Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância da Comunicação na disseminação da Sustentabilidade

A importância da Comunicação na disseminação da Sustentabilidade

26/08/2020 Mirella Marchi

Não é de hoje que a sustentabilidade é preceito para todos e, principalmente, para as empresas e grandes marcas.

Ter responsabilidade para utilizar os recursos naturais sem comprometê-los para as gerações futuras é primordial para o planeta, mas também para a imagem corporativa e para os próprios negócios.

Isso nos mostra como todo o ecossistema de consumo está atento a questões como o uso de fontes de energia renováveis e limpas, o racionamento e controle na exploração de recursos minerais, reciclagem de resíduos, entre outras ações de sustentabilidade.

Mas a pergunta para os profissionais que tem como desafio implementar o desenvolvimento sustentável na empresa é: “como engajar os colaboradores e a sociedade em prol da conscientização para que cada um faça a sua parte?”

Acredito que você já tenha ouvido falar que boas notícias fomentam boas notícias, certo? E essa estratégia é justamente um ponto de partida para impactar funcionários, fornecedores, clientes e até os concorrentes da marca.

Compartilhar atitudes sustentáveis é um papel que todos podemos cumprir, tanto como pessoa física e, principalmente, como pessoa jurídica.

E as organizações têm um importante papel na disseminação da sustentabilidade junto a todos os seus stakeholders de forma a conscientizá-los da responsabilidade de cada um nesse assunto tão sensível.

Falando inicialmente sobre o papel da comunicação na construção de marca, ela é ferramenta fundamental para criar conexões de relacionamento entre todos os stakeholders.

Comunicação externa trabalha as divulgações para os diferentes públicos fora da empresa, por meio da imprensa, redes sociais e comunicados nos pontos de vendas e, ao compartilhá-las com a sociedade, é possível fomentar o diálogo sobre sustentabilidade e garantir que o tema se torne ainda mais conhecido, e práticas sustentáveis sejam ampliadas.

Já a comunicação interna é um meio primordial para o engajamento dos funcionários com a marca e para ser transparente no compartilhamento dos diferentes cenários que possam impactar os negócios e o dia a dia dos trabalhadores da companhia.

E as ações de sustentabilidade devem ser comunicadas justamente com esses dois propósitos: informar as novas atitudes da empresa e fomentar o envolvimento geral.

Além disso, criar um comitê de sustentabilidade é importante para tornar o tema relevante dentro da empresa.

É ele quem coordena o desenvolvimento e implementação de práticas sustentáveis, além da discussão para conscientização dos profissionais em temas como coleta seletiva, pegada hídrica, reflorestamento, pegada de carbono - estabelecendo metas para reduzir as emissões diretas (relacionadas à água e energia) e indiretas (transporte, resíduo sólido e viagens).

O objetivo é disseminar as ações entre os colaboradores e conscientizá-los sobre a importância de ser sustentável não só para a empresa, mas para a sua vida, afinal, muitos deles começam a ter contato com o tema por meio da organização.

Uma pesquisa da consultoria Gallup aponta que colaboradores engajados apresentam desempenho 147% melhor, além disso, esses funcionários também aumentam a satisfação do cliente, gerando um volume 20% maior de vendas.

Agora, com esses resultados em mente, imagine toda uma empresa com 100% dos empregados comprometidos com desenvolvimento sustentável. E esse é o papel da comunicação na disseminação do conhecimento e dos frutos colhidos.

Claro que apenas o discurso isolado não faz milagre e, por isso, além do time de comunicação interna, os líderes e gestores precisam ser pioneiros e estarem à frente desses projetos.

Servir de exemplo e compartilhar atitudes de desenvolvimento sustentável no dia a dia, nas redes sociais, ou em eventos e webinars, tem o poder de conectar toda a comunidade a sua volta, envolvendo, inclusive, o público externo.

Pode parecer simples, mas um líder que inspira uma equipe e uma comunicação interna eficaz, faz com que os colaboradores - em um primeiro momento aqueles mais atentos às questões ambientais - levem alguns projetos mais simples, como coleta seletiva, por exemplo, além da empresa, engajando também amigos e familiares.

Com isso, criamos uma rede em prol da sustentabilidade, que vai além dos muros da organização e impactam verdadeiramente a vida das famílias.

Em síntese, acredito que o desenvolvimento sustentável tem como base três pilares: a mudança de mindset, para transformar o status quo e tirar projetos do papel; uma comunicação 360º, para compartilhar o conhecimento e engajar os diferentes públicos com que a marca se relacione; e líderes ativos, para inspirarem e servirem de exemplo.

Leve a sustentabilidade nas raízes da companhia e faça dela o pilar para garantir o futuro.

* Mirella Marchi é gerente de Comunicação e Relacionamento da NISSIN.

Fonte: RPMA Comunicação



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.