Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A irresponsabilidade pública e o otário privado

A irresponsabilidade pública e o otário privado

28/03/2014 Telmo Schoeler

Há 50 anos, lido, falo e escrevo sobre o meu dia a dia na gestão e transformação de empresas privadas.

Hoje, diante da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de impor bilionária derrota ao governo obrigando a União a indenizar a Varig (seus credores ou a massa falida que dela resta) em cerca de R$ 3 bilhões, não posso me furtar a falar sobre a irresponsabilidade dos gestores públicos.

E, particularmente sobre este tema indenizatório, falo como "insider" por ter sido membro externo independente do Conselho de Administração dessa empresa quando ainda importante e viva, e, posteriormente, parte de um grupo de consultores chamado para montar um plano de reestruturação e salvamento da companhia, infelizmente inviabilizado por errôneo e obscuro posicionamento do governo. A justiça e o direito à indenização em causa sempre foram para nós inquestionáveis, tanto que seu montante fez parte dos ativos recebíveis de todos os planos de reversão da companhia, desde muito antes da Recuperação Judicial e da Falência.

Tentar argumentar a favor do governo de que a indenização não caberia sendo os problemas da empresa especialmente decorrentes de má gestão é errado, pois, um fato não elimina o outro. A gestão e principalmente seu próprio modelo eram notoriamente deficientes, mas a ação de congelamento ou contingenciamento de tarifas colaborou para acelerar a morte do paciente. O que trago à reflexão é uma consideração sobre a qual o cidadão civil passa normalmente ao largo.

Retornando no tempo, já tínhamos um país mal gerido por um presidente chamado José Sarney que decidiu congelar tarifas - entre elas as de passagens aéreas - como parte da tentativa de controlar uma inflação galopante. Como sempre, em vez de olhar para dentro de casa e consertar o que está errado, interferiu na vida privada e empresarial de terceiros para os quais mandou a conta. As razões para não mexer na própria casa, nos gastos, nos descontroles, gorduras, ineficiências etc, todos sabem: o custo político não era conveniente para ele, Sarney, e seu partido.

Agora, diante da condenação de R$ 3 Bilhões é uma falácia dizer que o "Tesouro" vai pagá-la, pois tudo que este tem veio e virá exclusiva, direta ou indiretamente do bolso do cidadão civil, quer através de impostos ou de alguma forma de captação voluntária ou forçada. O "governo" nada cria ou produz: se tem dinheiro ou d istribui alguma coisa é porque tirou da única fonte, os cidadãos civis. A síntese é de que o governo inventa por conveniência política e o cidadão paga.

Se tivéssemos verdadeira cidadania, o correto seria mandar a conta não para o "Tesouro", mas sim para a pessoa física do José Sarney. Se governantes fossem responsabilizados e condenados pecuniariamente como na governança de empresas privadas, certamente pensariam meia dúzia de vezes antes de inventar a pólvora e tomar decisões.

A lógica deveria ser a mesma para prejuízos de planos econômicos agora mandados para os "bancos", para imperícias de fiscalização do Banco Central e outros órgão de governo, para prejuízos causados por apagões elétricos, e por aí vai. Enquanto a gestão pública tiver viés político e partidário e não for pessoalmente responsabilizável e cobrado, a conta continuará a ser bancada pelo inconsciente otário civil. E a farra vai continuar.

*Telmo Schoeler é sócio-fundador e Leading Partner da Strategos - Strategy & Management, fundador e coordenador da Orchestra - Soluções Empresariais.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso