Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A injusta equação que prejudica emprego e trabalho

A injusta equação que prejudica emprego e trabalho

17/02/2012 José Adir Loiola

Certo otimismo moderado tem dado o tom da cobertura do noticiário econômico nacional em princípios de 2012, mesmo em meio à apreensão motivada pela crise na Europa.

O Brasil parece seguir firme na rota do crescimento e exibe números virtuosos, os quais impulsionam os empresários a manter suas projeções de investimento e expansão. Em quase dez anos, a taxa de desemprego no País caiu mais da metade, de 12,4% para 6,0%, segundo os dados mais recentes do IBGE. O mês de dezembro de 2011 fechou com um recorde histórico – apenas 4,7% de desempregados.

Ainda com base em dados do IBGE, duas consultorias constataram que durante a primeira década deste século, o Brasil experimentou impressionante movimento de mobilidade social. A pobreza absoluta caiu de 17,3 milhões para 7 milhões de pessoas e as classes C e B passaram a somar 80% dos domicílios brasileiros. São números relevantes, auspiciosos, no entanto, insuficientes para sanar a imensa dívida social construída em quase todo o período de nossa República, marcado por uma economia fechada e protetora aos interesses do setor agroexportador ou de sua elite industrial.

Exibimos ainda a marca de um dos países mais desiguais do mundo, com diferenças aviltantes de renda entre brancos e negros, homens e mulheres. E mesmo que a realidade demonstre que toda a expansão recente venha do setor de serviços, as leis são mantidas em favor de um contexto que não existe mais, alimentando uma estrutura burocrática encastelada no Estado e em algumas instituições corporativistas. Em 2009, segundo a mais recente Pesquisa Anual de Serviços do IBGE, o segmento empregava quase 10 milhões de trabalhadores com registro em carteira. Mas, ainda conforme indicadores do órgão, as empresas de Serviços atuam com uma produtividade correspondente a apenas 15% daquela verificada entre as organizações norte-americanas.

Nosso desempenho é afetado radicalmente pela carga tributária, especialmente sobre a folha de pagamentos, a qual quase triplica o dispêndio do empregador por mão de obra contratada. No segmento de segurança privada, o quadro se agravou em princípios de 2012 com a nova Convenção Coletiva firmada para a categoria dos vigilantes. O reajuste do piso salarial, acrescido da ampliação dos benefícios em relação ao adicional de risco de vida e ao vale refeição, irá elevar o custo do trabalhador para as empresas, o qual já absorve 85% de seu faturamento.

Um estudo realizado no ano passado pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi) a pedido do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp), havia identificado que os empregadores pagam uma soma 2,4 vezes maior que o salário do vigilante em função desses custos. Com a nova Convenção, a proporção saltará a 2,6 salários. Não é o caso de se questionar a necessidade de melhoria da renda do trabalhador brasileiro, mas de nos posicionarmos contra o movimento contínuo de aumento dos custos sem que tenhamos uma contrapartida das autoridades públicas, no sentido de assumirem e cumprirem com seu papel de rever a carga tributária que penaliza fortemente o setor produtivo.

Elas têm agido justamente em sentido contrário: em outubro do ano passado, o governo sancionou a Lei Federal 12.506, que acentua o encargo trabalhista, ao estender o período de cálculo do aviso prévio. Neste contexto, o setor de segurança privada, responsável pelo emprego e qualificação profissional de mais de 400 mil vigilantes em todo Brasil, corre o risco de protagonizar um influxo neste 2012. E de acabar, a contragosto, ajudando a produzir outro tipo de noticiário, carregado pelas tintas negativas do desemprego e do empobrecimento da população.

*José Adir Loiola é presidente do SESVESP (Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo).

 



Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Polícia liberada para trabalhar como sabe

Os contumazes amantes da desordem e defensores intransigentes dos criminosos torceram o nariz quando o governador Rodrigo Garcia determinou o aumento do número de policiais nas ruas (a cidade de São Paulo aumentou de 5 mil para 9.740 o número de policiais em ação) e declarou que quem levantar arma contra a polícia vai levar bala.


Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


Expectativa de grande crescimento

Em função da pandemia causada pela covid-19, os anos de 2020 e 2021 foram bastante desafiadores, particularmente para a indústria de máquinas e equipamentos.


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Muito além do chip da beleza

Você, com certeza, nos últimos meses já ouviu falar do famoso “chip” da beleza.


Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.