Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A imprensa livre é a democracia

A imprensa livre é a democracia

07/12/2012

A temerária queda de braços que o governo argentino trava com o Grupo Clarín, maior conglomerado de comunicações do vizinho país, é um perigoso precedente para toda a América Latina.

Além de usar seu rolo compressor para aprovar a Lei de Mídia, que fragmenta a holding de comunicação, a presidente Cristina Kirchner e seus seguidores pressionam juízes e confrontam a instituição judicial exigindo o cancelamento da liminar, mais uma vez revalidada nesta quinta-feira, que mantém a integridade do Clarín com percentuais de cobertura territorial e populacional de jornal, rádio e tv superiores ao teto de 35% estabelecido na legislação questionada.

Não é a primeira vez que a Argentina comete violência contra grupos de comunicação. Em 1951, o caudilho Juan Domingo Perón expropriou o jornal “La Prensa” e em 1974, no seu terceiro e último mandato, interveio nos canais de tv. As ditaduras – muito comuns em todo o continente durante o século passado – amordaçaram a imprensa e perseguiram jornalistas sempre que estes as incomodavam. Mais recentemente, Hugo Chávez, na Venezuela, vem fazendo o mesmo. Agora, Cristina, na Argentina, o faz sob o argumento de defender a democracia.

Não é prudente a nós, brasileiros, esquecer que, em 2009, quando a Argentina aprovava a lei que hoje ameaça o Clarín, o governo do presidente Lula preparava um projeto parecido para o Brasil, que só não vingou graças à reação da sociedade, notadamente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que prometeu questionar sua constitucionalidade.

A sociedade precisa manter-se vigilante, pois os ávidos mordacistas  ainda ocupam as antesalas e os corredores dos palácios governamentais. Antigamente definida como “quarto poder”, por ocupar-se em fiscalizar os três poderes oficialmente constituídos (Executivo, Legislativo e Judiciário) e por atuar mais próxima do cidadão, a imprensa, sentinela, cumpre um importante papel.

É através das páginas dos jornais e das informações veiculadas pela rádios, tvs e meios eletrônicos que a população se informa dos acontecimentos e, com esse conhecimento, toma suas posições. Lamentavelmente, autoridades e poderosos que se sentem incomodados ou ameaçados em seus  negócios espúrios, não vacilam em insurgir contra o meio de comunicação.

Fazem perseguições fiscais, boicote econômico e, sempre que podem, constrangem através do aporte de verbas públicas ou particulares que, mais do que o espaço adquirido, destinam-se a comprar a liberdade. Em vez de tolher, dificultar e perseguir, os governantes deveriam criar condições objetivas para a imprensa bem cumprir o sua missão. Desoneração tributária, acesso a linhas de crédito e importações e outras facilidades hoje concedidas a sindicatos, ongs e a diferentes segmentos ditos sociais, poderiam contribuir em muito para o fortalecimento dos veículos de comunicação e, consequentemente, da própria democracia.

Não podemos ignorar que todos os grandes avanços vividos pela sociedade são impulsionados pela imprensa livre e cumpridora de suas finalidades. Os governantes têm de entender que até a atração de investimentos estrangeiros e a venda de nossos produtos ao exterior dependem da respeitabilidade e eficiência de nossos meios de comunicação. Tudo o que se fizer para atrapalhar esse trabalho, sem qualquer dúvida, será golpe contra os interesses do povo e da nação. Isso vale para o Brasil, Argentina, Venezuela e para a maior parte do mundo...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.