Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A morte do agiota

A morte do agiota

10/09/2008 Sylvia Romano

Ele foi um grande homem, tanto no porte como no sucesso empresarial. Constituiu uma grande família, para a qual deixou como herança uma fortuna incalculável. Partiu na idade que deveria, nem tão jovem nem tão velho, principalmente nos dias de hoje.

Teve o respeito e as glórias devidas em vida, mas foi embora como todos irão um dia. Foi muito homenageado na morte, porém pouco pranteado, afinal, um rico quando morre sempre deixa muita gente feliz, principalmente os que lucrarão com a sua partida. O enterro foi de primeira com milhares de coroas de flores, caixão luxuoso, velório chique e tudo mais que o dinheiro pode comprar para suas última despesas na terra.

Neste momento, o grande homem deve estar prestando contas a alguém sobre o imenso pecado que cometeu. A igreja do século XIII estabeleceu que a cobrança de juros seria o maior de todos os pecados, pois o que se está vendendo é o tempo em que o dinheiro fica sobre a guarda de outro e isto é algo que pertence somente a Deus. Inventado pelos fenícios, no começo o dinheiro não tinha a menor importância, o que existia era o escambo, as permutas. A partir do século XIII, com o início das viagens, das Cruzadas, a moeda começou a se tornar uma necessidade para os viajantes. Logo, virou mercadoria e muita gente — os chamados “agiotas” — começou a negociar dinheiro e tempo, vendendo, assim, o que anteriormente pertencia somente ao Supremo.

Novos tempos, novos deuses, o atual chama-se dinheiro. Antigamente todo povoado iniciava-se com uma capela. Já, Brasília a primeira grande cidade do pós-guerra, teve como seu primeiro prédio o Banco do Brasil, o que talvez venha a explicar os juros praticados hoje em nossa terra.

Não vou falar do homem, não vou falar do empresário, não vou falar do seu sucesso. Só vou falar que se existisse o purgatório, criado pela Igreja para abrigar aqueles que cometeram alguma coisa errada durante a vida — principalmente a usura —, este lugar, com certeza, estaria recebendo hoje mais um hóspede que comercializou aquilo que só a Deus pertence. Infelizmente para este comerciante, no local onde ele está agora, o dinheiro nada mais poderá comprar. Nesse momento, só resta a ele esperar... Esperar para pagar o tempo que vendeu a muitos.

*Sylvia Romano é advogada trabalhista, responsável pelo Sylvia Romano Consultores Associados, em São Paulo. E-mail: [email protected]



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.