Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A ousadia do mágico multiplicador de riqueza

A ousadia do mágico multiplicador de riqueza

30/08/2017 Julio César Cardoso

O PT por 13 anos de governo destruiu a economia nacional, levando o país à quase bancarrota.

Deixou um espólio de mais 13 milhões de trabalhadores desempregados, endividados e empresas quebradas. E agora os inocentes do PT querem responsabilizar o governo atual pela situação do país.

Ora, embora o governo Michel Temer também não seja nenhuma flor que se cheire, que deveria ser defenestrado por suas relações promíscuas com Joesley Batista, sinceramente, este governo não deu causa alguma a tal “merda” agora balbuciada por Lula boca-suja, em discurso na Bahia: “Este país tem jeito (mas o PT não endireitou em 13 anos de governo).

Não nasceu para ser uma merda (aliás, merda, infelizmente, deixada pelo PT), que ele é. Este país é grande demais". Por mais que Lula e empedernidas carpideiras petistas discordem ou continuem a contestar a legitimidade governamental, a verdade é que a economia nacional tem dado sinal de recuperação em tão pouco tempo.

Lula em seu périplo desesperado pela volta ao poder, antes que seja preso, não mede palavras de seu habitual vocabulário chulo para ofender os seus adversários e com isso vender aos incautos eleitores nordestinos a manjada imagem de defensor dos oprimidos. Só que Lula não engana a todos por muito tempo.

Pois a fraca recepção a Lula em Salvador evidencia que muitos baianos já conhecem a esperteza criminosa de agir do falso demiurgo, atualmente, condenado pelo juiz Sérgio Moro a 9 anos e seis meses de prisão e que continua sendo processado por tirar proveito da coisa pública.

Na coleção de reveses da caravana de Lula no Nordeste, no dia 19 de agosto, em Natal, Lula e sua comitiva tiveram de deixar às pressas o restaurante “Camarões, sob vaias e o bordão de “Lula na cadeia.” Não pode ser considerado honesto quem fez fortuna só vivendo da política.

Qual o trabalhador que se dá ao luxo de ter 9,6 milhões de reais aplicados em Brasilprev? Derivados, como é noticiado, do propinoduto das empreiteiras envolvidas na Lava-Jato. Sem menosprezar a capacidade multiplicadora de acumular riqueza à custa do poder exercido, Lula deveria ter vergonha de se apresentar para pedir voto à camada miserável brasileira que ele, Dilma e o PT não conseguiram, em 13 anos de poder, reverter o contínuo estado de miserabilidade.

* Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.



Entre a Pressa e a Preguiça

Quem já passou dos quarenta anos e viveu em algum canto do Brasil, experimentou, certamente, exercícios sistemáticos de paciência.



O “Golpe do WhatsApp” e o roubo da conta no aplicativo

Caso você seja vítima desse golpe, deve imediatamente entrar em contato com o WhatsApp para informar que alguém está utilizando a sua conta.


Reflexão sobre a democracia

Deambulava numa manhã de domingo, na Praça da Batalha, no Porto, quando perpassei por sujeito, elegantemente trajado: calça e casaco azul-marinho, camisa branca, gravata cinza.


Como não errar ao investir?

Muitas pessoas têm receio em falar sobre os seus investimentos, pois ainda é um grande tabu falar sobre dinheiro.


Para uma sociedade melhor

No tempo da minha juventude, conheci mocinha, de origem modesta, mas rica de inteligência, esperteza e perspicácia.


Fake (old) News

Tanto a existência das fake news quanto a expressão em si, já existem há muito tempo.


Por que os professores de Humanas são de “esquerda”?

Quero começar essa reflexão com uma resposta simples: não!


Como revestir a casa de forma prática e com menor custo

Nos últimos anos, uma das novidades de maior destaque se traduz no surgimento dos revestimentos inteligentes.


O livro e a cultura

29 de outubro é o Dia do Livro. 5 de novembro é o Dia da Cultura.


Os controversos e suas controvérsias

O ano de 2019 tem sido, sem dúvidas, muito fértil para os noticiários políticos internacionais.


A demora do Poder Legislativo em não regular a prisão em segunda instância

Os parlamentares federais são exclusivamente culpados por ter o STF procedido à revisão da prisão em segunda instância.