Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A outra Direita

A outra Direita

04/10/2014 Paulo Figueiredo Filho

São frequentes as pessoas que me contatam através das redes sociais.

Algumas, após lerem tudo o que escrevo e publico, acessarem alguns dos meus vídeos e observarem que sou diretor de uma instituição chamada INSTITUTO LIBERAL, concluem imediatamente que defendo a implantação de uma “ditadura de direita” – seja lá o que for isto.

Talvez, o sujeito associe, de alguma forma, o sobrenome de minha família a alguma “ditadura”, ignorando completamente a história do Brasil e o fato de que meu bisavô, Gen. Euclides Figueiredo, foi perseguido por se opor à (esta sim) ditadura Vargas. Ou ainda, que em uma história um pouco mais recente, seu filho e meu avô, João Figueiredo, tenha jurado, desde seu discurso de posse, fazer deste país novamente uma democracia.

Cumpriu a promessa, governou com Congresso e governadores eleitos e devolveu o Brasil pacificamente aos civis, mas não sem antes promover a anistia ampla, geral e irrestrita. Assim sendo, a única explicação que uma mente racional poderia conceber é a de que o sujeito tem apenas dois neurônios: o Tico e o Teco, só que o Tico entrou pelo sistema de cotas e o Teco está encostado recebendo Bolsa Família. Mas, o que mais me surpreende nestas interlocuções não é a revolta dos esquerdistas completamente lobotomizados pelo MEC.

Estes abundam até mesmo nas redações dos jornais e revistas de grande circulação. Os que realmente me escandalizam são os que me contatam porque APOIAM esta tal “ditadura de direita”, que teria minha suposta simpatia. Veja bem, se todo meu discurso é focado na tentativa de diminuição do poder do Estado, no aumento das liberdades individuais e na restauração de uma verdadeira democracia, existe uma outra direita no Brasil que defende algo que é quase tão opoente a estes valores quanto o próprio socialismo.

Das bocas da outra “direita” sai uma verborréia absolutamente inominavel, que vai desde a execução sumária de Lula, Dilma, Dirceu (e dependendo, também de FHC), até os clamores por um novo “Golpe Militar”, passando pela constatação de que toda imprensa, governos e empresas estão dominadas pela maçonaria. A lista de boçalidades é interminável e a transcrição de alguns de meus diálogos com esta classe será fruto de artigos futuros. Há quem diga, não sem razão, que são lunáticos completamente inofensivos e, por definição, jamais terão a capacidade de colocar qualquer uma destas ideias em prática ou gozar de qualquer influência.

Mas, o que talvez ignorem, é o tremendo desserviço que uma “direita” faz à outra no Brasil. Pois a esquerda, com seus diversos instrumentos, utiliza-se daqueles como se fossem úteis ferramentas de propaganda, cujo único propósito é caricaturizar como extremistas, quaisquer autênticos liberais ou conservadores. A última consequencia é a vala comum em que cai todo e qualquer direitista que, aos olhos dos cidadãos que se julgam de bom senso, torna-se um verdadeiro leproso sequer digno de contato.

* Paulo Figueiredo Filho é Economista, Bacharel em Filosofia e Diretor de Relações com o Mercado do Instituto Liberal.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.