Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A importância do planejamento estratégico digital

A importância do planejamento estratégico digital

20/08/2012 Felipe Morais

Planejar é preciso. Sempre. Em todas as minhas aulas e palestras, eu sempre falo sobre essa importante disciplina para os negócios, afinal, colocar uma marca na web sem ter a menor noção do que está se fazendo é um risco enorme.

Até cito casos como Facebook ou YouTube que são grandes sucessos do “acaso”, pois nenhum dos seus fundadores planejou ser o que é hoje, mas com um pouco de sorte, por estar no lugar certo na hora certa e depois de muito trabalho são hoje fenômenos da web. Mas quantas redes nós vemos nascendo todos os dias?

O Google, gigante da web, “matou” o Google Videos, pois o YouTube é muito mais acessado e rentável. Mas na sequência da aula, eu pergunto se meus alunos querem arriscar ser um entre um milhão, pois os exemplos acima são “agulhas no palheiro”.

Claro que nenhum deles quer ser isso, eu mesmo não quero e não aconselho, e é ai que apresento a importância do planejamento estratégico digital, e o porquê devemos estudar as marcas, mercados, concorrência, cenários e, principalmente, o consumidor, para traçar uma estratégia de sucesso.

Marcas de sucesso são muito bem planejadas. E ser bem planejadas não significa abrir o Power Point e jogar um monte de ideias ali sem a menor conexão com nada, apenas porque o planejador ou o criativo acharam a ideia legal. A ideia só é legal quando embasada o suficiente para que isso gere retorno à marca.

Do contrário é  “oba-oba” e no mercado altamente competitivo que estamos, isso não é bom para ninguém. Planejamento tem pilares importantes. Seguindo a ordem, os planejadores ou planners, contam uma história. Histórias bem contadas são compradas pelas pessoas. Em 1991, a Coca-Cola lançou uma campanha usando ursos polares.

Em 2012, ao ver uma imagem de um urso polar, a grande maioria das pessoas associa o urso a marca. E porque? Por que a história foi muito bem contada. O primeiro pilar a ser seguido é o objetivo. Sem ter em propósito claro, as marcas não sabem para onde ir.

Alguém cai na estrada sem saber para qual a cidade vai? Acho difícil. O segundo pilar é entender o cenário em que a marca está inserida. Não se cria campanhas promocionais com 10% de desconto para um produto como um Jaguar, por exemplo, algo de alto valor agregado.

Não é isso que as pessoas esperam do carro. Já o terceiro pilar é identificar a concorrência. Não se entra em uma guerra sem saber com quem brigar. A Coca-Cola sabe tudo sobre a Pepsi que sabe tudo sobre a Coca-Cola. Compram produtos umas das outras, pesquisam em mercados, ouvem os consumidores. Consumidor é o mais importante dos pilares, em minha opinião.

Não se vende para quem não se conhece. Grandes vendedores sabem até a data de nascimento da sogra do seu cliente. E vendem! Entendido esses quatro pilares iniciais, vamos ao campo da estratégia. Não se monta uma estratégia apenas com um insight maravilhoso. Se monta com um embasamento. Esse embasamento trará o insight, não tenha dúvida.

Depois, vamos ao plano tático, ou seja, como tudo o que foi pensado será colocado no ar. E por fim, o pilar de mensuração de resultados. Entender cada etapa do processo e depois mensurar os resultados é a chave do sucesso para as marcas em qualquer ambiente. Isso é planejamento!

Felipe Morais é coordenador da Pós Graduação em Marketing Digital da Faculdade Impacta Tecnologia.



Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.