Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A nova onda tecnológica

A nova onda tecnológica

28/03/2018 José Pio Martins

Um dos objetos não tangíveis é o futuro e tudo que ele trará, especialmente a nova onda tecnológica.

Buckminster Fuller, visionário e cientista multifacetado, costumava chamar a atenção para a diferença entre o cérebro e a mente. Ele dizia que o cérebro vê os objetos tangíveis, mas só a mente pode enxergar o que não é tangível nem perceptível aos olhos.

Porém, para enxergar o que não é tangível e compreender suas propriedades, há complexidades científicas e técnicas que exigem uma mente treinada na educação, na pesquisa e no conhecimento. Um dos objetos não tangíveis é o futuro e tudo que ele trará, especialmente a nova onda tecnológica.

Não é fácil saber para o onde o futuro conduzirá a humanidade, mas dá para imaginar certas ocorrências que serão inevitáveis, sobretudo porque muitas são consequências de fatos e situações do presente.

Tanto no plano individual como no social, há um turbilhão de mudanças em ebulição que vão explodir de forma irremediável, e afetarão nosso modo de produção, trabalho e bem-estar. Quem deseja participar da nova onda precisa estar preparado, primeiro para enxergá-la e, segundo, para compreender o que é e quais suas consequências. A partir daí, fica mais fácil traçar o plano de carreira e sobrevivência.

Fuller dizia que “você não pode se desviar de coisas que não vê movendo em sua direção”, e dava como exemplo a substituição do cavalo pelo automóvel. Leonardo da Vinci – para mim, o maior gênio que já passou pelo planeta – projetou um triciclo em 1478, movido a corda, como um relógio, mas coube a dois engenheiros alemães, Karl Benz e Gottlieb Daimler, já perto de 1900, a viabilização do automóvel de combustão interna.

Na época, muitos acreditavam que o automóvel seria uma novidade passageira, uma coisa de ricos. Simultaneamente, surgiu a indústria do petróleo, e o automóvel substituiu o cavalo como transporte de massa e foi a tecnologia que fez a transição do transporte da Era Agrária (o cavalo) para o transporte da Era Industrial (o carro com motor). A consequência – uma onda que a maioria não viu – foi uma montanha de prejuízos à criação de cavalos, que perderam valor de mercado.

Se naqueles anos o automóvel foi resultado de uma longa e lenta evolução, hoje as mudanças são rápidas e profundas. Há muito modismo por aí, e muitas inovações vão dar em nada, especialmente nessa febre de disrupção – ou disruptura, como querem alguns, já que esse substantivo vem do verbo “derruir”, que significa desmoronar, destruir.

Entretanto, o que vai sobrar de novas tecnologias, novos inventos e inovações será suficiente para balançar os alicerces de empresas, processos, funções, trabalho e emprego. Até há pouco tempo, as grandes mudanças tecnológicas e as inovações se davam precipuamente nas atividades produtoras de bens físicos e tangíveis, sobretudo na agricultura e na indústria.

Agora, a nova onda que está se formando e vindo em nossa direção vai atingir amplos setores que produzem serviços intangíveis. Educação, saúde, lazer, telecomunicações, segurança, justiça e mais uma lista de serviços não escaparão da revolução tecnológica e das inovações prestes a explodir e inundar o mercado.

Tentar fugir ou retornar ao nacionalismo xenófobo é um erro de graves proporções, que talvez nem os mais atrasados esquerdistas vão defender, como fizeram nos anos 70 apoiando a trágica lei de reserva de mercado da informática brasileira; esta proibia a importação de computadores e qualquer equipamento contendo componentes eletrônicos, vetava a compra de tecnologia internacional e não permitia que produtores estrangeiros viessem produzir suas máquinas no Brasil.

Não havendo espaço para esse tipo de política, é melhor que governos, empresas e trabalhadores se preparem para enfrentar as mudanças. Antes, porém, é preciso conhecê-las, estudá-las e saber como se ajusta a elas.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.