Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância da cautela na estruturação de acordos de colaboração entre concorrentes

A importância da cautela na estruturação de acordos de colaboração entre concorrentes

12/04/2022 Maria Eugênia Novis e Ana Bátia Glenk

Em julgamento realizado este ano, o Tribunal Administrativo do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) teve a oportunidade de abordar os riscos concorrenciais relacionados à atuação colaborativa entre concorrentes.

O tema é relevante no mundo dos negócios, considerando que operações entre empresas rivais, como joint ventures, acordos de compartilhamento de infraestrutura e contratos associativos, são celebradas com frequência nos mais diversos setores.

Operações como essas podem se fundar em objetivos que trazem benefícios para a competitividade e para os consumidores, como alcançar economias de escala, diluir riscos e custos na implementação de um novo projeto ou obter melhores resultados em pesquisa e desenvolvimento, por exemplo.

Porém, ao estabelecer mecanismos de colaboração entre si, empresas rivais podem eventualmente facilitar a troca de informações sensíveis para além do estritamente necessário para alcançar os objetivos inicialmente visados ou se envolver em situações que possam levar a resultados indesejáveis, como elevação de preços, redução de qualidade de bens ou serviços ou ainda desincentivos à inovação, seja no mercado diretamente afetado pela operação ou em mercados distintos nos quais as partes são também concorrentes, efetivos ou potenciais.

Nesse contexto, os órgãos de defesa da concorrência tendem a analisar operações dessa natureza com cautela, levando em conta as participações de mercado das empresas envolvidas, a dinâmica competitiva no mercado em que se dará a cooperação e os mecanismos de governança concebidos para mitigar o risco de efeitos anticompetitivos. 

A análise dos precedentes nacionais sobre o tema mostra que, ao identificar tais riscos, o Cade tem exigido a adoção de barreiras físicas ou eletrônicas para evitar a troca indevida de informação sensíveis entre as partes, conhecidas como Chinese walls, e de programas de compliance robustos.

O Cade pode também exigir medidas como a condução dos negócios conjuntos das empresas concorrentes por administradores independentes, que lhes fornecerão apenas as informações essenciais para assegurar o monitoramento e a proteção dos seus respectivos investimentos no negócio.

É fundamental que empresas envolvidas em operações que impliquem colaboração ou cooperação entre concorrentes tragam a avaliação de riscos concorrenciais para a agenda da negociação o quanto antes.

Essa providência permite identificar preocupações que podem vir a ser levantadas pelo Cade, antecipar medidas aptas a afastá-las na estruturação do negócio e, assim, evitar a exigência de remédios para a obtenção da aprovação do órgão.

* Maria Eugênia Novis e Ana Bátia Glenk são, respectivamente, sócia e advogada da área de Concorrencial do Machado Meyer Advogados.

Para mais informações sobre mundo dos negócios clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: RPMA Comunicação



A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”