Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A impressão 3D no setor automotivo

A impressão 3D no setor automotivo

06/06/2015 Luiz Fernando Dompieri

Embora esteja cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, a impressão 3D ainda tem sua principal utilidade ligada à indústria.

Setores como o aeroespacial, o de embalagens e, principalmente, o automotivo enxergam essa tecnologia como um facilitador em seus processos de manufatura e, há cerca de 20 anos, investem em máquinas de grande porte.

A evolução dessa tecnologia pode ser notada graças a fatores como o aumento na gama de materiais disponíveis para serem utilizados em impressoras tridimensionais.

Há máquinas nos Estados Unidos, aguardadas no Brasil nos próximos meses, que já produzem peças em metal, um material com densidade superior até à de objetos fundidos. Elas conseguem trabalhar com cerca de 15 diferentes metais, como aço inoxidável, aço ferramenta, alumínio e titânio, e estão prontas para colaborar com setores que exigem produtos com riqueza de detalhes, como as indústrias aeroespacial e automotiva.

Isso representa que estamos deixando o desenvolvimento só de protótipos e partindo para a produção, ainda não massificada, mas personalizada. É um tipo de manufatura que já faz a diferença, mas que, em breve, vai ter muito mais presença nos processos industriais.

Falando mais especificamente sobre a área de automóveis, as impressoras 3D hoje em dia são utilizadas na fabricação de protótipos, por exemplo, dos coletores de admissão.

Graças a essa tecnologia, as montadoras conseguem pular algumas etapas, já que, antes mesmo de aplicarem o modelo de produção, submetem os protótipos impressos a testes e, inclusive, conseguem fazer a validação da peça final – há alguns anos, o molde para testes tinha de ser feito em aço, fato que aumentava erros e o tempo de produção.

Outro fato marcante da presença da impressão tridimensional na produção é um carro totalmente prototipado, desenvolvido para uma das principais montadoras do mundo há alguns anos.

O veículo reuniu diversas tecnologias, como usinagem para as rodas, modelamento para frisar o corpo externo, a impressão de faróis e lanternas, além da técnica de Vacuum Casting (desenvolvimento de pré-séries), com moldes de silicone e injeção de poliuretano.

Com as máquinas novas que chegam todos os anos ao mercado, as empresas de impressão 3D conseguem aumentar a flexibilidade, a velocidade e a capacidade de inovação para atender as grandes indústrias.

Em breve, será possível fazer peças impressas com muito mais rapidez, em ciclos rápidos de manufatura, com equipamentos capazes de concorrer com uma injetora de plástico. Isso ainda é para o futuro, mas um futuro que está muito mais próximo do que podemos imaginar.

* Luiz Fernando Dompieri é Diretor Geral da 3D Systems Latin America.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.