Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A inclusão educacional e o mês das crianças

A inclusão educacional e o mês das crianças

10/10/2019 Maria Inês Vasconcelos

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.

Talvez seja por isso que hoje me veio à lembrança uma tarde que passei com minha amiga no ano passado.
Ela chorava copiosamente. Tinha acabado de sair da escola da filha que, literalmente, “convidou” sua menina a deixar a instituição.

O colégio, referência na cidade, abusou de eufemismos e dissimulação ao justificar que “não estava preparado para ajudar aquela criança”. Num discurso insincero e de forma dissimulada, disse:

- Sua filha tem dificuldades e não temos como gerenciar isso de outra forma. É melhor procurar uma escola onde ela tenha mais oportunidade de se adaptar, pois percebemos que aqui ela está sofrendo.

Pura mentira. A menina adorava o local, os coleguinhas e a professora. A escola é que não estava minimamente preparada para aquela criança que foi descartada como um brinquedo quebrado, como se minha amiga tivesse uma filha ineducável ou anormal. Adjetivos impensáveis e monstruosos.

Contudo, o mundo deu voltas e “nossa menininha” estuda e tem muito sucesso num colégio vizinho. Está completamente adaptada, num ambiente agradabilíssimo, propício à sua educação e desenvolvimento.

Ela é muito popular, além de ser uma líder nata em sua salinha. Todos a adoram e ela é queridíssima, tendo, inclusive, ganhado o “prêmio-caderninho”, com o caderno mais caprichado e organizado da turma. Não posso também deixar de falar das festas de aniversário dela, não falta ninguém.

A escola anterior que a descartou, acredito eu, em virtude de pequenas diferenças no processo de aprendizagem foi quem perdeu essa aluna maravilhosa.

E isso é o que acontece com as organizações e entidades que mantêm, de forma velada, resquícios do preconceito e exclusão.

Um lugar desse, além de impiedoso, merece, no meu sentir, tratamento rigoroso do ponto de vista legal. A malfadada escola, um dia tomará um processo com elevadas chances de condenação, se repetir o que fez de premeditada e imoral, eis que essa escola desconhece que as crianças, independentemente de sua cor, idade, gênero, tipo de necessidade especial; são dotadas de dignidade, um dos valores mais elevados do ser humano garantido pelo nosso sistema constitucional, ao lado da liberdade e igualdade.

A partir desse parâmetro traçado pela Constituição federal fica claro que inclusão, educacional e social, deve reconhecer e receber as pessoas como são: humanas.

Não há mais lugar neste país, neste momento histórico, para a cultura preconceituosa e práticas de exclusão. Também não há espaço para o narcisismo ou fetiches.

A verdade é uma só. Somos todos iguais. Todas as crianças desse país são iguais e merecem o mesmo tratamento legal.

Carlos Drummond de Andrade, em tom de poesia, fez um alerta: “Brincar com crianças não é perder tempo, é ganhá-lo; se é triste ver meninos sem escola, mais triste ainda é vê-los sentados enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação do homem”.

Sim, aquela escola não pretendia formar homens. Ao descartar uma menininha de cinco anos, não agiu como uma verdadeira instituição de ensino; cujos pilares são o cultivo à fraternidade, solidariedade, respeito ao aluno e às suas necessidades, seguindo as normas legais.

Além disso, aquela escola tinha gestores desrevestidos do espírito de humanidade, e não era alinhada com a missão de formar homens. Pelo contrário, praticava de forma disfarçada e leviana, a exclusão.

Anseio que ao lado de cada menino e menina, neste canteiro da vida, não haja mais espaço para a segregação, estigma e preconceito.

Que a bandeira da inclusão seja hasteada no coração de cada homem e que juntos possamos proporcionar melhor qualidade de vida para as crianças deste país.

É outubro. É primavera. E a nossas crianças juntas, são nossas flores.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, palestrante, pesquisadora e escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.