Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Internet está nos fazendo regredir?

A Internet está nos fazendo regredir?

21/12/2018 Leonardo Torres

Quantas postagens de redes sociais nós conseguimos absorver por dia?

Quantas postagens as redes sociais nos entregam por dia? Será que nós aproveitamos tudo o que vemos nas redes? Aproveitamos metade? Um terço? Quase nada? Ou nada? Quantas dicas nós vimos nas redes sociais e realmente as seguimos? Sobre investimentos, sobre os “Do It Yourself”, tutoriais de manutenção, instalação, etc...

Quantas notícias já lemos e pudemos nos aprofundar no caso? Quanto conhecimento não foi feito de “ctrl + c; ctrl +v”, o famoso "copia e cola"? Como nada é polarizado, um ou outro conteúdo nós soubemos aproveitar, entretanto, se compararmos com todos os outros conteúdos que chegam até nós, a conclusão é a mesma de Mário Sérgio Cortella: nós acabamos não por navegar na rede, mas por naufragar nela.

Nicholas Carr, um estudioso das consequências da internet no cérebro humano, afirma que nós não estamos preparados para receber tanta informação. A velocidade informacional não é acompanhada pelo nosso cérebro. A sociedade aumentou tanto o fluxo informacional nesses últimos 60 anos que o nosso corpo não foi capaz de se adaptar.

Uma das maravilhas desses últimos anos é a palavra “multitasking”, ou “multitarefas”. Quem é capaz de fazer várias coisas ao mesmo tempo, ou melhor, processar várias informações ao mesmo tempo, como ligar para o cliente, fechar um trabalho e se preparar para a palestra que acontecerá em 5 minutos, é com certeza, um indivíduo almejado no mercado de trabalho, e “adaptado” ao novo mundo.

Curiosamente, Byang Chul Han mostra que o multitarefa é, na verdade, uma capacidade primitiva humana. Há milhares de anos, ao mesmo tempo em que tínhamos que comer (época em que éramos carniceiros), nós também tínhamos que nos preocupar com outros predadores, cuidar do bando e estar o tempo inteiro preparado para fugir. Naquela época, também precisávamos processar informações ao mesmo tempo.

Ser multitarefas era muito importante antes, mas acabamos ao longo do desenvolvimento da raça humana equilibrando tal capacidade com a de aprofundamento dos conteúdos. Daí vieram os mitos, as filosofias, a matemática, a ciência em geral, todo o conhecimento ímpar do ser humano. Com o aprofundamento, fizemos muito com pouco. Hoje, com o excesso de informação, parece que estamos fazendo pouco com muito. Mais uma vez: será que nós aproveitamos tudo o que vemos nas redes?

* Leonardo Torres é Palestrante, Professor e Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática.

Fonte: RF Comunicação Corporativa



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.