Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância de aprender a dar e a receber

A importância de aprender a dar e a receber

19/03/2014 João Alexandre Borba

Prosperidade e felicidade. A nossa vida gira em torno de esses dois conceitos. São ideias subjetivas e que aparentam – erroneamente - que não podem ser alcançadas por qualquer um, mas posso provar o contrário.

Para alcançar a prosperidade, é preciso saber dar e receber com a mesma intensidade, sem cobranças. É preciso ter em mente que tudo o que você recebe, é porque você merece – seja isso um aumento de salário, um presente do seu parceiro(a) ou uma lembrança de um amigo. Se você não se sente bem, ou para você não é natural receber um presente ou uma boa ação, é porque está com algum outro problema: você acha que não merece as coisas.

E é aí que mora o problema. Pessoas que têm dificuldade em receber, também apresentam dificuldade em prosperar. Porque você pode oferecer, mas não pode receber? É preciso que haja essa troca. É isso o que torna um relacionamento saudável. A relação deve seguir em acréscimo – mas um acréscimo natural. “Um parceiro dá ‘x’, o outro dá ‘x+1’, o outro responde com ‘x+2’, e assim por diante, de uma forma natural, sem excessos. Porém, pessoas que apresentam dificuldade em receber, costumam dar demais – e isso faz com que comece a surgir um déficit na relação.

Você doa demais, recebe pouco – o que, na verdade, não é pouco, é o “normal”, - começa a ficar insatisfeito com o relacionamento e se torna crítico com o outro, começa a encontrar defeitos e problemas na relação – problemas esses que nunca lhe incomodaram. Você sente que precisa compensar essa “falta” de alguma forma – e faz isso criticando o outro, e não aprendendo a receber. Por outro lado, quando você dá demais, pode acabar por infantilizar o outro, se tornar o “pai” ou “mãe” do companheiro.

E isso faz com que ele procure outra pessoa para suprir o papel de namorado ou namorada. Outra questão bastante comum observada por pessoas que dão demais, é que elas são consideradas arrogantes: “Porque você dá demais e não se permite receber? Você é tão bom assim que ninguém pode te ajudar da mesma maneira que você ajuda os outros?”. A arrogância nasce em se acreditar que só o que vem através de você é bom. Ressalto que a única relação que tem essas características e sobrevive, é a relação entre pais e filhos.

Essa é conhecidamente uma relação desigual: eles dão muito e nós não retribuímos a altura. Eles deram – e continuam dando – a vida por nós. Nos educaram e nos deram tudo o que precisávamos. Essa é quase uma relação hierárquica, na qual eles estão acima de nós. Portanto, se você não quer virar pai ou mãe do seu parceiro, entenda a importância de dar e receber com a mesma naturalidade e mesma medida. Aqueles que dão demais, ou aqueles que são egoístas demais não vêem a vida prosperar. Ela simplesmente trava, no aspecto afetivo, financeiro, seja o que for.

O plano é aprender a receber e a merecer. E, se você quer merecer, se responsabilize pelos seus desejos. Para aqueles que não se doam: ser egoísta não vai levar a nada. Como já dito anteriormente, é preciso uma via de duas mãos, em que os dois estejam em harmonia e aceitem e se doem.

Para maiores informações, assista ao vídeo que gravei falando sobre esse assunto: https://www.youtube.com/watch?v=TQXh0hMLD4k

*João Alexandre Borba, Coach e Psicólogo.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa