Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A inclusão educacional e o mês das crianças

A inclusão educacional e o mês das crianças

10/10/2019 Maria Inês Vasconcelos

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.

Talvez seja por isso que hoje me veio à lembrança uma tarde que passei com minha amiga no ano passado.
Ela chorava copiosamente. Tinha acabado de sair da escola da filha que, literalmente, “convidou” sua menina a deixar a instituição.

O colégio, referência na cidade, abusou de eufemismos e dissimulação ao justificar que “não estava preparado para ajudar aquela criança”. Num discurso insincero e de forma dissimulada, disse:

- Sua filha tem dificuldades e não temos como gerenciar isso de outra forma. É melhor procurar uma escola onde ela tenha mais oportunidade de se adaptar, pois percebemos que aqui ela está sofrendo.

Pura mentira. A menina adorava o local, os coleguinhas e a professora. A escola é que não estava minimamente preparada para aquela criança que foi descartada como um brinquedo quebrado, como se minha amiga tivesse uma filha ineducável ou anormal. Adjetivos impensáveis e monstruosos.

Contudo, o mundo deu voltas e “nossa menininha” estuda e tem muito sucesso num colégio vizinho. Está completamente adaptada, num ambiente agradabilíssimo, propício à sua educação e desenvolvimento.

Ela é muito popular, além de ser uma líder nata em sua salinha. Todos a adoram e ela é queridíssima, tendo, inclusive, ganhado o “prêmio-caderninho”, com o caderno mais caprichado e organizado da turma. Não posso também deixar de falar das festas de aniversário dela, não falta ninguém.

A escola anterior que a descartou, acredito eu, em virtude de pequenas diferenças no processo de aprendizagem foi quem perdeu essa aluna maravilhosa.

E isso é o que acontece com as organizações e entidades que mantêm, de forma velada, resquícios do preconceito e exclusão.

Um lugar desse, além de impiedoso, merece, no meu sentir, tratamento rigoroso do ponto de vista legal. A malfadada escola, um dia tomará um processo com elevadas chances de condenação, se repetir o que fez de premeditada e imoral, eis que essa escola desconhece que as crianças, independentemente de sua cor, idade, gênero, tipo de necessidade especial; são dotadas de dignidade, um dos valores mais elevados do ser humano garantido pelo nosso sistema constitucional, ao lado da liberdade e igualdade.

A partir desse parâmetro traçado pela Constituição federal fica claro que inclusão, educacional e social, deve reconhecer e receber as pessoas como são: humanas.

Não há mais lugar neste país, neste momento histórico, para a cultura preconceituosa e práticas de exclusão. Também não há espaço para o narcisismo ou fetiches.

A verdade é uma só. Somos todos iguais. Todas as crianças desse país são iguais e merecem o mesmo tratamento legal.

Carlos Drummond de Andrade, em tom de poesia, fez um alerta: “Brincar com crianças não é perder tempo, é ganhá-lo; se é triste ver meninos sem escola, mais triste ainda é vê-los sentados enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação do homem”.

Sim, aquela escola não pretendia formar homens. Ao descartar uma menininha de cinco anos, não agiu como uma verdadeira instituição de ensino; cujos pilares são o cultivo à fraternidade, solidariedade, respeito ao aluno e às suas necessidades, seguindo as normas legais.

Além disso, aquela escola tinha gestores desrevestidos do espírito de humanidade, e não era alinhada com a missão de formar homens. Pelo contrário, praticava de forma disfarçada e leviana, a exclusão.

Anseio que ao lado de cada menino e menina, neste canteiro da vida, não haja mais espaço para a segregação, estigma e preconceito.

Que a bandeira da inclusão seja hasteada no coração de cada homem e que juntos possamos proporcionar melhor qualidade de vida para as crianças deste país.

É outubro. É primavera. E a nossas crianças juntas, são nossas flores.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, palestrante, pesquisadora e escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.