Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A justiça nossa de cada dia

A justiça nossa de cada dia

13/08/2020 Luís Fernando Lopes

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)

André Comte-Sponville, no Pequeno Tratado das Grandes Virtudes, ao tratar da virtude cardeal da justiça cita Alain que afirmava: “a justiça existirá se a fizermos. Eis o problema humano”.

E a essa citação Comte-Sponville acrescenta alguns questionamentos: mas que justiça? Como fazê-la, sem saber o que ela é ou o que deve ser?

Das virtudes cardeais, a justiça é aquela que Aristóteles considera a virtude completa que nenhum tipo de felicidade dispensa.

Ou seja, todo o valor a supõe e toda humanidade a requer. Mas por que no dia a dia parece imperar a lógica da conveniência, do jeitinho?

Mas se a justiça como nos ensinam os clássicos, é agir respeitando a legalidade na cidade e a igualdade, como manter a igualdade entre seres humanos desiguais?

E Commte-Sponville nos ajuda com a resposta, lembrando que lei é lei, seja justa ou não, mas ela não é a justiça.

Assim, não se fala apenas da justiça como fato, ou seja, a legalidade, mas da justiça como valor e como virtude, ou seja, igualdade, equidade).

Essas considerações nos ajudam a refletir sobre a trajetória histórica da humanidade, assim como sobre os desafios do nosso tempo. Estar ciente de que se agiu em conformidade com a justiça nos traz alegria e satisfação.

Por outro lado, presenciar situações injustas, ainda que não sejam diretamente ligadas a nós, causam indignação e mesmo sensação de impotência, quando se manifestar ou agir pode trazer consequências ainda mais desastrosas.

Há que se pensar também na ética da conveniência. Como é possível alegrar-se ou fingir estar alegre e satisfeito com algo conquistado injustamente?

Por uma vitória conquistada com trapaça? Pelo enriquecimento conquistado ilicitamente provocando dor e sofrimento de quem foi lesado?

E ainda é preciso juntar a isso os discursos elaborados para justificar as malandragens, jeitinhos, falcatruas como se fossem naturais e necessárias, afinal o mundo é dos espertos e todo mundo faz, se diz no senso comum.

Nesse mar de contradições falta paz, porque a paz verdadeira é fruto da justiça. Se não há verdadeira justiça não haverá verdadeira paz. 

Como salienta André Comte-Sponville, a justiça não tem um dono, um partido uma instituição e todos estão moralmente obrigados a observá-la.

Só há justiça se há justos para defendê-la. É preciso respeitar as leis, cumprir deveres, garantir direitos, mas nunca sacrificando a justiça.

A máxima aristotélica pode certamente nos ajudar na compreensão e no agir: “não é justiça que faz os justos, são os justos que fazem a justiça”.

* Luís Fernando Lopes é professor da área de Humanidades da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.


Autoconhecimento: uma regra de ouro da vida

Há quem os critique, há quem os ame; eles já me resgataram do fundo poço e lhes sou grata: os livros de autoajuda.


Você tem curso universitário?

Naquela macia manhã de domingo, fui com meu pai, à missa, na igreja de Santíssima Trindade.


Voto é interesse. Não é direito, nem dever…

A partir desta quarta-feira (16), os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025.


7 tendências em Analytics que estão mudando a área financeira

Segundo a consultoria McKinsey, mais de 90% dos 50 principais bancos do mundo utilizam, de forma avançada, a tecnologia de análise de dados, também conhecida como Analytics.


Para matar a sede por informação, Estatística!

É quase um clichê em Administração afirmar que a gestão e a tomada de decisão devem ter suporte em dados e informações.


Surgem os candidatos. Escolham o melhor…

Termina na quarta-feira, dia 16, o prazo para as coligações e partidos políticos escolherem, em convenção, seus candidatos a prefeito e vereador, para as eleições que este ano, por conta da Covid 19, foram adiadas de outubro para novembro.


Pela manutenção do teto de gastos

Limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar.