nega. Tal pai, tal filho. Filho de lixo, lixo é!