Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Insegurança custa caro

A Insegurança custa caro

27/03/2018 Marco Antônio Barbosa

Um em cada três empresários escolhe o local do seu negócio pelo grau de periculosidade.

Na última semana a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou um estudo em que o setor industrial gasta mais em segurança do que em ciência e desenvolvimento. No ano passado, foram gastos cerca de R$ 30 bilhões em segurança, enquanto, em pesquisa, foram gastos R$ 12,5 bilhões, de acordo com os últimos dados disponíveis do IBGE.

Outro número mostrado pela CNI também é bastante preocupante. Um em cada três empresários escolhe o local do seu negócio pelo grau de periculosidade. Ou seja, a logística ou proximidade da matéria-prima não são levadas em conta. Estes dados são sintomáticos e refletem na vida de todos. Estes valores estão embutidos em todos os produtos que você, caro leitor, consome, seja um carro ou uma simples caneta.

Com isso, a violência chegou ao nível de influenciar inclusive o nosso consumo diário. Já são perceptíveis os gastos com segurança privada - como câmeras ou cancelas - para se proteger. Também já é claro que precisamos evitar caminhos, gastando mais gasolina ou pegando outro ônibus, para não sermos vítimas de um assalto. Isso sem contar nos impostos que deveriam ser investidos em segurança que também pagamos.

Em todas as pontas a conta chega aos nossos, já reduzidos, bolsos. Agora temos mais uma evidência e é muito importante que tenhamos a consciência da gravidade do problema. Não é da noite para o dia que isso irá mudar, mas algo precisa ser feito, urgentemente, para que esta engrenagem comece a girar da forma correta e reflita na sociedade que vamos deixar para os nossos filhos.

O estudo da CNI também aponta melhorias que vão gerar resultados concretos em 2023, por exemplo. Não existe segredo ou mágica. Não existe intervenção militar que resolverá em um instante. O problema vem de décadas. Como pode ser resolvido em um piscar de olhos? Dói na conta, dói quando perdemos alguém para a violência.

Atualmente, segundo o ranking da organização de sociedade civil mexicana Segurança, Justiça e Paz, 17 das 50 cidades mais violentas do mundo estão no Brasil. Como mudar este panorama sem um cuidado especial? É necessário cobrar dos governantes um planejamento com investimentos não só em segurança, mas em educação, saneamento básico e saúde.

Fazer com que o Estado consiga prover dignidade para a população e assuma o vácuo de oportunidades deixado para o crime organizado se apossar. Nós – população geral, empresários, instituições - precisamos unir forças e pedir uma solução conjunta para o Brasil.

O problema não é municipal ou estadual, ele é federal e precisa de uma política comum para ser resolvido. Uma facção criminosa não se prende à fronteiras e o Governo precisa ser assim também, em todas as áreas. A insegurança custa caro, seja em forma de produtos ou vidas. Até quando vamos continuar calados pagando esta conta?

* Marco Antônio Barbosa é especialista em segurança e diretor da CAME do Brasil.

Fonte: WGO Comunicação



O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.