Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

06/07/2020 Françoise Iatski de Lima

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.

No entanto, não deixou claro se o valor do auxílio será mantido ou se ocorrerá uma redução. O que está previsto é que o governo tem a pretensão de pagar duas parcelas extras de R$ 300.

O auxílio emergencial é uma ajuda financeira cedida pelo Governo Federal aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem como objetivo fornecer amparo emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do Coronavírus.

O auxílio foi criado para compensar a perda de renda decorrente da pandemia. O benefício atual é de R$ 600 (ou R$ 1.200 para mães que não contam com a participação dos pais na criação dos filhos).

De início, os pagamentos seriam feitos por três meses, mas, diante do número expressivo de contaminados, falecimentos e a necessidade de prorrogar o isolamento social, o governo decidiu continuar com a ajuda.

O auxílio foi e é fundamental para muitas pessoas em situação de vulnerabilidade em todo o Brasil, dada a necessidade de se ter uma política para enfrentar a crise econômica e social gerada pela pandemia e também porque não sabemos como e quando virá a reativação da economia.

O dinheiro cedido na forma de auxílio se converteu em consumo e diminuiu, inclusive, o impacto negativo sobre a economia.

As pessoas que recebem o auxílio colocam essa renda no sistema mercantil, pois, uma família com R$ 600 em conta não fará poupança, mas fará a renda circular, também contribuindo com a geração de demanda agregada.

É um estímulo ao consumo que leva a mais vendas e a necessidade de se produzir bens e serviços e, desta forma, manter os empregos em alguns setores econômicos.

Essa renda permite que a economia, nesse momento tão complicado, apresente resultados menos desastrosos.

O auxílio também permite que mais pessoas possam ficar em casa, em isolamento social, e, assim, contribuir com o controle da crise sanitária.

Contrário ao posicionamento de parlamentares favoráveis à manutenção do valor de R$ 600, o presidente Jair Bolsonaro mencionou, em um dos seus pronunciamentos, que aceita aumentar o valor do auxílio emergencial se deputados e senadores reduzirem seus próprios salários e se o Congresso quiser que as duas parcelas extras sejam de R$ 600, os parlamentares terão que indicar a fonte da despesa.

Bolsonaro também ressaltou que o pagamento de cada parcela do auxílio custa em torno de R$ 40 bilhões. Segundo declarou, não há possibilidade de a dívida brasileira continuar crescendo da maneira como cresce.

Em um momento de muitas incertezas quanto ao futuro, acredito que não há possibilidade de manter, a cada semana, mais e mais pessoas convivendo com a pandemia e a fome.

Em momentos de calamidade pública, conta-se com participação efetiva do governo, por mais endividado que se torne.

O auxílio abrange cerca de 117,5 milhões de pessoas (55% da população brasileira) e se tornou uma despesa humanitariamente indispensável.

* Françoise Iatski de Lima é mestre em Desenvolvimento Econômico, professora dos cursos de Economia, Direito e Relações Internacionais da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.