Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância do planejamento estratégico digital

A importância do planejamento estratégico digital

20/08/2012 Felipe Morais

Planejar é preciso. Sempre. Em todas as minhas aulas e palestras, eu sempre falo sobre essa importante disciplina para os negócios, afinal, colocar uma marca na web sem ter a menor noção do que está se fazendo é um risco enorme.

Até cito casos como Facebook ou YouTube que são grandes sucessos do “acaso”, pois nenhum dos seus fundadores planejou ser o que é hoje, mas com um pouco de sorte, por estar no lugar certo na hora certa e depois de muito trabalho são hoje fenômenos da web. Mas quantas redes nós vemos nascendo todos os dias?

O Google, gigante da web, “matou” o Google Videos, pois o YouTube é muito mais acessado e rentável. Mas na sequência da aula, eu pergunto se meus alunos querem arriscar ser um entre um milhão, pois os exemplos acima são “agulhas no palheiro”.

Claro que nenhum deles quer ser isso, eu mesmo não quero e não aconselho, e é ai que apresento a importância do planejamento estratégico digital, e o porquê devemos estudar as marcas, mercados, concorrência, cenários e, principalmente, o consumidor, para traçar uma estratégia de sucesso.

Marcas de sucesso são muito bem planejadas. E ser bem planejadas não significa abrir o Power Point e jogar um monte de ideias ali sem a menor conexão com nada, apenas porque o planejador ou o criativo acharam a ideia legal. A ideia só é legal quando embasada o suficiente para que isso gere retorno à marca.

Do contrário é  “oba-oba” e no mercado altamente competitivo que estamos, isso não é bom para ninguém. Planejamento tem pilares importantes. Seguindo a ordem, os planejadores ou planners, contam uma história. Histórias bem contadas são compradas pelas pessoas. Em 1991, a Coca-Cola lançou uma campanha usando ursos polares.

Em 2012, ao ver uma imagem de um urso polar, a grande maioria das pessoas associa o urso a marca. E porque? Por que a história foi muito bem contada. O primeiro pilar a ser seguido é o objetivo. Sem ter em propósito claro, as marcas não sabem para onde ir.

Alguém cai na estrada sem saber para qual a cidade vai? Acho difícil. O segundo pilar é entender o cenário em que a marca está inserida. Não se cria campanhas promocionais com 10% de desconto para um produto como um Jaguar, por exemplo, algo de alto valor agregado.

Não é isso que as pessoas esperam do carro. Já o terceiro pilar é identificar a concorrência. Não se entra em uma guerra sem saber com quem brigar. A Coca-Cola sabe tudo sobre a Pepsi que sabe tudo sobre a Coca-Cola. Compram produtos umas das outras, pesquisam em mercados, ouvem os consumidores. Consumidor é o mais importante dos pilares, em minha opinião.

Não se vende para quem não se conhece. Grandes vendedores sabem até a data de nascimento da sogra do seu cliente. E vendem! Entendido esses quatro pilares iniciais, vamos ao campo da estratégia. Não se monta uma estratégia apenas com um insight maravilhoso. Se monta com um embasamento. Esse embasamento trará o insight, não tenha dúvida.

Depois, vamos ao plano tático, ou seja, como tudo o que foi pensado será colocado no ar. E por fim, o pilar de mensuração de resultados. Entender cada etapa do processo e depois mensurar os resultados é a chave do sucesso para as marcas em qualquer ambiente. Isso é planejamento!

Felipe Morais é coordenador da Pós Graduação em Marketing Digital da Faculdade Impacta Tecnologia.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.