Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

06/07/2020 Françoise Iatski de Lima

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.

No entanto, não deixou claro se o valor do auxílio será mantido ou se ocorrerá uma redução. O que está previsto é que o governo tem a pretensão de pagar duas parcelas extras de R$ 300.

O auxílio emergencial é uma ajuda financeira cedida pelo Governo Federal aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem como objetivo fornecer amparo emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do Coronavírus.

O auxílio foi criado para compensar a perda de renda decorrente da pandemia. O benefício atual é de R$ 600 (ou R$ 1.200 para mães que não contam com a participação dos pais na criação dos filhos).

De início, os pagamentos seriam feitos por três meses, mas, diante do número expressivo de contaminados, falecimentos e a necessidade de prorrogar o isolamento social, o governo decidiu continuar com a ajuda.

O auxílio foi e é fundamental para muitas pessoas em situação de vulnerabilidade em todo o Brasil, dada a necessidade de se ter uma política para enfrentar a crise econômica e social gerada pela pandemia e também porque não sabemos como e quando virá a reativação da economia.

O dinheiro cedido na forma de auxílio se converteu em consumo e diminuiu, inclusive, o impacto negativo sobre a economia.

As pessoas que recebem o auxílio colocam essa renda no sistema mercantil, pois, uma família com R$ 600 em conta não fará poupança, mas fará a renda circular, também contribuindo com a geração de demanda agregada.

É um estímulo ao consumo que leva a mais vendas e a necessidade de se produzir bens e serviços e, desta forma, manter os empregos em alguns setores econômicos.

Essa renda permite que a economia, nesse momento tão complicado, apresente resultados menos desastrosos.

O auxílio também permite que mais pessoas possam ficar em casa, em isolamento social, e, assim, contribuir com o controle da crise sanitária.

Contrário ao posicionamento de parlamentares favoráveis à manutenção do valor de R$ 600, o presidente Jair Bolsonaro mencionou, em um dos seus pronunciamentos, que aceita aumentar o valor do auxílio emergencial se deputados e senadores reduzirem seus próprios salários e se o Congresso quiser que as duas parcelas extras sejam de R$ 600, os parlamentares terão que indicar a fonte da despesa.

Bolsonaro também ressaltou que o pagamento de cada parcela do auxílio custa em torno de R$ 40 bilhões. Segundo declarou, não há possibilidade de a dívida brasileira continuar crescendo da maneira como cresce.

Em um momento de muitas incertezas quanto ao futuro, acredito que não há possibilidade de manter, a cada semana, mais e mais pessoas convivendo com a pandemia e a fome.

Em momentos de calamidade pública, conta-se com participação efetiva do governo, por mais endividado que se torne.

O auxílio abrange cerca de 117,5 milhões de pessoas (55% da população brasileira) e se tornou uma despesa humanitariamente indispensável.

* Françoise Iatski de Lima é mestre em Desenvolvimento Econômico, professora dos cursos de Economia, Direito e Relações Internacionais da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.