Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A outra Direita

A outra Direita

04/10/2014 Paulo Figueiredo Filho

São frequentes as pessoas que me contatam através das redes sociais.

Algumas, após lerem tudo o que escrevo e publico, acessarem alguns dos meus vídeos e observarem que sou diretor de uma instituição chamada INSTITUTO LIBERAL, concluem imediatamente que defendo a implantação de uma “ditadura de direita” – seja lá o que for isto.

Talvez, o sujeito associe, de alguma forma, o sobrenome de minha família a alguma “ditadura”, ignorando completamente a história do Brasil e o fato de que meu bisavô, Gen. Euclides Figueiredo, foi perseguido por se opor à (esta sim) ditadura Vargas. Ou ainda, que em uma história um pouco mais recente, seu filho e meu avô, João Figueiredo, tenha jurado, desde seu discurso de posse, fazer deste país novamente uma democracia.

Cumpriu a promessa, governou com Congresso e governadores eleitos e devolveu o Brasil pacificamente aos civis, mas não sem antes promover a anistia ampla, geral e irrestrita. Assim sendo, a única explicação que uma mente racional poderia conceber é a de que o sujeito tem apenas dois neurônios: o Tico e o Teco, só que o Tico entrou pelo sistema de cotas e o Teco está encostado recebendo Bolsa Família. Mas, o que mais me surpreende nestas interlocuções não é a revolta dos esquerdistas completamente lobotomizados pelo MEC.

Estes abundam até mesmo nas redações dos jornais e revistas de grande circulação. Os que realmente me escandalizam são os que me contatam porque APOIAM esta tal “ditadura de direita”, que teria minha suposta simpatia. Veja bem, se todo meu discurso é focado na tentativa de diminuição do poder do Estado, no aumento das liberdades individuais e na restauração de uma verdadeira democracia, existe uma outra direita no Brasil que defende algo que é quase tão opoente a estes valores quanto o próprio socialismo.

Das bocas da outra “direita” sai uma verborréia absolutamente inominavel, que vai desde a execução sumária de Lula, Dilma, Dirceu (e dependendo, também de FHC), até os clamores por um novo “Golpe Militar”, passando pela constatação de que toda imprensa, governos e empresas estão dominadas pela maçonaria. A lista de boçalidades é interminável e a transcrição de alguns de meus diálogos com esta classe será fruto de artigos futuros. Há quem diga, não sem razão, que são lunáticos completamente inofensivos e, por definição, jamais terão a capacidade de colocar qualquer uma destas ideias em prática ou gozar de qualquer influência.

Mas, o que talvez ignorem, é o tremendo desserviço que uma “direita” faz à outra no Brasil. Pois a esquerda, com seus diversos instrumentos, utiliza-se daqueles como se fossem úteis ferramentas de propaganda, cujo único propósito é caricaturizar como extremistas, quaisquer autênticos liberais ou conservadores. A última consequencia é a vala comum em que cai todo e qualquer direitista que, aos olhos dos cidadãos que se julgam de bom senso, torna-se um verdadeiro leproso sequer digno de contato.

* Paulo Figueiredo Filho é Economista, Bacharel em Filosofia e Diretor de Relações com o Mercado do Instituto Liberal.



A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.